Conhecendo o EJB

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (10)  (0)

A principal característica do EJB é a rapidez em desenvolver soluções, pois, ele fornece um conjunto de componentes prontos.

Do que se trata o artigo:

EJB é um dos principais componentes da plataforma Java EE. Eles são executados em um container EJB no lado do servidor. A principal característica do EJB é a rapidez em desenvolver soluções, pois, ele fornece um conjunto de componentes prontos, o que torna o desenvolvimento eficiente. Entretanto, nem sempre foi assim. Antes da versão 3.0 do EJB, existia uma grande dificuldade devido à complexidade na utilização desta tecnologia, com destaque para o uso de configurações em arquivos XML ao invés de anotações. Vamos entender o que melhorou ao passar dos anos e como os EJBs se tornaram nos dias atuais uma das principais referências de desenvolvimento.

Em que situação o tema é útil:

Este artigo será útil para os desenvolvedores que desejam conhecer o universo que há por trás dos EJBs. Aprender o que de fato é um EJB, como ele se divide entre framework e container, quais recursos eles disponibilizam e entender porque os EJBs são usados no desenvolvimento de aplicações corporativas.

Conhecendo o EJB:

Este artigo apresenta o Enterprise JavaBeans, ou apenas EJB, implementação que teve sua última atualização com a JSR 318 – Enterprise JavaBeans 3.1. O EJB fornece poderosas ferramentas que permitem desenvolver aplicações complexas e de alto desempenho, onde o desenvolvedor foca sua atenção na lógica de negócio ao invés de se preocupar tanto com situações periféricas, porém não menos importantes.

Hoje em dia, grandes empresas possuem sistemas corporativos integrando setores, melhorando a produtividade, otimizando processos e agregando valores nas mais variadas áreas de atuação. Tais sistemas são desenvolvidos levando em consideração a segurança, a grande quantidade de acessos simultâneos, a integridade das informações, a estabilidade, entre outros aspectos. Se o sistema não funcionar corretamente por qualquer motivo, todo um processo estará comprometido. Por isso, escolher tecnologias que oferecem mecanismos robustos para desenvolver softwares é fundamental para obter sucesso na construção de uma aplicação.

Pensando nisso, neste artigo aprenderemos a desenvolver soluções para atender às necessidades dos sistemas corporativos utilizando EJB. Vamos entender como funcionam os EJBs, quais são seus componentes e qual é a finalidade do container em uma aplicação EJB. Veremos os recursos disponíveis para otimizar o uso da memória do servidor e quais APIs o EJB integra facilmente, além de conhecer a fundo os beans de sessão e seus três tipos: stateless, stateful e singleton. Finalmente, desenvolveremos uma aplicação, colocando em prática tudo o que aprendemos no artigo.

O que é EJB?

EJB é um dos principais componentes da plataforma Java Enterprise Edition (Java EE) para desenvolvimento de sistemas corporativos. Com ele é possível criar aplicações modulares, separar suas funcionalidades e as reutilizar de forma simples e objetiva. Ao utilizar EJB é possível construir aplicações distribuídas, totalmente seguras e com um eficaz tratamento de transações. Além disso, o EJB oferece serviços de persistência de dados, controle de concorrência, envio de mensagens, serviço de agendamento, chamadas a métodos remotos e a web services.

Já imaginou ter que construir um mecanismo para controlar as transações de uma aplicação? Construir funcionalidades para o controle de memória, liberar um componente quando o mesmo não for mais utilizado ou até disponibilizá-lo para outro usuário? Ou programar dezenas de linhas de código para prover integração com a API de envio de mensagens, a Java Message Service (JMS)? Até mesmo construir um mecanismo para possibilitar acesso remoto a outras aplicações? Além de perder um valioso tempo na construção destes recursos, ainda existe a grande possibilidade de desenvolver soluções vulneráveis a erros, devido às complexidades apresentadas por estes recursos.

Em outras palavras, quais os motivos para reinventar a roda? Existe a necessidade de perder tempo na construção de soluções que já existem, que são constantemente utilizadas, testadas e aprovadas pela comunidade Java?

EJB é isso, um conjunto de soluções integradas e centralizadas para suprir os problemas de desenvolvimento de softwares. Utilizando EJB, o desenvolvedor pode se concentrar mais na regra de negócio e nas exigências do cliente, em vez de se preocupar com códigos de infraestrutura.

Por que utilizar EJB?

Um bom motivo para utilizar EJB é o fato de o desenvolvimento ser simples e rápido, devido aos poderosos recursos disponíveis. Um EJB é basicamente um POJO (Plain Old Java Objects), ou seja, uma simples classe Java que recebe algumas anotações, e com isso se torna um importante componente. Para desenvolver um sistema utilizando EJBs, não existe a necessidade real de entender a fundo o que o EJB faz por trás das anotações, o desenvolvedor precisa saber apenas utilizá-las.

Os componentes EJBs utilizam várias APIs e soluções integradas como, por exemplo, a RMI (Remote Method Invocation), que faz acesso remoto a outros componentes de forma simples, sendo possível acessar componentes que estão em outros containers, em qualquer lugar do mundo. Também utiliza a JTA (Java Transaction API), uma poderosa API responsável por gerenciar as transações de forma transparente. A JAAS (Java Authentication and Authorization Service) é uma API que fornece serviço de segurança a aplicações Java EE, e o EJB também faz uso dela, de forma simples e intuitiva. Com EJB também é possível utilizar a API Java Mail, que pode ser integrada ao servidor de aplicação para simplificar o envio de e-mails. Ademais, os componentes EJBs oferecem uma excelente integração com a camada web.

A JPA (Java Persistence API) é uma das mais importantes APIs que integram o framework e faz com que o EJB tenha um forte e poderoso mecanismo de persistência de dados. Além disso, o EJB é mantido pela JCP (Java Community Process), o que torna a API do EJB pública e garante um longo futuro para a tecnologia. Existem ainda grandes empresas que dão apoio ao EJB, por exemplo, IBM, Oracle, JBoss, entre outras. Além do apoio, elas lançam no mercado diversas ferramentas que estimulam a concorrência e aumenta assim o valor do EJB no mundo corporativo.

Histórico das versões do EJB

A primeira versão do EJB foi lançada em março de 1998 durante o Java One, considerado o maior evento de Java do mundo. Em dezembro de 1999 chega a versão 1.1, que já contava com mecanismos de segurança, acesso remoto e descritores de implantação XML. Mas somente a partir da versão 2.0 é que o EJB ganha força com a JCP, que é a comunidade responsável por decidir os rumos das principais tecnologias da plataforma Java. O EJB 2.0 foi lançado em agosto de 2001 e chegou com a especificação JSR 19: Enterprise JavaBeans 2.0, com o objetivo de tornar o desenvolvimento um pouco menos complexo. No final de 2003 é disponibilizada a especificação JSR 153: Enterprise JavaBeans 2.1, que chegou com importantes novidades, entre eles o acesso a Web Service, serviço de agendamento e recursos para o envio de mensagens. Quase três anos depois, em maio de 2006, foi lançada a versão 3.0 com a especificação JSR 220: Enterprise JavaBeans 3.0, e esta sem dúvida foi a maior revolução entre as versões do EJB. Entre as mudanças, pode-se destacar o uso de anotações em substituição aos XMLs, o que tornou o desenvolvimento simples e rápido. Em dezembro de 2009 o EJB chega à versão 3.1, com a especificação JSR 318: Enterprise JavaBeans 3.1, simplificando o desenvolvimento e adicionando novas funcionalidades. Até a publicação deste artigo, a versão atual do EJB é a 3.1.

Container EJB"

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?