MySql Administrator Parte 6

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (1)  (0)

Dando continuidade ao item de menu Startup Variables.

 

Continuado com o item de menu Startup Variables:

 

Aba Replication: Esta aba está relacionada à configuração da replicação do MySql. A replicação tem uma séria de vantagens, dependendo da realidade de cada empresa. Dentre elas está disponibilidade, pois com a replicação funcionando corretamente em dois servidores e o principal cair, basta mudar o acesso para o outro servidor. Você pode usar a replicação para dividir a carga do servidor primário, basta criar duas conexões na aplicação, uma para servidor primário e outra para o servidor secundário, sendo que uma dela será usada para fazer alteração no banco e a outra fará apenas consultas, obviamente haverá um pequeno atraso nas consultas, mas isso vai depender da situação de cada aplicação. Vale ressaltar que a replicação é executada no servidor da replicação, explicando melhor é o servidor secundário quem lê as informações do servidor primário, fazendo com que a replicação seja bastante rápida.

Ela está dividida em sete seções.

 

General

 

Server Id: Server para informar a identificação do servidor através de um número que deve ser único para o ciclo de replicações, pois posso fazer replicação para vários servidores. Por exemplo tenho 4 servidores fazendo replicação entre si, então não posso ter duplicidade de identificação.

 

Máster

 

Show slave authentication Info: Quando esta opção está selecionada e  você emitir o comando SHOW SLAVE HOST no master, será apresentado no resultado o usuário e senha de replicação do master.

 

General Slave

 

Do not star slave automaticaly: Quando selecionado configura o slave para não startar automaticamente a replicação.

 

Slave timeout: Define o tempo em segundos de espera para o recebimento de dados entre master/slave antes da conexão ser abortada. O valor padrão é 3600 o que resulta em 1 hora, este valor deve ser alterado dependendo do volume de dados inseridos no banco.

 

Use compression: Define se será usado um protocolo de compressão entre o master e slave

 

Log Slave Update:  Esta opção informa que o será gravado um arquivo de loga para alterações  feitas no slave. Normalmente este log não é gravado porque o slave busca os dados do master através do log binário do master, para que esta opção tenha efeito o usuário deverá configurar no slave o log binário também.

 

Temporary Directory: Define on o slave deve armazenar os arquivos temporários usados por ele na replicação

Skip the following: Esta opção define que o slave deverá continuar a replicação mesmo que  que ocorra um erro na execução de uma Query.

Initial command: Com esta opção preenchida você pode definir um comando a ser executado assim que o slave se conecta ao master.

Initial replication: Permite configura uma regra para a replicação

 

 

Slave replication object

 

Replication these: Com esta opção você pode determinar um banco de dados específico a ser replicado pelo slave.

 

Replicate wild these: Esta opção permite especificar quais as tabelas que deverão ser replicadas pelo slave.

 

Ignore Dbs: Ao contrário da opção Replication these, esta opção ignora os bancos de dados especificados nela. Ou seja o slave não fará a replicação dos bancos de dados especificados nesta opção.

 

Ignore Tables: Ignora a tabela especificada nesta opção, ou seja o slave não faz a replicação da tabela especificada nesta opção.

 

Rewrite DB names: Atualiza os bancos de dados com nomes diferentes do original por exemplo: replicate-write-db=nome-db-maste->nome-db-slave

 

Slave Identification

 

Report Host: Especifica o nome do host ou IP a ser informado ao master durante o registro da máquina slave. Este nome aparecerá quando for emitido o comando SHOW SLAVE HOSTS.

 

Report User: Defineo usuário para a replicação, normalmente este usuário é criado com o privilégio repliacation slave, este usuário será apresentado ao emitir o comando SHOW SLAVE HOSTS.

 

Report password: Define a senha usada para a replicação, esta senha será apresentada ao emitir o comando SHOW SLAVE HOSTS.

 

Report port: Define a porta que será usada pelo slave para acessar o master.

 

 

Relay log

 

Relay log filename: Define o local e nome usado para o log de leitura.

 

Relay log index: Define o local e o nome usado para o arquivo que mantém atualizada a lista de relay log.

 

Relay log info: Define o local e o nome do arquivo que armazena a localização das threads SQL numa replicação.

 

Purge relay logs: Esta opção quando marcada apaga o relay log quando estes não são mais necessários.

 

Maximum size for all: Define o espaço máximo usado para os relay logs.

 

Maximum relay logs: Define a quantidade de relay log, quando a numeração do relay log atingir este valor a numeração retornará a 1, caso esteja definido com zero (padrão) este número só retornará a 1 quando o número exceder  o valor definido em max_binlog_size.

 

Esta é uma parte de como podemos configurar nossa replicação, no próximo artigo continuaremos com a replicação.

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?