Artigo Engenharia de Software 17 - Mapas Conceituais

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (0)  (0)

Este artigo apresenta uma técnica para apoio à identificação de riscos de requisitos em ambientes de desenvolvimento de software utilizando mapas conceituais como ferramenta.

Esse artigo faz parte da revista Engenharia de Software 17 edição especial. Clique aqui para ler todos os artigos desta edição

Gerência de Riscos

Mapas Conceituais

Utilizando-os na Identificação de Riscos de Requisitos

 

 

De que trata o artigo:

Este artigo apresenta uma técnica para apoio à identificação de riscos de requisitos em ambientes de desenvolvimento de software utilizando mapas conceituais como ferramenta.

 

Para que serve:

O método proposto serve para expor os possíveis eventos relacionados aos requisitos do sistema que podem afetar negativamente o projeto, de forma simples e intuitiva, sem que haja a necessidade de conhecimento denso sobre riscos de projetos.

 

Em que situação o tema é útil:

Nos últimos anos tem-se observado um aumento nos investimentos em conhecimento e práticas de gerenciamento de riscos em projetos de desenvolvimento de software, objetivando alcançar o sucesso nesses projetos. Desta forma, o uso de técnicas para identificação de adversidades que podem afetar o bom andamento do projeto são necessárias para que estes riscos possam ser posteriormente mitigados e controlados.

 

A importância da utilização de processos, técnicas e ferramentas de Gerenciamento de Riscos é cada dia mais reconhecida nos ambientes de desenvolvimento de software [Gusmão 2007]. Isso se deve, por vezes, pelo fato da associação do insucesso de projetos a uma má gerência de riscos. Neste sentido, o uso da gerência de risco se faz importante ao gerenciamento de qualquer projeto de desenvolvimento de software.

Uma boa gerência de riscos permite: i) dar melhor visibilidade às incertezas inerentes a um projeto de software; ii) gerar maior proteção e atenção contra incertezas a um custo menor em relação ao que seria gasto caso o risco se materializasse e; iii) minimizar falhas e retrabalhos nos projetos.

  No contexto da Engenharia de Software, os requisitos descrevem as funções e restrições que o produto a ser desenvolvido deverá possuir. Durante o ciclo de vida de um projeto de software, o levantamento de requisitos é realizado nas fases iniciais do processo de desenvolvimento.

  No entanto, diversas falhas no produto são geradas pelo simples fato da análise dos requisitos, muitas vezes por limite de tempo, não ser realizada de maneira correta, apresentando muitos requisitos ambíguos, instáveis ou até mesmo incompletos. Vale salientar que a compreensão completa dos requisitos do software é fundamental para um desenvolvimento de software bem sucedido [Pressman 1995].

  Outro ponto interessante é que quanto mais tarde os defeitos ou falhas forem encontrados no produto do software, mais cara é a sua correção. Desta maneira, é relevante o uso de métodos que visem melhorar a qualidade do processo de análise de requisitos.

  A gerência de riscos é uma área que tem, como uma grande vantagem, a possibilidade de ser incorporada em todo o ciclo de vida do desenvolvimento do software, inclusive na etapa de levantamento e análise dos requisitos.

  A captura e análise dos requisitos são atividades que incutem um grau de subjetividade, normalmente associada ao conhecimento e experiência do analista responsável por elas. Dentro deste contexto, a utilização de técnicas que promovam a padronização de termos e objetos de gerenciamento tende a proporcionar uma mitigação de prováveis insucessos.

Os Mapas Conceituais são instrumentos utilizados para representar graficamente o conhecimento, ou parte dele, adquirido sobre um determinado domínio. A representação do conhecimento em riscos de requisitos pode ser uma boa alternativa no processo de identificação destes riscos, quando da análise dos requisitos, ao tornar mais clara a percepção e compreensão de eventos adversos ao projeto, pois estrutura o conhecimento de forma semelhante ao processo cognitivo do cérebro humano."

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?