Artigo SQL Magazine 67 - Oracle RAC - Parte 1

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (1)  (0)

Artigo publicado Revista SQL Magazine 67.

Esse artigo faz parte da revista SQL Magazine edição 67. Clique aqui para ler todos os artigos desta edição

Oracle RAC

Instalação - Parte 1

 

O Oracle RAC (Real Aplication Clusters) suporta a implementação de uma base de dados que pode ser acessada por vária instâncias, em um Cluster (Nota DevMan 1) de servidores, fornecendo tolerância a falhas.

 

Nota DevMan 1. Cluster

Um cluster, ou aglomerado de computadores, é formado por um conjunto de computadores, que utiliza um tipo especial de sistema operacional classificado como sistema distribuído.

Muitas vezes é construído a partir de computadores convencionais (personal computers), os quais são ligados em rede e comunicam-se através do sistema, trabalhando como se fossem uma única máquina de grande porte.

 

Como DBAs, temos acompanhado a crescente importância do RAC, implementada em um grande número de ambientes, pois a adoção do Oracle RAC aumentou muito nos últimos anos.

O Oracle RAC, em 2009, passou a ser considerado Mainstream (tendência) pelo Gartner Group (http://mediaproducts.gartner.com/reprints/oracle/article61/article61.html).

Em todo o mundo, clientes adotaram os recursos de Clusters de bancos de dados para obter escalabilidade e alta disponibilidade, requisitos básicos para rodar grandes aplicativos corporativos de missão crítica. Na prática, o Oracle RAC permite que aplicativos de bancos de dados de mercado, ou mesmo personalizados, possam rodar em vários servidores interconectados, isto é, "em Cluster", sem a necessidade de serem customizados ou alterados.

O Oracle RAC não é novo, embora tenha trocado de nome algumas vezes. A primeira implementação chamava-se Oracle Parallel Server, e foi disponibilizada na versão 6.0.35 para VAX / VMS. A versão 7.0.16 do Oracle Parallel Server se mostrou um pouco mais estável, e passou a ser utilizada em clientes de maior porte.

Várias mudanças ocorreram até a versão 8i, onde o Parallel Cache Manager - mecanismo de compartilhamento de cache entre as instâncias - foi substituído pelo Cache Fusion, que por sua vez foi substituído pelo Cache Fusion II no Oracle 9i.

Até então, o Oracle RAC precisava de um software de Cluster proprietário (e caro) para funcionar, o que limitada sua ampla adoção.

No Oracle 10g Release 1, (o “g” vem de Grid, do qual o RAC é a peça fundamental), a Oracle passou a comercializar para Linux sua própria versão estável de software de Clusters, o Cluster Ready Services. No Oracle 10g Release 2, o CRS passou a chamar-se Oracle Clusterware (Nota DevMan 2), que é o que utilizaremos neste artigo.

 

Nota DevMan 2. Oracle Clusterware

Oracle Clusterware é um software de cluster portável que agrupa servidores individuais para que cooperem como um único sistema. Componente fundamental do Oracle Real Application Clusters, o Oracle Clusterware pode operar de forma independente e ajuda a assegurar a proteção de um aplicativo, seja da Oracle ou de terceiros.

O Oracle Clusterware possibilita a alta disponibilidade, um componente essencial da continuidade dos negócios, para aplicativos e bancos de dados gerenciados no ambiente de cluster – incluindo bancos de dados Oracle de uma única instância, Oracle Application Server, componentes do Oracle Enterprise Manager, bancos de dados de outros fornecedores e outros aplicativos.

 

Além do Clusterware, outras inovações do 10g tornaram o uso do Oracle RAC mais atraente ainda para uso em ambiente produtivo:

·       VIP - Virtual IP, ou IP virtual: é o endereço IP Virtual de cada ponto do Cluster. Se um Nó cair, outro Nó assume também seu VIP, e os clientes não percebem a queda, pois acessam o Banco pelos VIPs, e não pelos endereços IPs reais;

·       ASM - Automatic Storage management: é o filesystem da Oracle, específico para utilização em Bancos de Dados, com grandes vantagens em desempenho e maior flexibilidade e facilidade de administração;

·       FAN - Fast Application Notification: é o mecanismo pelo qual as aplicações são informadas sobre mudanças no Cluster, inclusive sobre seu desempenho, para que adaptem suas conexões;

·       Database Services: são abstrações lógicas para divisão de cargas no Banco de Dados. Discutiremos mais sobre Databases Services em uma continuação deste artigo, que tratará sobre Performance Tuning;

·       AWR, ADDM, ASH, Scheduler, Enterprise Manager: são diversas melhorias administrativas e para um melhor diagnóstico de problemas e de "gargalos" de desempenho.

·       Cluster Verification Utility: é um utilitário para verificação de componentes do Cluster, que pode ser utilizado durante a instalação, ou mesmo para diagnosticar um problema em produção. Iremos demonstrar como utilizar esta ferramenta durante a instalação do Clusterware, na continuação deste artigo.

 

A Oracle continua a fazer um investimento considerável em pesquisa e desenvolvimento na solução e isso se torna patente na versão Oracle 10g, na qual o Oracle RAC é um dos principais componentes da solução de Grid Computing.

Como benefícios principais do Oracle RAC, temos:

·       Disponibilidade 24x7 - tempo de funcionamento ininterrupto para aplicações;

·       Adaptação - É possível expandir a capacidade sob demanda, simplesmente adicionando-se servidores ao Cluster, sem parada do Banco de Dados;

·       TCO - Total Cost Ownership (Custo Total de Propriedade) (Nota DevMan 3) - Pode-se utilizar hardware de baixo custo, mas com redundância assegurada, e reduzir os custos associados aos tempos de inatividade. Ou seja, a escalabilidade é assegurada.

·       Desempenho - Com Oracle RAC, é possível obter-se um poder de processamento mais rápido do que a do sistema de grande porte rápido, e por uma fração do custo.

 

"

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?