Artigo SQL Magazine 72 - Bancos de dados em nuvem com SQL Azure

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (0)  (0)

Neste artigo apresentamos um paralelo entre computação em nuvem e os serviços de banco de dados na internet, com foco no SQL Azure e seus componentes, integrantes da Plataforma Windows Azure da Microsoft.

[lead]De que trata o artigo:

Neste artigo apresentamos um paralelo entre computação em nuvem e os serviços de banco de dados na internet, com foco no SQL Azure e seus componentes, integrantes da Plataforma Windows Azure da Microsoft. Além disso, exibimos na prática algumas características suportadas pela ferramenta e que já são nativas do SQL Server. Para finalizar, comentamos sobre o que se pode esperar da computação em nuvem em diversos aspectos relacionados a bancos de dados.

Para que serve:

O atual cenário de computação e de tecnologia vem passando por um momento de transição, onde o provimento de serviços na internet está sendo bastante explorado, com o modelo de computação em nuvem. Aspectos de disponibilidade, mobilidade e custo são os tópicos que mais ganham destaque com a validação e utilização de tecnologias baseadas no modelo proposto. Este artigo retrata as características e serviços de armazenamento de banco de dados em nuvem relacionando conceitos relevantes para usuários que almejam direcionar suas atividades com banco de dados para esse novo contexto.

Em que situação o tema útil:

O modelo de serviços em nuvem se mostra atraente por oferecer uma estrutura de banco de dados altamente disponível, flexível, com garantia de mobilidade e com um custo proporcional apenas ao consumo dos serviços.

Este novo modelo de acesso a dados pode ser encarado como uma solução paliativa ou extensiva para utilizadores que já contam com uma infraestrutura sólida e sofisticada de TI, e também como uma boa alternativa para empresas startups ou desenvolvedores distribuídos geograficamente que desejam iniciar suas atividades.[/lead]

O cenário de computação está passando por um momento de transição. A quantidade de operações e serviços utilizados na web está crescendo de forma acelerada. A expansão da nuvem é uma das grandes protagonistas por tal crescimento e parte do princípio de que tudo está na web. Isto é, os dispositivos de hardware, o programa a ser acessado, o processamento e armazenamento das informações, tudo está em um determinado lugar na Internet.

A grande rede de computadores, além de permitir comunicação entre os diversos computadores interligados, é o ponto-chave para acesso a uma variedade de tecnologias, produtos e serviços. Os computadores ou softwares locais seriam como um chip conectado à web. O termo “nuvem” é empregado para se criar uma simples analogia com a Internet e por outro lado ocultar a complexidade e trabalho que é reunir todas essas características e conceitos de computação.

Muitos aspectos de computação em nuvem estão associados à virtualização de recursos. Os grandes provedores de serviços e tecnologias aderiram a esse novo modelo de oferecer serviços. Um exemplo é a Microsoft, que está provisionando serviços alocados em seus Data Centers com virtualização. Isso demonstra já uma aposta nesse novo conceito de computação com a exploração dos benefícios da virtualização.

Neste artigo será abordada uma introdução sobre a utilização de serviços de banco de dados em nuvem. Para isso, será explorado o SQL Data Services como destaque e apresentado apenas as características do Data Hub, ambos integrantes do SQL Azure, que por sua vez faz parte da Plataforma Windows Azure da Microsoft.

[subtitulo]A Plataforma Windows Azure[/subtitulo]

A Microsoft inova com a Plataforma Windows Azure, que inicialmente envolve um conjunto de recursos e tecnologias na internet, com a capacidade de prover a execução de serviços de desenvolvimento ou deployment, tanto localmente quanto remotamente em nuvem.

Disponibilizando elementos como serviços, sendo estes acessíveis através da web, esta plataforma oferece ferramentas e funcionalidades atraentes para o desenvolvimento e utilização de soluções já conhecidas da Microsoft aos seus usuários.

A estrutura da plataforma se dá por meio de um sistema operacional, chamado Windows Azure, que por sua vez integra recursos e serviços já conhecidos da Microsoft, como o .NET Services, Live Services e o SQL Services (atual SQL Azure). Todos esses serviços citados podem ser utilizados conjuntamente na nuvem a partir dos Data Centers da Microsoft. A Figura 1 mostra o modelo da Plataforma Azure e seus componentes.

Figura 1. Demonstração da estrutura e componentes da Plataforma Windows Azure

Em 2008 a Microsoft disponibilizou o acesso a essa plataforma através de cadastro na CTP (Community Technology Preview). Nesta primeira versão os usuários tinham suporte a aplicações desenvolvidas em .NET Framework a partir do Windows Azure. Na versão posterior, a Microsoft alterou o nome do serviço voltado para banco de dados relacionais para SQL Azure (anteriormente SQL Services), que junto com seus componentes será o item de destaque a ser abordado neste artigo.

O principal serviço, que passou a ser chamado de SQL Azure Database (anteriormente SQL Data Service), foi liberado com mais recursos e funcionalidades do SQL Server. Outra novidade trata-se do Data Hub. Este último tem por objetivo sincronizar bancos de dados locais distribuídos geograficamente com um ou mais bancos de dados centrais SQL Azure Database na nuvem. Os dois componentes estão ilustrados como integrantes do SQL Azure na Figura 2.

Figura 2. Plataforma Windows Azure com a apresentação dos novos componentes do SQL Azure

"

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?