Desmistificando o Storage Corporativo

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (13)  (0)

O objetivo deste artigo é desmistificar o storage corporativo para os profissionais que não tiveram oportunidade de ver de perto ou trabalhar com estes equipamentos, mas dependem deles, como bancos de dados, emails, entre outros.

Artigo do tipo Exemplos Práticos
Porque esse artigo é útil
O objetivo deste artigo é desmistificar o storage corporativo para os profissionais que não tiveram oportunidade de ver de perto ou trabalhar com estes equipamentos, mas administram aplicações que dependem destes, como bancos de dados, servidores de e-mail corporativo e servidores de arquivo, por exemplo. É muito fácil se perder na sopa de letrinhas do mundo do storage (SAN, FC, SAS, LUN, RAID, GBIC, iSCSI), mas esta breve explicação deve fornecer uma base teórica razoável para que qualquer não especialista seja capaz de entender do assunto, ao ponto de poder discutir com um especialista em storage para explicar uma demanda corretamente.

Conhecer a terminologia e os conceitos envolvidos em soluções de storage é essencial para todo profissional que administra aplicações que delas dependem (bancos de dados, e-mail, servidor de arquivos, dentre outras).

De uma década para cá, o storage corporativo se tornou cada vez mais presente na infraestrutura de TI das empresas. É um equipamento fundamental para quem deseja disponibilidade e alto desempenho. O problema é que, por se tratar de uma tecnologia relativamente recente, e que poucos profissionais, particularmente em início de carreira, têm a oportunidade de conhecer de perto, acaba se criando um mito em torno do assunto, o que só contribui para a falta de informação. E porque é importante conhecer o storage? Porque o volume de dados vem crescendo em um ritmo vertiginoso, e nada indica que essa tendência vá mudar nos próximos anos. Para lidar com volumes de dados multi-terabyte, o armazenamento local (disco interno) simplesmente não é uma opção. Fora isso, conforme o volume de dados aumenta, em muitos casos a demanda por desempenho aumenta, logo é necessário um equipamento que tenha os recursos e a robustez necessária para suportar essa demanda.

Com base em tudo o que foi citado, este artigo se propõe a desmistificar o storage ao abordar os principais assuntos relacionados de forma clara e objetiva. A ideia não é que o leitor se transforme em um especialista em storage da noite para o dia, mas sim que o conteúdo exposto aqui sirva de ponto de partida para um aprendizado mais profundo, sem deixar de lado a necessidade do saber prático para o dia a dia.

Configuração Física

Neste tópico mostraremos os componentes de hardware mais comuns em uma solução de storage, bem como um exemplo de arquitetura típica de SAN.

Hardware

Como usuários finais de um storage corporativo, vemos apenas os discos acessíveis por um servidor. Para nós e para o servidor é transparente se esse disco é local ou se faz parte de uma SAN (Storage Area Network). A seguir, descrevemos os equipamentos necessários para que uma solução desse tipo funcione corretamente.

Storage

O storage é um equipamento que permite a instalação de uma grande quantidade de discos de tipos diversos (veja o BOX 1) e possui formas de conectividade para permitir o acesso por diversos servidores. O storage é tipicamente composto por:

· Controladoras ou storage processors (Figura 1), que gerenciam toda a configuração do equipamento, a conectividade externa, o acesso aos discos e ao cache de dados. Normalmente há mais de uma, para redundância em caso de falha;

· Gavetas ou Drive enclosures (Figura 2), que são os acessórios que recebem os discos.

Os equipamentos mais sofisticados são construídos de forma modular, de modo que é possível a expansão pela adição de mais controladoras ou drive enclosures posteriormente. Na Figura 3 é possível ver um storage completo com seus módulos montado em rack.

Figura 1. Storage Processor.

Figura 2. Drive Enclosure.

Figura 3. Storage montado em rack, visão frontal.

BOX 1. Tipos de Disco

Os equipamentos atuais suportam o que há de mais moderno em tecnologia de disco. Internamente os discos de tecnologia tradicional (placas giratórias com cabeças de leitura) são bastante similares. Eles diferem no tipo de conexão e na velocidade de rotação. Quanto"

[...]

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?