Aplicando jQuery no ASP.NET - Revista easy .net Magazine 23

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (1)  (0)

O artigo apresenta o framework jQuery. O mesmo é um framework muito utilizado para o desenvolvimento de aplicações Web, principalmente por sua facilidade de integração com páginas Web.

Atenção: esse artigo tem um vídeo complementar. Clique e assista!

De que se trata o artigo

O artigo apresenta o framework jQuery. O mesmo é um framework muito utilizado para o desenvolvimento de aplicações Web, principalmente por sua facilidade de integração com páginas Web.

Em que situação o tema é útil

O tema é útil para o desenvolvimento de aplicações web que necessitam de mais interatividade, onde precisamos realizar tarefas no lado do cliente para ganharmos performance e reduzir o tráfego de rede. Além disso, o uso de efeitos é outra característica importante do mesmo.

jQuery no ASP.NET – Faça mais e escreva menos

Neste artigo veremos o que é o jQuery e como este framework pode nos ajudar no desenvolvimento de aplicações web mais ricas (em relação a estrutura de layout) e com mais interatividade no lado do cliente. Veremos as suas formas básicas de estruturação, de configuração e principais utilizações aplicadas para projetos em ASP.NET.

Quando desenvolvemos aplicações para a Web, sabemos que cada solicitação de processamento no servidor causa a perda de performance, banda e o aumento de tráfego na rede, o que deixa nossa aplicação lenta na visão do usuário. Este é um dos motivos pelo qual devemos sempre que possível implementar códigos no lado do cliente. Uma ferramenta que está sendo muito utilizada pela comunidade de desenvolvedores Web é o jQuery.

Conhecendo o jQuery

JQuery é uma library (biblioteca) escrita com base no JavaScript,porém com a finalidade de melhorar o desenvolvimento de aplicações web de forma que a manipulação dos comandos e implementações seja muito mais simples se utilizarmos diretamente o JavaScript. A sua utilização é muito ampla e produtiva, pois diminui consideravelmente o código JavaScript equivalente, ou seja, em jQuery o código escrito é muito menor (geralmente) do que um código similar em JavaScript.

Nota do DevMan

JavaScript é uma linguagem de script desenvolvida por Berdan Eich, da Netscape. E é atualmente a principal linguagem de programação para cliente-side, ou seja, para implementações no lado cliente em aplicações Web. Em suas principais características estão o fato de ser uma linguagem dinâmica, é praticamente toda orientada a objetos e, uma linguagem muito similar ao C em sua estruturação, o que facilita a absorção de desenvolvedores. Possui a característica de avaliação em tempo de execução, ou seja, permite ler instruções da própria linguagem a partir de um texto em tempo de execução.Tornou-se muito popular em aplicações web devido ao seu código rodar localmente, sem a necessidade de estar em um servidor remoto, o que deu mais rapidez aos feedbacks do usuário e melhor experiência de usabilidade das aplicações para o mesmo. Além de tudo, possui funcionalidades adicionais aos códigos HTML (ao menos até o HTML 4), como reconhecimento de teclas na máquina do cliente.

Além de rápida é uma biblioteca muito leve, sendo assim, sua implementação não depende de carregamento de componentes com demora excessiva, sendo possível utilizar em qualquer tipo de aplicação Web. Além disso, a mesma possui total suporte ao CSS1, CSS2 e CSS3, que são as versões de estilos que podemos aplicar em nossas páginas Web.

Nota do DevMan

CSS (Cascade Style Sheets) é uma formatação de uma linguagem, normatizada pela W3C, para permitir que a apresentação dos documentos de marcação, como HTML ou XML, seja realizada de forma independente do seu conteúdo. Com CSS não é necessário incluirmos as definições de apresentação (aparência) de uma página HTML na própria página e sim podemos incluir um arquivo com a extensão .css que será responsável por esta tarefa e apenas referenciar o mesmo em nossa página HTML. Além de deixar o código do documento mais limpo, podemos reutilizar a mesma definição em vários documentos, apenas referenciando o arquivo .css em todas as páginas que desejamos utilizar, com isso, ao alterarmos a aparência de uma aplicação devemos alterar apenas um único arquivo e, toda a aplicação, estará atualizada.

Além das características vistas anteriormente, o jQuery é extensível, ou seja, é possível criar um plug-in para ampliar a sua funcionalidade padrão. As principais características desta biblioteca é a fácil manipulação do DOM (Document Object Model), com a utilização de Selectors, uma boa integração com Ajax e a possibilidade de criar animações e tratar vários eventos da aplicação.

DOM é a denominação para Modelo de Objetos de Documentos, é o padrão especificado pela W3C para a estruturação de qualquer documento eletrônico. O jQuery possui funcionalidades muito simples para a manipulação desta estrutura de documentos eletrônicos, o que o destaca como uma linguagem de simples utilização.

Nota do DevMan

Criado em 2005 por John Resing, o jQuery tinha por objetivo permitir a manipulação de arquivos CSS de uma forma mais prática ao desenvolvedor, com a utilização da biblioteca JavaScript e seus Seletores, utilizando este mesmo conceito (seletores). Em 2006 foi anunciado como jQuery oficialmente e foi apresentado

Nota do DevMan

AJAX é o acrônimo de Asynchronous Javascript And XML. É um conjunto de métodos que permite ao desenvolvedor criar solicitações a partir do cliente da aplicação web para o servidor de forma assíncrona, fazendo com que informações sejam retornadas sem a necessidade de gerar um POST ou GET no servidor, diminuindo o tempo de resposta ao usuário. Apesar de carregar a palavra Asynchronous no nome, o AJAX permite solicitações síncronas e também é muito utilizado com JSON e não apenas XML.

XML e JSON são padrões de escrita de documentos muito utilizados para a transferência de informações na web, por serem capazes de suportarem informações com um tamanho baixo para a transferência. O XML é um padrão da W3C de uma linguagem de marcação através de tags. Permite estruturar dados de uma forma organizada hierarquicamente, o que facilita a consulta nestes documentos. O JSON é um padrão muito similar em objetividade ao XML, porém ele consegue ser mais compacto. Foi criado principalmente para a interação com JavaScript, porém sua utilização já é suportada por diversas linguagens.

"

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?