Artigo Clube Delphi Magazine 98 - Introdução à criação de componentes

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (0)  (0)

Aprenda os conceitos e como construir seu primeiro componente.

Esse artigo faz parte da revista Clube Delphi Magazine edição 98. Clique aqui para ler todos os artigos desta edição

Easy Delphi

Introdução à criação de componentes

Aprenda os conceitos e como construir seu primeiro componente

 

Nesse artigo veremos

·                         Criação de componentes;

·                         Definindo métodos;

·                Definindo propriedades.

Qual a finalidade

·                Permitir a criação de componentes para aumento de produtividade e reaproveitamento de código.

Quais situações utilizam esses recursos?

·                Códigos que se repetem em várias aplicações precisam ficar em um local centralizado, facilitando a manutenção e utilização. Componentes podem ser utilizados em qualquer tipo de aplicação.

 

A natureza RAD do Delphi deve muito a um conceito bastante conhecido pelos desenvolvedores: componentes. Você abre o IDE e tem à disposição componentes prontos para construir aplicações nas mais variadas áreas de desenvolvimento: Internet, Banco de Dados, User Interface, Web etc. Experimente navegar pela paleta de componentes e veja a variedade de recursos.

Neste artigo, veremos a anatomia de um componente, como são estruturados internamente, para que servem, e de praxe como criar nosso primeiro componente Delphi totalmente funcional.

 

O que é um componente

Componentes estão intimamente ligados à Programação Orientada a Objetos (POO). Na verdade, um componente é um objeto. Ou melhor, uma classe. Para quem está começando, pense numa classe como uma “receita de bolo”, e os objetos os “bolinhos” que você pode criar com ela. No Delphi, temos inúmeras classes, agrupadas no que chamamos de VCL (Visual Component Library). A VCL é sem dúvida uma das responsáveis por todo o sucesso do Delphi até hoje.

Quem já programou em linguagem estruturada, como por exemplo, o antigo Basic, deve se lembrar das famosas rotinas. No Pascal também tínhamos esse conceito. Tudo o que precisasse ser reaproveitado em vários prontos da aplicação, era movido para um procedimento, que podia então ser invocado inúmeras vezes. Surgia o reaproveitamento de código. O procedimento podia receber parâmetros, e assim se tornar mais flexível.

Com o surgimento da POO, surgiram as classes, que a grosso modo, se parecem com os procedimentos da linguagem estruturada, porém tendo inúmeras vantagens: encapsulamento, polimorfismo, herança etc. Então, classes são formas de reaproveitarmos código em nossas aplicações (em várias delas). E um componente, na verdade é uma classe que torna o trabalho ainda mais fácil, adicionando uma mistura RAD à receita.

Classes e componentes podem ser herdados de outros, isto é, eles podem aproveitar todo o código incluído em uma classe base e adicionar uma certa funcionalidade. Se você quiser montar um carro, por exemplo, provavelmente não vai construir todas as peças do zero, vai reaproveitar algumas, incrementar, reunir outras, e juntando tudo, temos o produto final. Assim funcionam as aplicações OO e com componentes.

No Delphi, criar um componente é muito simples. O primeiro passo é pôr em mente: o que eu preciso fazer, para identificar a classe base a ser herdada. Segundo: o que a mais esse meu componente irá fazer, aí você codifica. A má notícia é que a criação (não a utilização) de componentes no Delphi é feita de forma totalmente braçal, via código.

Antes de criar componentes, é preciso entender como funciona o coração da VCL do Delphi. Observe na "

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?