Artigo Clube Delphi Edição 52 - Visualizador de Glyphs

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (0)  (0)

Artigo da Revista Clube Delphi Edição 52.

Esse artigo faz parte da revista Clube Delphi edição 52. Clique aqui para ler todos os artigos desta edição



Atenção: por essa edição ser muito antiga não há arquivo PDF para download. Os artigos dessa edição estão disponíveis somente através do formato HTML. 

 

Visualizador de Glyphs

Construindo um visualizador de Glyphs usando TimageList e TListView

 

Opa! Peraí! O que está acontecendo? O Cantu não vai falar de Firebird? Pois é pessoal este mês resolvi variar e escrever um pouco sobre programação Delphi “pura”, sem banco de dados! Mas podem ficar sossegados que o Firebird ainda é o principal foco dos meus artigos na revista, portanto podem esperar muito Firebird nas próximas edições!

Quando comecei a programar com a Apple, sempre fui apaixonado pela manipulação de imagens gráficas. Naquela época criei várias rotinas em Assembly 65C02 para criar efeitos em telas gráficas. Depois, no início dos anos 90, fiquei viciado pela DemoScene (WWW.scene.org) tanto que meus BBS (WarmBoot BBS) se tornou distribuidor de vários grupos de DemoMakers. Nessa época adquiri alguns conhecimentos sobre a manipulação da memória de vídeo do PC, da VGA, e outras áreas relacionadas ao tema. Neste artigo pretendo passar alguns conceitos básicos sobre isso, aplicando-os em um utilitário para visualização de glyphs.

Além do prazer de programar, outro fator que me levou a escrever um visualizador é que não encontrei nenhum programa pronto que me agradasse por completo.

 

Bitmaps, pixels, um pouco de teoria...

Glyphs são pequenas imagens no formato BPM (Bitmap) utilizadas geralmente em menus, botões e telas, para dar um aspecto mais agradável e profissional ao programa. O formato BPM, ou Windows Bipmap, ou ainda DIB (Device Independent Bitmap) foi criado pela Microsoft e é amplamente utilizado dentro do sistema operacional Windows.

Antes de entrar mais a fundo na teoria, lembre-se dos conceitos básicos da computação, onde 1 byte é composto de 8 bits e que os bits podem ter o valor de 0 ou 1. Sendo assim, o valor SFF (Hexadecimal) ou 255 (decimal) é composto por 8 bits “ligados” , ou seja , 11111111. Vale lembrar que também que o monitor do computador, também chamado de CTR (Catode Ray Tube), possui três feixes de luz – Vermelha, Verde e Azul (RGB) – que misturados em diferentes intensidades formam as cores apresentadas na tela."

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?