Guia Mapas no Android

Google Maps Android API e Location Service API

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (5)  (0)

Este artigo apresenta a criação de uma aplicação LBS, usando as APIs mais modernas oferecidas pelo ambiente de desenvolvimento Android.

Fique por dentro
A construção de aplicativos Android que contenham mapas e/ou que sejam sensíveis a localização aumentou consideravelmente nos últimos anos. Sua importância para o sucesso de uma ideia também evoluiu. Talvez por esse motivo a IDE (Integrated Development Environment) Android Studio ofereça várias melhorias que tornam o processo de construção de uma aplicação LBS (Location Based System) simplificado em relação ao Android ADT (Android Developer Tools). Além disso, a própria API sofreu algumas modificações ao longo do tempo, tornando processos assíncronos e fornecendo uma economia na chamada de métodos para realizar as mesmas tarefas de outrora. O objetivo deste artigo é deixar o leitor ciente das novas features da API e também apto a trabalhar com aplicações LBS no Android Studio.

O uso de mapas nas aplicações Android sempre forneceu um aspecto mais profissional ao produto final. Isso se deve em parte à qualidade da própria aplicação Google Maps e de sua imensa adoção entre usuários de todas as plataformas. Também podemos atribuir isso à qualidade que uma informação de localização tem em aplicações LBS. Mostrar um endereço em um campo de texto, como um TextView, e mostrar o mesmo endereço como um POI (Point Of Interest) em um mapa é uma diferença gritante de qualidade da informação.

Porém, apesar de seu imenso apelo, o processo de desenvolvimento de uma aplicação LBS não era tão simples quando existia somente a IDE Eclipse e seu plugin ADT. Talvez o leitor não tenha passado por essa fase, mas para gerar as keystores (ler BOX 1) necessárias era preciso abrir o terminal de comandos (MS-DOS no Windows ou Shell Linux/Mac) e digitar uma extensa linha de comando.

BOX 1. Keystores
Toda aplicação Android precisa ser digitalmente assinada antes de poder ser executada em um smartphone. Para isso, o ambiente de desenvolvimento usa uma keystore para gerar a versão final da aplicação. Esse arquivo é o apk (application package).

Depois, a necessidade de criar um projeto no Google Developer Console também não ajudou muito, isso porque era necessário sair da IDE, abrir o browser, lembrar de cabeça o site ou realizar uma busca rápida no Google e, finalmente, seguir um processo como receita de bolo para conseguir gerar as chaves necessárias ao projeto no lado do Android.

No Android Studio não é preciso usar o console para gerar a keystore e o passo a passo realizado no browser foi simplificado. Além dessa mudança drástica e benéfica no processo de criação de uma aplicação LBS, houve a evolução natural das APIs, tanto no caso do Maps quanto no caso da Location Service API. Essa última permite que não só um mapa seja mostrado ao usuário, mas também que seja possível ler sua última posição geográfica e acompanhar possíveis deslocamentos. Isso sem falar na quantidade imensa de outras features disponíveis aos desenvolvedores.

Sendo assim, o objetivo primordial deste artigo é a criação de uma aplicação LBS inteira, usando as APIs mais modernas oferecidas pelo ambiente de desenvolvimento Android. Além disso, será usada a IDE Android Studio e as ferramentas disponíveis para esse tipo de aplicação.

Criando uma aplicação com mapa

Talvez um dos melhores benefícios para nós programadores seja a facilidade que o Android Studio trouxe para criação de aplicativos que fazem uso da Google Maps for Android. Existem duas maneiras de cria-los. O primeiro passo em ambas as maneiras é ir no menu File -> New -> New Project.

Depois da primeira tela do assistente, onde são definidos os valores para o nome do projeto, company domain e localização do projeto, o usuário escolherá as plataformas e exigências relacionadas ao SDK. Escolherá, por exemplo, se uma aplicação rodará ou não em uma TV, em um dispositivo wear ou em outras plataformas.

Depois desse processo, o assistente apresentado ao usuário permite adicionar uma Activity à aplicação. A IDE Android Studio já fornece alguns templates prontos para q" [...]

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Ficou com alguma dúvida?