Artigo da WebMobile 13 - Integrando o AJAX

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (0)  (0)

Neste artigo, usaremos um time de tecnologias cuja escalação constará do DWR, o framework Spring e o mecanismo de persistência Hibernate.

imagem.JPG 

Clique aqui para ler todos os artigos desta edição

 

Integrando o AJAX

Leitura Obrigatória: Simplificando o AJAX, WebMobile 9.

 

Num cenário onde grande parte dos projetos open-source ligados ao AJAX se concentravam em desenvolver componentes visuais e bibliotecas JavaScript, o DWR se firmou justamente pelo seu diferencial: a simplificação da forma de comunicação JavaScript<=>Servidor. Sua arquitetura baseada em mecanismo de RMI se tornou um sucesso, pois se encaixa perfeitamente na abordagem de componentização, que é a forma como são construídos os sistemas mais modernos. Como conseqüência, o processo de integração do DWR com outros frameworks no lado servidor se tornou uma tarefa simples e quase automatizada. Isso torna simples não só a criação de sistemas baseados no DWR em conjunto com outros frameworks, mas também facilita bastante a entrada do DWR em sistemas pré-existentes que utilizam frameworks open-source bem conhecidos como:

·         Hibernate;

·         JSF – Java Server Faces;

·         PageFlow / WebLogic;

·         Spring;

·         Struts.

 

Neste artigo, usaremos um time de tecnologias cuja escalação constará do DWR, o framework Spring e o mecanismo de persistência Hibernate. Quando estas tecnologias trabalham em equipe, temos uma infra-estrutura extremamente ágil para construir aplicações AJAX com alta capacidade de extensão e de fácil manutenção.  Serão usados o Spring versão 1.2.6, Hibernate versão 3.1, DWR versão 1.1.3 e um servidor web Java baseados no padrão Servlet 2.3 (Tomcat versão 4.1). Um banco de dados relacional também é necessário para fazer a persistência do Hibernate funcionar. No exemplo, será usado o PostgreSQL versão 7.0 instalado num Fedora Linux. Como esta implementação usa generics, você precisa da versão 1.5 da máquina virtual Java para fazer o exemplo funcionar. O artigo assume que o usuário saiba como utilizar este tipo de servidor para criação de contextos e manipulação de arquivos de configuração. Como é impraticável descrever os detalhes de todas estas tecnologias num só artigo, recomenda-se que para acompanhar de forma completa este artigo você tenha conhecimento sobre a forma de trabalho não só do DWR, mas também do Spring e do Hibernate.

O papel de cada tecnologia

No time DWR-Spring-Hibernate, a função de cada elemento é bem definida. Como é de se esperar, o DWR cuida apenas da comunicação browser-servidor, transformando as requisições assíncronas em chamadas a métodos remotos. As bibliotecas JavaScript do DWR (DWRUtil) também são extensamente utilizadas para processar os dados recebidos do servidor e exibi-los no browser.

O Hibernate atualmente é considerado o framework padrão de facto quando se fala de mapeamento objeto-relacional. Assim, na nossa equipe tecnologias, ele será responsável por lidar com toda a parte de persistência dos nossos objetos. O principal trabalho gerado por ele será a criação dos arquivos xml que descrevem o mapeamento entre classes do nosso modelo e as tabelas no banco de dados relacional. Detalhes adicionais referentes à configuração que permite o DWR usar objetos gerenciados pelo Hibernate também precisam ser levados em conta.

O Spring é um framework de aplicação completo. Ele oferece pontos de extensão para as mais diferentes funcionalidades de aplicação: de controle de transações ao suporte à programação orientada a aspectos, de um framework web MVC bastante flexível a um poderoso e ao mesmo tempo simples container de inversão de controle (IoC). Além disso, o Spring também oferece mecanismos para sua integração com o Hibernate que aumentam muito a produtividade durante o desenvolvimento do sistema. Assim, no nosso time, o Spring assume a responsabilidade de configurar e fazer a ligação automática dos diferentes beans da aplicação, além de automatizar a conversa com o Hibernate. Se sua aplicação mistura AJAX com requisições HTTP comuns, o módulo WEB-MVC do Spring também é usado para gerar as páginas HTML. No caso de grandes aplicações corporativas, o Spring também pode assumir o controle de transações.

Assim, o desenho do nosso “esquema tático” fica parecido com o da Figura 1.

 


Figura 1. Exemplo do fluxo de informação do DWR.

 

Para fazer este time jogar junto, vamos o descrever passo a passo a configuração de cada um destes componentes de forma a criar uma aplicação simples de controle de despesas pessoais.

Hibernate e o ORM

Fazer o mapeamento objeto-relacional (ORM) é o primeiro passo na configuração do sistema. Quem já usou o Hibernate em sistemas que estão começando, sabe que pode usar duas abordagens:

·         Definir o modelo de classes e gerar as tabelas relacionais a partir dele;

·         Definir o modelo relacional e gerar as classes a partir dele;

 

Nas duas abordagens, normalmente se usa uma ferramenta capaz de fazer a geração automática de classes, tabelas e dos descritores de mapeamento usados pelo Hibernate (arquivos XML ou anotações nas classes).

