Firebird - Revista Clube Delphi 136 - Parte 2

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (0)  (0)

O artigo mostrará a criação de um arquivo de banco de dados, como criar tabelas, chave primária, chave estrangeira (integridade referencial) e índices. Veremos também comandos de CRUD (insert, update, delete e select).

Artigo no estilo Curso

De que se trata o artigo

O artigo mostrará a criação de um arquivo de banco de dados, como criar tabelas, chave primária, chave estrangeira (integridade referencial) e índices. Veremos também comandos de CRUD (insert, update, delete e select).

Em que situação o tema é útil

Na administração básica de um banco de dados, pois no dia a dia geralmente há a necessidade de criar tabelas e integridades referenciais para que os dados possam ser consistentes. Será visto aos poucos, o quanto o Firebird é poderoso e pode ajudar nas soluções corporativas da sua empresa.

O Podereso Firebird – Parte 2

Este artigo irá mostrar a administração básica do servidor Firebird, ou seja, iremos aprender como criar um banco de dados de forma correta para termosuma melhor administração e maior desempenho do mesmo.Além disso, iremos aprender a criar tabelas e seus campos, veremos os tipos de dados que o Firebird suporta, aprenderemos a criar a chave primária e chave estrangeira (integridade referencial) e como criar os índicespara agilizar as consultas (recuperação de dados) no dia a dia. Veremos também, como popular um banco de dados ou tabela e como realizar alterações e apagar os dados.

Pode-se classificar os bancos de dados em diferentes categorias como a seguir:

• Bancos de dados arquivo-servidor e cliente-servidor;

• Bancos de dados relacionais;

• Bancos de dados OLTP e OLAP.

Bancos de Dados Arquivo-Servidor

Em um banco de dados arquivo-servidor os dados são armazenados eum arquivo e os usuários dos dados obtêm o que eles precisam diretamente do arquivo, ou seja, quando há a necessidade de incluir, alterar ou excluir alguma informação, o usuário através de algum aplicativo (cliente) abrirá o arquivo e fará as operações de CRUD diretamente. Isso para cada usuário que precisar fazer alguma coisa no arquivo. Um exemplo deste tipo de banco de dados é o Microsoft Access e o Microsoft Fox Pro.

Nota do DevMan

CRUD é um acrônimo de Create, Retrieve (Read), Update e Delete na língua inglesa. Se representar em SQL seria Insert, Select, Update e Delete. Veja essa representação:

C → Create => INSERT (inserir ou criar novas entradas);

R → Retrieve => SELECT (recuperar, consultar ou ler os dados);

U → Update => UPDATE (alterar os dados já salvos);

D → Delete => DELETE (apagar os dados já salvos).

Bancos de Dados Cliente-Servidor

Já em um banco de dados Cliente-Servidor, os dados continuam sendo armazenados em um arquivo, mas todos os acessos ao arquivo são controlados por um único programa, o servidor. Quando um aplicativo (cliente) precisar fazer uma consulta ou qualquer outra operação do CRUD, o aplicativo não fará diretamente no arquivo, mas mandará uma requisição à aplicação servidora e a mesma fará todas as operações necessárias. A vantagem de utilizar banco de dados Cliente-Servidor são várias, algumas delas são:

• Pelo fato dos dados serem acessados por um único programa, há menos possibilidades de que alterações ou travamentos acidentais alterem os dados;

• Eficiência em usar a banda disponível da rede para se comunicar;

• Aumento do desempenho;

• Controle de múltiplas transações.

Existem vários exemplos de banco de dados Cliente-Servidor, alguns deles são: Oracle, SQL Server, Interbase, Firebird, entre outros.

Bancos de Dados Relacionais

Um banco de dados relacional tem a capacidade de armazenar os dados em várias tabelas, enquanto também monitora como se relacionam. O banco de dados relacional possui a capacidade de guardar dados únicos através de campos (field) chaves, conhecidos como chaves primárias (primary key) e de relacionar tabelas através de campos estrangeiros, conhecidos como chave estrangeira. Através destas chaves há o controle da chamada integridade referencial. Os bancos relacionais também são chamados de SGBDR, ou seja, Sistema Gerenciador de Banco de Dados Relacional e alguns exemplos são: DB2, Oracle, SQL Server, MySQL, Interbase, Firebird, entre outros.

"

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?