Migrando de testes tradicionais para testes ágeis - Revista Engenharia de Software Magazine 48

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (2)  (0)

Discutir as metodologias tradicionais e ágeis de testes de software, apresentando ganhos, desafios e pontos importantes de cada uma delas, assim como um breve comparativo entre as características das duas abordagens.

Do que se trata o artigo:

Discutir as metodologias tradicionais e ágeis de testes de software, apresentando ganhos, desafios e pontos importantes de cada uma delas, assim como um breve comparativo entre as características das duas abordagens.

Em que situação o tema útil:

Nos projetos de desenvolvimento de software que adotam alguma metodologia de teste e que pretendem adotar testes ágeis em seus projetos, buscando maior ganho de produtividade e melhoria contínua do processo.

Resumo DevMan:

Este artigo tem como propósito apresentar uma visão geral sobre testes tradicionais e ágeis. Através das práticas ágeis é possível produzir softwares com maior qualidade, uma vez que se tem o cliente atuando de forma mais efetiva e/ou colaborativa no processo de desenvolvimento.

A qualidade do software tornou-se o fator mais importante para determinar o sucesso de produtos ou empresas, e uma das maneiras de alcançar este objetivo é avaliar e testar sistematicamente o software desenvolvido [1]. Além disso, muitas empresas de desenvolvimento de software estão se esforçando para se tornar mais ágeis, visto que times ágeis bem-sucedidos podem ser capazes de produzir software de alta qualidade, que melhor atende às necessidades do usuário mais rapidamente e a um custo inferior, se comparado aos times tradicionais [2].

Um software de qualidade desempenha funções relevantes que trazem benefícios e agregam valor ao contexto no qual ele é inserido. Para uma empresa (ou usuário), obter tal software pode ser decisivo para o sucesso de seu negócio. E as atividades de teste de software são indispensáveis para alcançar este objetivo.

As metodologias ágeis, como XP (Extreme Programming) e SCRUM, são cada vez mais adotadas pelas empresas de desenvolvimento de software, pois permitem obter resultados mais cedo, isto é, são capazes de agregar valor ao cliente desde a primeira iteração. Essas práticas tendem a valorizar a equipe e a interação constante entre os seus membros, a colaboração com os clientes, o conhecimento do negócio do software em desenvolvimento e a capacidade de resposta a mudanças.

No entanto, o que ainda não está claramente definido é como as atividades de teste devem se encaixar neste contexto, isto é, como praticar efetivamente testes ágeis. A literatura [3] diz que se tornar ágil exige quebra de paradigmas, mudança de cultura, dinamismo da equipe, conhecimento técnico, entre outros fatores que viabilizam a aplicação.

Neste artigo, alguns dos principais pontos de transição entre as abordagens de testes tradicionais e testes ágeis serão relatados, com ênfase na comparação entre as duas práticas e as vantagens e desafios de se tornar um testador ágil. Por testes “tradicionais”, referimo-nos a testes caixa preta, mais especificamente funcional e de sistema, aplicados a projetos que seguem o modelo Cascata (ler Nota 1) ou “V” (ler "

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?