Artigo da SQL Magazine 36 - Modelagem de bases de dados relacionais

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (1)  (0)

Nesta segunda parte daremos continuidade à discussão considerando a descrição das atividades presentes na modelagem de bancos de dados, bem como uma análise de sua implementação nas três ferramentas CASE.

Capa SQl 33

Clique aqui para ler todos os artigos desta edição

Modelagem de bases de dados relacionais

Analisando alternativas de apoio – Parte 2

 

     Na parte I deste artigo ressaltou-se a importância de uma modelagem consistente de bancos de dados. Uma forma eficiente de se realizar essa modelagem consiste na utilização de ferramentas CASE, que proporcionam uma série de facilidades aos projetistas de bancos de dados. Nesta segunda parte daremos continuidade à discussão considerando a descrição das atividades presentes na modelagem de bancos de dados, bem como uma análise de sua implementação nas três ferramentas CASE

analisadas (ERwin 4.0, DB-MAIN 7.0, DBDesigner 4.0).

 

Otimização

 

     Uma das formas de implementar a questão de otimização é a utilização de índices que, se forem criados de maneira adequada, possibilitam acesso mais eficiente aos dados da base de dados.

     Um índice pode conter um ou mais atributos de uma tabela. A decisão de quais índices devem ser criados é realizada pelos projetistas, juntamente com o Administrador do Banco de Dados.

     Para cada índice criado, o SGBD mantém uma tabela à parte que contém estruturas para agilizar o acesso às informações, e a cada inclusão, alteração e exclusão de dados, esta tabela é automaticamente atualizada.

     Se, à primeira vista, a utilização de índices mostra-se vantajosa, existem casos onde as atualizações dos dados são lentas, prejudicando o desempenho das bases de dados.

     Apesar de fundamental em qualquer atividade de modelagem, o processo de otimização da base de dados não é oferecido de forma automática por nenhuma das ferramentas analisadas. A otimização é feita pela definição de índices, sendo que os mesmos são de total responsabilidade do projetista. Neste caso, todas as ferramentas possibilitam a definição de índices, compatíveis com o SGBD escolhido.

     Para todas as ferramentas, na geração de scripts, existe a opção de geração dos índices juntamente com os demais objetos físicos, com a estrutura das tabelas, ou ainda, é possível a geração de scripts separados do script dos demais objetos da base de dados, com exceção da chave primária que é criada juntamente com a criação da tabela.

     Por padrão, todas as ferramentas nomeiam o índice utilizando o nome da tabela em questão, possibilitando a alteração posterior dos nomes.

     Nas ferramentas que possuem distinção entre o modelo conceitual e o modelo interno, o termo índice é apenas referenciado no modelo interno. Existe a permissão de criação destas estruturas também no modelo conceitual, porém, sendo chamados de grupos de chaves ou chaves de acesso, no ERwin 4.0 e no DB-MAIN 7.0, respectivamente. Os mesmos são transformados em índices, de forma automática, para ambas as ferramentas. Vale ressaltar que na ferramenta DBDesigner 4.0 não há distinção entre tais modelos, por isso, só são referenciados por índices."

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?