FlameRobin - Revista ClubeDelphi 132

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (1)  (0)

Este artigo tem como finalidade apresentar ao leitor a ferramenta open-source FlameRobin, voltada exclusivamente para a administração e manipulação de bancos de dados Firebird.

De que se trata o artigo

Este artigo tem como finalidade apresentar ao leitor a ferramenta open-source FlameRobin, voltada exclusivamente para a administração e manipulação de bancos de dados Firebird. Além das características básicas que toda ferramenta deste tipo deve ter, o FlameRobin ainda possui um caráter multiplataforma, podendo ser utilizado nativamente em sistemas operacionais Windows, Linux, FreeBSD, Solaris e MacOS X.


Em que situação o tema é útil

O FlameRobin proporciona a seus usuários uma forma bem intuitiva de administrar bases de dados Firebird, através de recursos totalmente visuais. Por via deles, é possível facilmente criar e manter os principais objetos de um banco de dados, tais como tabelas, views, stored procedures, triggers, entre outros. Além disso, atividades mais específicas como, por exemplo, backup e restore, também são proporcionados pela ferramenta.

FlameRobin

O artigo terá enfoque na apresentação da ferramenta FlameRobin ao leitor, visando demonstrar alguns de seus principais recursos, tão importantes e essenciais na rotina diária de administração de bancos de dados Firebird. Por ter sido concebido com o objetivo de ser o mais simples e eficiente possível, o FlameRobin tende a ser muito bem aceito pela comunidade de desenvolvedores Delphi, em vista do casamento perfeito das aplicações Win32 com acesso a banco de dados com o SGBD Firebird e consequentemente pela necessidade de administrá-lo devidamente.

O Firebird é um dos SGBDs (Sistema Gerenciador de Banco de Dados) mais famosos em meio à comunidade Delphi, visto sua grande utilização no desenvolvimento de aplicações Desktop que envolvem acesso a banco de dados. Entre os motivos da sua boa aceitação por parte dos desenvolvedores, está sua simplicidade e praticidade de uso, seu alto desempenho e principalmente seu caráter open-source e gratuito. Em vista desses fatores, há um feedback muito grande em torno do tema na internet, onde comunidades e grupos de discussão foram formados, facilitando assim a obtenção de apoio e ajuda técnica de diversas fontes.

Conceitualmente falando, o projeto Firebird é coordenado e mantido pela Fundação FirebirdSQL, uma empresa sem fins lucrativos que foi criada para centralizar o avanço do projeto como um todo. Além disso, o Firebird tem todo seu código-fonte aberto e disponibilizado na rede Web a todos que venham a ter algum tipo de interesse (seja para contribuição, testes ou apenas curiosidade). Ainda falando em código, o Firebird teve sua base iniciada em meados do ano 2000, a partir do código de outro SGBD, mais precisamente do então Borland Interbase 6, que era o nome do produto na época (atualmente o Interbase faz parte do quadro de produtos da Embarcadero).

Uma curiosidade: o release 1.0 do Firebird é fruto do resultado obtido pelo trabalho de um grupo de programadores que, em conjunto, uniram-se para corrigir algumas inconsistências e problemas detectados no Interbase. Todo esse trabalho culminou num produto único, de características próprias e que hoje já caminha por suas próprias pernas. Atualmente (até o fechamento deste artigo), o Firebird se encontra na versão 2.5, que é sua distribuição estável mais recente.

Nota do DevMan

SGBD é a sigla para Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados, que vem do termo inglês Database Management System (DBMS). Pode ser definido como um conjunto de softwares que interagem entre si, provendo o gerenciamento de uma base de dados. Entenda por gerenciar, o processo de modificar, persistir, armazenar e obter informações de determinado banco de dados. Visando tirar a responsabilidade das partes clientes, o SGBD oferece a estas uma interface formada por APIs (Application Programming Interface) e drivers exclusivos que provêem a execução de comandos na linguagem SQL (Structured Query Language). São exemplos de SGBDs já consagrados: Firebird, MySQL, Oracle, MS SQL Server, PostgreSQL, entre outros.

FlameRobin

O FlameRobin é uma ferramenta que proporciona um ambiente totalmente visual voltado exclusivamente para a administração de servidores Firebird, mantendo suas bases de dados, bem como a manipulação de seus dados. Assim como o próprio Firebird, o FlameRobin possui dentre suas características principais o caráter gratuito, open-source e multiplataforma, podendo ser devidamente utilizado em ambientes Windows, Linux, FreeBSD, Solaris e MacOS X. Por ser de código aberto, essa lista poderá ser aumentada com o passar do tempo, de acordo com a necessidade da comunidade de seus utilizadores mais fiéis.

Seu principal autor é um desenvolvedor europeu chamado Milan Babuskov, que em meados 2003 deu início a um projeto próprio que visava a construção de uma ferramenta totalmente gráfica, leve e que rodasse em plataformas diversas, voltada à administração de bancos Firebird. Neste trajeto, Milan utilizou-se de ferramentas e bibliotecas open-source, inclusive mantendo o produto final desta mesma forma, ao mesmo tempo em que nomeava o então projeto como FlameRobin. Nome este, aliás, que assim como sua inspiração (o Firebird – pássaro de fogo), também faz referência a um pássaro, o Flame Robin, uma ave nativa da Austrália.

"

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?