ASP.NET Web API - Revista .net Magazine 100 - Parte 2

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (5)  (0)

O artigo apresenta várias formas de se consumir serviços disponibilizados pelo framework ASP.NET Web API utilizando Windows Phone 7, ASP.NET MVC 4 e WebForms.

Artigo no estilo Curso

De que se trata o artigo

O artigo apresenta várias formas de se consumir serviços disponibilizados pelo framework ASP.NET Web API utilizando Windows Phone 7, ASP.NET MVC 4 e WebForms.

Em que situação o tema é útil

O tema é útil para construção de sistemas do lado cliente, como interagir com sistemas que disponibilizam serviços Rest e como esta tecnologia pode auxiliar na construção de aplicações de maior responsividade e consequentemente melhor experência do usuário em diferentes dispositivos. Este artigo aborda diferentes tecnologias para consumo de serviços criados com ASP.NET Web API, estaremos implementando clientes que na sua completude utilizam tecnologias Microsoft e outros que utilizam jQuery e Windows Phone.

Consumo de serviços ASP.NET Web API

Neste artigo veremos como desenvolver clientes que possam consumir serviços HTTP através de exemplos, mostrar aspectos no entorno de cada tecnologia de consumo. O fato de nativamente ASP.NET Web API prover serviços Restful possibilita algumas vantagens para as aplicações clientes como a utilização direta de HTTP entre outras que serão analisadas.
Autores: Guinther Pauli e Fabio Navarro

No artigo anterior vimos como desenvolver e disponibilizar serviços seguindo a arquitetura Rest, para isso, utilizamos o framework ASP.NET Web API que a Microsoft recentemente encorporou ao Visual Studio 2012.

Na oportunidade, tivemos contato com tecnologias do lado servidor, ou seja, todo ambiente do lado server foi desenvolvido para que serviços utilizando uma arquitetura Rest pudessem oferecer acesso a recursos de forma padronizada e altamente disponível.

Tais serviços tem como comportamento padrão a utilização de verbos HTTP para criação, edição e acesso aos recursos em questão (modelo moderno de programação HTTP ) que permitem a utilização de objetos limpos e fortemente tipados nas transações.

Baseado neste cenário, este artigo irá trazer informações de como acessar estes serviços, como criar aplicações cliente que possam trazer dados, manipulá-los e transformá-los em informação. Utilizaremos diferentes tecnologias para este consumo, desde aplicações Web até aplicações Mobile, demonstrando a capacidade dos serviços Rest atingirem uma grande quantidade de dispositivos.

Clientes e consumo

Partindo da arquitetura Restful na qual temos basicamente um cliente e um servidor, vamos explorar um pouco mais a parte cliente nesta seção, especificamente vantagens de consumo de serviços Rest.

Clientes dentro de uma arquitetura Restful fazem chamadas a servidores, que expõe através de URL’s, acesso a recursos que são devolvidos aos clientes formando o roundtrip de acesso. Esta interação é suportada por uma arquitetura de camadas inferiores que por padrão podem utilizar de técnicas para maior desempenho, como balanceamento de cargas entre outros, expondo assim uma das várias vantagens da arquitetura Restful e, por conseguinte, dos clientes Rest.

Desta maneira, clientes de uma arquitetura Rest possuem certa vantagem em relação a, por exemplo, uma arquitetura SOAP, desde uma menor curva de aprendizado da equipe, por utilizar de verbos HTTP, a utilização de simples chamadas HTTP.

Por essas e outras vantagens inerentes à arquitetura como cache e outros, iremos explorar um pouco mais os clientes Rest por meio de exemplos práticos. Para começar, vamos criar e organizar nosso projeto em uma solution contendo quatro projetos.

"

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?