Artigo Engenharia de Software 21 - Customização e Integração de Ferramentas Open-Source

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (2)  (0)

Este artigo relata a experiência de uma Organização CMMI (Capability Maturity Model Integration), nível 3, na customização e integração de ferramentas open-source para melhoria de processo e aumento da produtividade das equipes de desenvolvimento.

Esse artigo faz parte da revista Engenharia de Software 21 edição especial. Clique aqui para ler todos os artigos desta edição



Processo

Customização e Integração de Ferramentas Open-Source

Uso de ferramentas integradas para melhoria de processo e aumento de produtividade

 

De que trata o artigo:

Este artigo relata a experiência de uma Organização CMMI (Capability Maturity Model Integration), nível 3, na customização e integração de ferramentas open-source para melhoria de processo e aumento da produtividade das equipes de desenvolvimento de software.

 

Para que serve:

A utilização de ferramentas desta natureza é útil para as Organizações que possuem um ambiente de melhoria dos processos de software e tem a necessidade de adotar ferramentas de baixo custo e de forma integrada. Tais ferramentas darão suporte ao processo institucional com uma maior agilidade pelas equipes de desenvolvimento de software.

 

Em que situação o tema útil:

Em ambientes que necessitam integrar ferramentas de apoio ao processo organizacional de forma produtiva e consistente. Especificamente em processos relacionados com gerenciamento de mudanças, gerenciamento de testes, gerenciamento de requisitos e revisão de artefatos (código ou documentos).

 

As organizações de desenvolvimento de software têm buscado diversas formas para melhoria de seus processos com o objetivo de aumentar a produtividade das equipes de desenvolvimento. Uma forma de obter ganhos significativos de produtividade requer iniciativas integradas em diversas áreas, por exemplo, melhoria em ferramentas, metodologia, ambiente de trabalho, gerenciamento, reuso, dentre outros fatores [Bohem et AL, 1982].

Por outro lado, a inclusão de ferramentas em um projeto nem sempre está associada a ganho de produtividade. Isso irá depender, dentre outros fatores, do tamanho da equipe e da maturidade do processo de desenvolvimento [Bruckhaus et AL, 1996].

Neste contexto, a Organização aqui apresentada estabeleceu dois principais objetivos em seu programa de melhoria contínua:

·         Seleção de ferramentas free e open source que propiciem aumento da produtividade das equipes de desenvolvimento de software de forma controlada, gerenciada e com baixo custo;

·         Customização das ferramentas selecionadas considerando o processo definido na organização com o objetivo de aumentar a maturidade do processo de desenvolvimento de software, obter ganhos na produtividade das equipes e na qualidade dos produtos gerados.

A Organização Estudada

O C.E.S.A.R – Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife – é um instituto privado de inovação que cria produtos, processos, serviços e empresas usando Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), atuando há mais de 10 anos em âmbito nacional e internacional.

O C.E.S.A.R faz parte do Porto Digital, ambiente de empreendedorismo, inovação e negócios de TIC do estado de Pernambuco que reúne mais de 100 empresas no pólo do Bairro do Recife.

Desde sua inauguração, a instituição recebeu reconhecimentos na área de TIC, entre eles: o Prêmio Info200 de Melhor empresa de serviços de software, o prêmio FINEP de mais inovadora instituição de pesquisa do Brasil, a escolha da instituição como exemplo de criação de negócios pelo World Economic Fórum e uma menção honrosa no Stockholm Challenge. Além do prêmio que a Revista Época Negócios concedeu ao C.E.S.A.R com o título de um dos Modelos de Negócios mais Inovadores do Brasil, em 2009.

Em junho/2003, o C.E.S.A.R alcançou o nível 2 de maturidade do modelo SW-CMM [Paulk et AL 1999] na vertical de telecomunicações, e em Novembro/2007 atingiu o nível 3 de maturidade do modelo CMMI-DEV, versão 1.2 [SEI 2006]. Atualmente, utiliza metodologias ágeis em conjunto com o modelo de maturidade.

Processo de Seleção das Ferramentas

"

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?