Neste exemplo, partiu-se do modelo relacional para se chegar ao modelo de classes. A aplicação vai controlar receitas-despesas de vários usuários. Para isso foi definido um modelo relacional que pode ser implementado no banco PostgreSQL usando o script SQL da Listagem 1.

 

Listagem 1. Script para implementa o modelo relacional no PostgreSQL.     

1.    create table USUARIO (

2.    ID_USUARIO           SERIAL not null,

3.    LOGIN                VARCHAR(8)           not null,

4.    SENHA                CHAR(32)             not null,

5.    NOME                 VARCHAR(255)         null,

6.    constraint PK_USUARIO primary key (ID_USUARIO)

7.    );

8.     

9.    create table TIPO_LANCAMENTO (

10. ID_TIPO_LANCAMENTO   SERIAL                            not null,

11. DESCRICAO            VARCHAR(255)         not null,

12. TIPO                 CHAR(1)              not null,

13. constraint PK_TIPO_LANCAMENTO primary key (ID_TIPO_LANCAMENTO)

14. );

15.  

16. create table LANCAMENTO (

17. ID_LANCAMENTO        SERIAL               not null,

18. TIPO_LANCAMENTO      INT4                 null,

19. ID_USUARIO           INT4                 null,

20. VALOR                DECIMAL              not null,

21. MOMENTO              TIMESTAMP            null,

22. constraint PK_LANCAMENTO primary key (ID_LANCAMENTO),

23. constraint FK_LANCAMEN_REFERENCE_TIPO_LAN foreign key (TIPO_LANCAMENTO)

24. references TIPO_LANCAMENTO (ID_TIPO_LANCAMENTO)

25. on delete restrict on update restrict,

26. constraint FK_LANCAMEN_REFERENCE_USUARIO foreign key (ID_USUARIO)

27. references USUARIO (ID_USUARIO)

28. on delete restrict on update restrict

29. ); 

 

Definimos tabelas para guardar informações de usuário e seus lançamentos de despesas ou receitas. As possíveis descrições de despesas/receitas são guardadas na tabela TIPO_LANCAMENTO.

Para fazer a geração de classes e arquivos de mapeamento foi usado um plug-in para a IDE Eclipse (http://www.eclipse.org/) chamado de Hibernate Synchronizer (http://hibernatesynch.sourceforge.net/). O Eclipse e seu módulo de trabalho para sistemas WEB em JAVA (o WTP) é indispensável para organizar as classes, arquivos, e depurar os módulos do sistema. Já o Hibernate Synchronizer permite a você se conectar com o banco de dados, selecionar as tabelas a serem usadas para então ser gerado o modelo de classes e os arquivos de mapeamento. Para cada tabela, são geradas classes “base” que não podem ser editadas pelo programador. Para cada classe “base” é gerada uma classe filha que pode ser editada pelo programador para adição de novos métodos e/ou regras de encapsulamento. O Hibernate Synchronizer também faz o trabalho interessante de converter automaticamente os nomes de tabelas e campos para os padrões Java de nomeação de classes e atributos. Os arquivos de mapeamento gerados podem também ser editados livremente. Cada vez que salvamos o arquivo, o plug-in automaticamente sincroniza as modificações feitas com o código das classes “base”.  Assim fica extremamente fácil e produtivo criar o mapeamento objeto-relacional. No site do Hibernate Synchronizer existem mais instruções sobre como instalar e utilizar o plug-in.

No nosso exemplo, estamos apenas interessados nas classes do modelo e nos arquivos de mapeamento, já que a criação de DAOs usando recursos do Spring é extremamente simples. Aplicando o Hibernate Syncronizer neste modelo, e fazendo algumas modificações nos tipos de dados, são definidos os arquivos de mapeamento apresentados nas Listagens 2, 3 e 4.

 

Listagem 2. Arquivo de mapeamento O-R do Hibernate para a tabela USUARIO.

1.   

2.   

3.                    "http://hibernate.sourceforge.net/hibernate-mapping-3.0.dtd" >

4.     

5.   

6.       

7.            

8.               

9.            

10.  

11.         

12.                         length="8"/>

13.         

14.                         length="32"/>

15.         

16.                          length="255"/>

17.     

18.         

19.              

20.              

21.         

22.            

23.

 

Listagem 3. Arquivo de mapeamento O-R do Hibernate para a tabela TIPO_LANCAMENTO.

1.   

2.   

3.                    "http://hibernate.sourceforge.net/hibernate-mapping-3.0.dtd" >

4.     

5.   

6.       

7.          

8.             

9.          

10.  

11.              column="descricao" type="string" not-null="true"

12.                 length="255"/>

"

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?