Bacula: Salve seus dados - Revista Infra Magazine 5

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (3)  (0)

Este artigo tem como objetivo demonstrar a importância do uso de ferramentas de backup para qualquer administrador que zele pela segurança de seus dados.

Do que se trata o artigo:

Este artigo tem como objetivo demonstrar a importância do uso de ferramentas de backup para qualquer administrador que zele pela segurança de seus dados. Nessa primeira parte do artigo serão abordados conceitos básicos, mitos, tipos e métodos utilizados para cópia de dados. Será demonstrado como elaborar uma rotina de backup adotando várias tecnologias de armazenamento.


Em que situação o tema é útil:

Este serviço é usado quando o administrador precisa manter uma cópia de arquivos de banco de dados, arquivos de configuração, diretórios compartilhados, diretórios de e-mails, máquinas virtuais e demais serviços utilizados pela organização. A centralização de backup com o Bacula visa facilitar a administração e identificação de falhas no processo de cópia.

Resumo DevMan:

O Bacula é uma solução de backup multiplataforma desenvolvida sob a licença GPL. É robusta, cheia de recursos e modular, se adapta a redes de qualquer tamanho e em qualquer topologia. Com essa solução não há mais a necessidade de altos investimentos em licenças de software para backup.

Autores:Flávio Alexandre dos Reis e Eduardo Pagani Julio

Em Tecnologia de Informação (TI), cópia de segurança (backup) é uma cópia de dados de um dispositivo de armazenamento para outro para que possa ser restaurado em caso da perda dos dados originais, o que pode envolver apagamentos acidentais ou corrupção de dados.

Alguns meios difundidos de backup incluem CD-ROM, DVD, disco rígido, disco rígido externo (compatíveis com USB), fitas magnéticas (LTO) e também uma cópia de segurança externa (online). Esta última pressupõe o transporte dos dados por uma rede, como a Internet, para outro ambiente, geralmente para equipamentos mais sofisticados, de grande porte e alta segurança fornecidos por empresas especializadas.

Outra forma de cópia de segurança pouco difundida é feita via rede, que é o tema abordado neste artigo. Na própria rede local de computadores, o administrador ou o responsável pela cópia de segurança grava os dados, processa e distribui as partes constituintes da cópia nos computadores da rede. Isto tudo de forma segura, incluindo dados criptografados (para não haver extração ou acesso aos dados na forma original por pessoas não autorizadas) e o procedimento ser oculto.

Neste contexto, este artigo tem como objetivo demonstrar a importância do uso de ferramentas de backup para qualquer administrador que zele pela segurança de seus dados. Conheceremos alguns conceitos básicos, mitos, tipos e métodos utilizados para cópia de dados. Além disso, será demonstrado como elaborar uma rotina de backup adotando várias tecnologias de armazenamento. Começaremos por alguns conceitos básicos.

O backup consiste na cópia de dados específicos (redundância) para serem restaurados no caso da perda dos originais. A cópia pode ser realizada para o mesmo computador, para um dispositivo de armazenamento ou, ainda, em outro prédio ou localidade. Neste último caso, temos a vantagem de também proteger os dados contra acidentes que possam acometer fisicamente a estrutura.

Independente de como os dados possam ser perdidos (apagamentos acidentais, corrupção dos dados, etc.), um backup eficiente consiste naquela política em que se minimizam os impactos desta perda possibilitando a restauração do arquivo ou serviço no menor tempo possível e com o mínimo de defasagem em termos de alteração das informações.

O backup pode variar de acordo com a natureza dos arquivos, com as necessidades empresariais e com a infraestrutura disponível. Além disso, existem algumas métricas que devem ser observadas: tempo de execução das cópias (conhecido como janela de backup), a periodicidade, a quantidade de exemplares das cópias armazenadas, o tempo que as cópias devem ser mantidas, a capacidade de armazenamento, o método de rotatividade entre os dispositivos, a compressão e encriptação dos dados. Todos esses fatores devem ser avaliados pela equipe responsável pela execução do processo de cópia.

Quanto à topologia, os backups podem ser classificados como centralizados ou descentralizados. No primeiro caso, geralmente há um servidor que comanda a realização de cópias de segurança conferindo uma maior praticidade na administração e economia pelo armazenamento dos dados em poucos dispositivos, ocorrendo aí um ganho pela escalabilidade. Geralmente é realizado pela noite para que haja mínima possibilidade de impacto aos serviços utilizados em horário administrativo. No segundo caso, cada setor fica responsável pela cópia de segurança, mantendo a mesma em sua posse (caso não aconselhável).

Tipos de Backup

A seguir serão apresentados os tipos de backup que normalmente são encontrados no dia a dia das organizações. Ao final da lista, é apresentada uma tabela com exemplo de implementação de backup full e diferencial.

· Completo (Full) – este tipo de backup faz cópia de todos os arquivos definidos na configuração da ferramenta, independente dos arquivos terem sido alterados ou não. Geralmente é realizado quando o servidor passa por backup pela primeira vez, ou no início de cada ciclo de backups (ex.: uma vez por semana). Como é um backup mais longo, geralmente é iniciado na sexta-feira ou sábado para que tenha a janela do final de semana para ser realizado. Este tipo de backup se mostra extremamente caro para ser realizado diariamente, principalmente pela excessiva quantidade de espaço em disco que será utilizada levando em consideração o tamanho do diretório ou arquivo a ser armazenado;

· Diferencial – este tipo de backup faz a cópia apenas dos arquivos modificados a partir do último backup Full. Por exemplo: um backup Full ocorreu no sábado; um backup diferencial realizado na segunda só conterá os dados alterados ou criados na segunda; se na terça-feira for gravado outro backup diferencial, ele novamente vai gravar os arquivos alterados ou criados desde que se gravou o backup Full, isto é, os arquivos de segunda e terça. Assim, este tipo requer menos capacidade de armazenamento e resulta em backups mais rápidos. Em contrapartida, a restauração fica mais complexa, pois necessita sempre de pelo menos dois volumes de backup (um full e possivelmente o último diferencial). Observe na Tabela 1 um cronograma de backup utilizando a cópia completa e diferencial;

· Incremental – este tipo de backup faz a cópia apenas dos arquivos modificados a partir do último backup diferencial. Ao contrário do diferencial, se for feito um "

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?