Configurando um ambiente de desenvolvimento para J2ME

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (12)  (0)

Veja neste artigo como iniciar seu estudo para desenvolimento de aplicações J2ME.

 

Olá a todos,

 

Conforme comentei no último artigo, estaremos desvendando o universo da programação para dispositivos móveis (com uma ênfase especial para celulares e PDA´s) com a utilização da plataforma Java que é destinada a estes aparelhos, o J2ME (abreviação para Java2 Micro Edition).

 

Vale ressaltar que existem outras plataforma de desenvolvimento para dispositivos móveis, como o .NET Compact Framework, da Microsoft, o Brew, da Qualcomm, e o BlackBerry, da Research In Motion. No entanto, iremos abordar a plataforma J2ME por ser esta a plataforma utilizada, em todo o mundo, na maioria dos dispositivos móveis (sobretudo os celulares) que suportam a instalação e execução de programas desenvolvidos para eles; porém, para os interessados em aprender um pouco mais sobre essas outras plataformas de desenvolvimento para dispositivos móveis, seguem alguns links bastante interessantes e altamente recomendados:

 

·        .Net Compact Framework: http://msdn.microsoft.com/netframework/programming/netcf/default.aspx

·        Brew: http://brew.qualcomm.com/brew/en/

·        BlackBerry: http://www.blackberry.com/developers/

 

 

Bem, vamos então começar a nossa jornada pelo mundo do J2ME. Este artigo tem o objetivo de listar todos os requisitos necessários para a preparação de um ambiente de desenvolvimento para dispositivos móveis em Java; serão abordadas, portanto, as ferramentas e demais requisitos necessários para que possamos começar a desenvolver as nossas aplicações. Ao final deste artigo, você terá um ambiente de desenvolvimento em J2ME instalado e totalmente configurado para a criação de aplicações móveis. A partir do próximo artigo, começaremos a escrever e analisar os primeiros códigos, e veremos mais detalhes sobre a teoria por trás do funcionamento desses dispositivos e da execução de programas desenvolvidos para esta plataforma.

 

Em primeiro lugar, precisamos optar por uma IDE (Ambiente Integrado de Desenvolvimento) que será utilizada para a criação das nossas aplicações. Existem muitas alternativas disponíveis no mercado (algumas gratuitas, outras, pagas); neste artigo, irei apresentar a instalação de uma excelente IDE (gratuita) que poderá ser utilizada pelos leitores: o NetBeans. Resolvi optar por esta IDE por ser um ambiente de desenvolvimento mais “limpo” e mais amigável aos usuários, sobretudo aqueles que estão começando agora as suas atividades de programação. Existem outras opções muito boas para o “desenvolvimento móvel”, como o Eclipse ME, da Eclipse Foundation, e o JBuilder MobileSet, da Borland Software Corporation. No entanto, estas últimas IDE´s são mais recomendadas para aqueles usuários que já possuem experiência no desenvolvimento de aplicações Java e que, inclusive, já utilizam alguma destas IDE´s para o desenvolvimento de sistemas em J2SE e/ou J2EE. Para obter mais informações sobre essas duas IDE´s, pode-se visitar os seguintes endereços:

 

·        Eclipse: http://www.eclipseme.org/

·        JBuilder: http://www.borland.com/downloads/download_jbuilder.html

 

É importante observar que, independentemente da IDE escolhida, é obrigatória a presença de alguns programas no computador; a seguir, esses “pré-requisitos” são listados e é oferecida a fonte de onde podem ser obtidos na Internet:

O Wireless Toolkit corresponde ao kit de desenvolvimento da Sun Microsystems voltado para a criação de aplicações móveis, e é conhecido, popularmente, como WTK. Mas se o WTK é um kit de desenvolvimento, por que precisamos de uma IDE, como o NetBeans? A resposta para esta pergunta é bastante simples: o WTK não provê um ambiente de desenvolvimento completo, mas apenas um compilador para as aplicações móveis e alguns emuladores de dispositivos (todos fictícios) para testar os sistemas criados. Caso você não esteja disposto a instalar uma IDE (como o NetBeans ou o Eclipse), pode instalar apenas o JDK e o WTK em sua máquina, criar as classes das aplicações em um editor de texto qualquer, e então compilá-las no WTK; no entanto, esta não é a prática mais utilizada pela maioria dos programadores, e por isso, vamos utilizar uma IDE para o desenvolvimento de nossos sistemas. Em um artigo futuro comentarei sobre os emuladores, e como obter emuladores específicos para determinadas marcas e modelos de dispositivos.

 

Mas então, qual é a relação do WTK com o NetBeans? A resposta para esta pergunta também é simples: o NetBeans (assim como as outras IDE´s voltadas para dispositivos móveis) utiliza as API´s e os emuladores que acompanham o WTK. Por isso, é imprescindível com que o WTK esteja instalado na máquina, seja qual for a IDE escolhida para a criação das aplicações.

