Artigo Engenharia de Software 13 - Domain Driven Design

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (3)  (0)

Artigo da Revista Engenharia de Software edição 13.

Esse artigo faz parte da revista Engenharia de Software 13 edição especial. Clique aqui para ler todos os artigos desta edição

Projeto

Domain Driven Design


De que se trata o artigo:

Neste artigo veremos os principais padrões de Domain Driven Design e alguns exemplos de como esses padrões podem ser aplicados.

 

Para que serve:

DDD induz a implantação de um cenário de melhoria contínua, podendo ser uma ferramenta extremamente útil para se desenvolver software de qualidade e que atenda bem as necessidades do cliente.

 

Em que situação o tema útil:

Tanto programadores quanto arquitetos e especialistas de negócio podem se beneficiar com as técnicas de DDD, que ensinam justamente boas práticas de como modelar seu domínio, além de tornar eficiente a interação entre os vários papéis de pessoas que fazem parte do processo de desenvolvimento de software. DDD pode ser muito útil quando vários times trabalham em conjunto no desenvolvimento de um sistema complexo.

Uma Introdução

 

Domain Driven Design significa Projeto Orientado a Domínio. Ele veio do título do livro escrito por Eric Evans, dono da DomainLanguage, uma empresa especializada em treinamento e consultoria para desenvolvimento de software. O livro de Evans é um grande catálogo de Padrões, baseados em experiências do autor ao longo de mais de 20 anos desenvolvendo software utilizando técnicas de Orientação a Objetos. O que seria um Padrão?

Um padrão é uma regra de três partes que expressa a relação entre um contexto (1), um problema (2) e uma solução (3).

DDD pode ser visto por alguns como a volta da orientação a objetos. É verdade que o livro é um chamado às boas práticas de programação que já existem desde a época remota do SmallTalk. Quando se fala em Orientação a Objetos pensa-se logo em classes, heranças, polimorfismo, encapsulamento. Mas a essência da Orientação a Objetos também tem elementos como:

·         Alinhamento do código com o negócio: o contato dos desenvolvedores com os especialistas do domínio é algo essencial quando se faz DDD (o pessoal de métodos ágeis já sabe disso faz tempo);

·         Favorecer reutilização: os blocos de construção, que veremos adiante, facilitam aproveitar um mesmo conceito de domínio ou um mesmo código em vários lugares;

·         Mínimo de acoplamento: Com um modelo bem feito, organizado, as várias partes de um sistema interagem sem que haja muita dependência entre módulos ou classes de objetos de conceitos distintos;

·         Independência da Tecnologia: DDD não foca em tecnologia, mas sim em entender as regras de negócio e como elas devem estar refletidas no código e no modelo de domínio. Não que a tecnologia usada não seja importante, mas essa não é uma preocupação de DDD.

 

Todas essas coisas são bem exemplificadas e mostradas na forma de vários padrões em DDD. Mas o livro também mostra muitos padrões que não dizem respeito a código ou modelagem. Aparecem coisas que estão mais ligadas a processos (como Integração Contínua) ou a formas de relacionamento entre times que fazem parte do desenvolvimento de um sistema complexo. Eric Evans dividiu o livro em quatro partes, que apresentaremos a seguir.

Colocando o modelo de domínio para funcionar

Para ter um software que atenda perfeitamente a um determinado domínio, é necessário que se estabeleça, em primeiro lugar, uma Linguagem Ubíqua, ou Linguagem comum, com termos bem definidos, que fazem parte do domínio do negócio e que são usados por todas as pessoas que fazem parte do processo de desenvolvimento de software. Nessa linguagem estão termos que fazem parte das conversas diárias entre especialistas de negócio e times de desenvolvimento. Todos devem usar os mesmos termos tanto na linguagem falada quanto no código. Isso significa que, se durante uma conversa com um cliente do sistema de cobrança, por exemplo, ele disser: “Temos que emitir a fatura para o cliente antes da data limite”, vamos ter no nosso código alguma coisa do tipo:

·"

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?