Escalabilidade na CLOUD da Amazon - Revista .net Magazine 100

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (0)  (0)

O objetivo do artigo é mostrar ao leitor os principais recursos do Amazon Web Services para a criação de aplicações web preparadas para crescer usando os recursos de elasticidade e o benefício de pagar apenas pelo seu consumo.

De que se trata o artigo

O objetivo do artigo é mostrar ao leitor os principais recursos do Amazon Web Services para a criação de aplicações web preparadas para crescer usando os recursos de elasticidade e o benefício de pagar apenas pelo seu consumo.

Em que situação o tema é útil

O tema é útil sempre que precisamos construir projetos, onde a preocupação está voltada para a disponibilidade, capacidade de atender demandas de acesso que podem variar constantemente. Um bom exemplo é um site de compra coletiva, que deve ter uma grande infraestrutura que não caia no momento que for lançado uma promoção esperada por uma grande massa, mas uma estrutura bastante enxuta no momento que não houver grandes ofertas no ar, evitando assim o desperdício de recurso.

Escalabilidade e Disponibilidade na CLOUD da Amazon

Escalabilidade, disponibilidade e performance são pontos fundamentais de preocupação no momento que a nossa aplicação vai para a produção. Será que o seu sistema está apto a escalar? Como seu sistema irá se comportar se receber 100 mil acessos simultâneos? A construção de uma aplicação pensando nesses pontos, aliados a uma boa estrutura de CLOUD, como o AWS, são fundamentais para seu êxito. Iremos apresentar um pouco da estrutura do AWS, como construir uma pequena aplicação pensando nesses pontos e como disponibilizar em uma estrutura escalável, pronta para atender a qualquer cenário.

É cada vez maior a necessidade de termos projetos de baixo custo e que possam estar preparados para um crescimento esperado ou não, afinal de contas, ninguém quer ver usuários insatisfeitos ou chateados por não conseguirem utilizar um determinado recurso do seu sistema, por lentidão ou por indisponibilidade devido a um pico de acesso. Nesse ponto é que a CLOUD se encaixa perfeitamente: baixo custo e alta performance quando necessário.

Com o advento da nuvem, empresas com pouco ou nenhum recurso tiveram a possibilidade de criar seu negócio online, por exemplo. Outro fator que contribuiu para isso é que os principais serviços de nuvem possuem período de gratuidade.

Para podermos desfrutar dessas vantagens proporcionadas pelo uso da CLOUD, precisamos pensar nos impactos causados quando utilizamos este tipo de ambiente antes de construir nossa aplicação e saber quais pontos precisam estar adaptados para a nuvem. Precisamos também saber como gerenciar o serviço na nuvem que utilizaremos. No nosso caso, usaremos o serviço chamado Elastic Beanstalk, do AWS, para realizar o deploy da nossa aplicação de exemplo e configurarmos ela para escalar de forma automática, baseado nos parâmetros que mais são críticos para o seu cenário. Em nosso exemplo usaremos como criticidade o processamento.

A CLOUD e seus principais recursos

Não é de hoje que o termo CLOUD vem sendo bastante debatido e explorado pelos desenvolvedores, principalmente aqueles que têm um enfoque na arquitetura. O conhecimento dos recursos fornecidos por cada uma das “nuvens” que temos no mercado pode ser determinante nas decisões que um arquiteto irá tomar na hora de desenhar a arquitetura para um projeto. Por isso, é fundamental conhecermos a grande diferença entre Data Center e CLOUD.

Quando você está usando a CLOUD, você terá acesso a recursos como Elasticidade e Disponibilidade. Com a Elasticidade você se depara com o recurso capaz de configurar o poder de processamento, memória e até mesmo a largura de banda que sua aplicação precisa para atender aos clientes que irão acessá-la. Outro ponto fundamental é que sua aplicação utilize esses recursos sem intervenção humana, pois ficaria inviável se fosse necessário estar 24 horas monitorando a aplicação para poder aumentar seu poder de processamento manualmente. Para os que gostam, podemos também configurar alarmes para que sejamos avisados no momento em que a nossa estrutura precisar de um upgrade. O fator Disponibilidade é outra característica fundamental, caracterizada por disponibilizar geograficamente nossa aplicação usando as mais diversas regiões do globo. Um exemplo disso seria uma aplicação em cluster rodando no Japão, São Paulo e América do Norte. Caso haja um furacão na América do Norte, e/ou um Tsunami no Japão, nossa aplicação ainda assim estaria disponível.

Atualmente temos uma grande oferta de serviços de CLOUD no mercado, mas as empresas que realmente se destacam com seus serviços de nuvem, são: a Microsoft com o Windows Azure, e a Amazon com o AWS. Estes oferecem período de gratuidade para testar seus serviços antes de pagar. O AWS tem a vantagem de oferecer bem mais que os três meses disponibilizados pelo Azure para teste, onde desfrutamos de 12 meses de gratuidade em uma série de serviços. Mas é claro que nem tudo é de graça. No momento que você realiza o cadastro é explicado isso e você irá pagar apenas seu excedente. Não é por acaso que precisamos informar um cartão de crédito válido para realizar o nosso cadastro. Mas fiquem tranquilos, vocês podem acompanhar diariamente o consumo.

"

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?