 

Uma vez instalados o JDK e o WTK, iremos partir para a instalação do NetBeans. Antes de mais nada, será necessário baixar o NetBeans (cuja versão mais recente é a 5.0) e o NetBeans Mobility Pack (pacote que adiciona suporte à criação de aplicações móveis no NetBeans). Tanto o NetBeans 5.0 quanto o Mibility Pack 5.0 podem ser baixados em http://www.netbeans.info/downloads/download.php?type=5.0 (estão disponíveis várias versões, para vários sistemas operacionais diferentes).

 

De posse dos pacotes de instalação, iremos então instalar estes dois pacotes na máquina, a começar pelo NetBeans. Durante a instalação desta IDE, será perguntado a você qual o JDK que deseja utilizar; caso mais de uma versão do JDK estiver presente na máquina, uma lista será apresentada, permitindo com que o usuário possa escolher uma delas. A figura 01 apresenta uma situação em que a instalação do NetBeans localizou duas versões diferentes do JDK. Caso esta situação ocorra durante a instalação, procure sempre optar pelo JDK mais novo entre aqueles disponíveis na lista.

fig1-confambj2me.JPG
Figura 01: Seleção do JDK na instalação do NetBeans.

 

 

Após a instalação do NetBeans IDE, podemos então instalar o NetBeans Mobility Pack. A instalação deste pacote também é trivial, e não apresenta “segredos” aos usuários. O destaque desta instalação fica por conta da tela mostrada na figura 02, na qual o usuário pode escolher qual a versão do NetBeans IDE que deseja utilizar com o Mobility Pack (caso mais de uma versão do NetBeans esteja presente na máquina).

fig2-confambj2me.JPG
Figura 02: Seleção do NetBeans IDE na instalação do Mobility Pack.

 

 

Concluída a instalação do Mobility Pack, estamos com um ambiente de desenvolvimento para aplicações móveis, completo e pronto para utilização. Agora, iremos testar o nosso novo ambiente, através da criação e execução de uma aplicação bastante simples. Para isso, seguimos os seguintes passos:

 

·        Abrimos o NetBeans (através do “Menu Iniciar” ou do ícone na área de trabalho, caso este último tenha sido criado na instalação); a figura 03 apresenta a tela principal do NetBeans 5.0.

·        Acionamos, de dentro do NetBeans, o Menu “File”, e, em seguida, escolhemos “New Project”.

·        Na tela que será aberta escolhemos as opções “Mobile” e “Mobile Application”, conforme pode ser observado na figura 04. Em seguida, clicamos em “Next”.

·        Nesta nova tela, fornecemos o nome do projeto e a sua localização no disco rígido (por simplificação, mantivemos estas informações inalteradas); além disso, deixaremos marcadas as duas opções presentes nesta tela: “Set as Main Project” e “Create Hello MIDlet”. Por fim, clicamos no botão “Finish”.

 

Neste momento, a nossa aplicação já foi criada e está pronta para ser rodada. Antes de rodar a aplicação, precisamos compilá-la. Para isso, acionamos o Menu “Build” e depois “Build Main Project”. Depois que o projeto for compilado, acionamos o Menu “Run”, e depois, “Run Main Project”. Como resultado da execução do nosso sistema é carregado um emulador de um telefone celular, o qual pode ser observado na figura 05. Se acionarmos o botão “Launch” presente na tela do emulador, veremos a mensagem “Hello World, World!” na tela do sistema. Isto significa que o nosso ambiente está funcionando perfeitamente, e está pronto para o desenvolvimento de sistemas móveis melhores e mais complexos do que esse simples “Hello World”.

 

Mais uma vez, lembro que o objetivo deste projeto que acabamos de criar é apenas de testar o nosso ambiente; por isso, não entraremos em mais detalhes sobre a sua implementação (esta será uma das atividades do próximo artigo).

 

fig3-confambj2me.JPG
Figura 03: Tela Principal do NetBeans 5.0.

 

fig4-confambj2me.JPG 

Figura 04: Criação de uma aplicação móvel no NetBeans.


fig5-confambj2me.JPG 

Figura 05: Execução do projeto “Hello MIDlet”.

 

        Bem pessoal, este artigo, portanto, chega ao fim. O seu objetivo foi auxiliar na instalação de um ambiente de desenvolvimento de aplicações móveis, mais especificamente, o NetBeans 5.0. Lembro, mais uma vez, que outras IDE´s podem ser utilizadas para a criação de sistemas móveis, e cabe a cada usuário optar por aquela IDE com a qual possui maior afinidade; a escolha pelo NetBeans neste artigo se deu por causa de suas facilidades de instalação e utilização, além de ser bastante amigável com programadores menos experientes em Java.

 

Começarei o próximo artigo analisando o código do “Hello Word” apresentado neste artigo, e abordarei todos os conceitos por trás de seu funcionamento. Iremos ver também os fundamentos da interface gráfica para dispositivos móveis, bem como toda a teoria por trás das implementações que utilizam tais recursos gráficos.

 

Qualquer dúvida, sugestão, crítica ou comentário, sintam-se à vontade para escrever (a.orrico@gmail.com). A opinião de vocês é muito importante. Nos vemos no próximo artigo!

 

Abraços a todos, e até lá!!

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?