DevMedia
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Este é um post disponível para assinantes MVP
Este post também está disponível para assinantes da .net Magazine DIGITAL
ou para quem possui Créditos DevMedia.

Clique aqui para saber como acessar este post

1) Torne-se um assinante MVP e por apenas R$ 59,90 por mês você terá acesso completo a todos os posts. Assinar MVP

2) Adquira Créditos: comprando R$ 180,00 em créditos esse post custará R$ 1,20. Comprar Créditos

post favorito     comentários

Padrões de Desenvolvimento: Seguindo boas práticas de programação

Neste artigo veremos sobre padrões C#, dicas para boas práticas de programação e documentação com GhostDoc.

[fechar]

Você não gostou da qualidade deste conteúdo?

(opcional) Você poderia comentar o que não lhe agradou?

Confirmo meu voto negativo

Esse artigo faz parte da revista .NET Magazine edição 56. Clique aqui para ler todos os artigos desta edição

 

 

Boas práticas

Padrões de desenvolvimento

Seguindo boas práticas de programação

 

 

Neste artigo veremos

·         Padrões C#;

·         Dicas para boas práticas de programação;

·         Documentação com GhostDoc.

Qual a finalidade

·         Escrever códigos de qualidade.

Quais situações utilizam esses recursos?

·         No desenvolvimento de qualquer programa .Net.

 

Resumo do DevMan

         Boas práticas de programação tem sido um assunto muito discutido, mas sempre é bom ressaltar ou relembrar algumas técnicas e dicas. É possível escrever códigos de qualidade apenas seguindo alguns padrões mais utilizados no desenvolvimento, como convenção de nomes, endentação e documentação.

 

Hoje aprender uma linguagem de programação não é uma tarefa tão complicada e em pouco tempo podemos desenvolver, por exemplo, um pequeno sistema de automação comercial sem muito conhecimento ou técnicas de programação. Porém isso pode se tornar uma aventura arriscada. Imagine que um dia outro desenvolvedor vá dar manutenção no seu sistema. Se gastaria muito tempo só para entender a lógica e formatação do seu código, uma vez que você não seguiu nenhum padrão ou boas práticas de programação. Fazer um programa funcionar pode não ser tão difícil, mas escrevê-lo de forma correta pode exigir um pouco mais de tempo. Esse artigo vai mostrar que é possível escrever códigos de qualidade seguindo algumas dicas.

 

Por que usar padrões e boas práticas

Para escrever um código confiável e de fácil manutenção devemos seguir alguns padrões e boas práticas de programação. Várias convenções de nomes e padrões nesse artigo foram extraídas do próprio guia da Microsoft. É claro que com o decorrer do tempo, adquirimos mais experiência, tornando o uso delas algo automático. Existem vários exemplos na própria Internet que nos ajudam a escrever bons códigos, cabendo a você desenvolvedor filtrar o que há de melhor e tentar segui-los.

 

Nota: Apesar de existirem milhares de padrões, podemos dizer que nenhum deles está errado. O importante é escolher e seguir um padrão de desenvolvimento.

 

Seguindo padrões na equipe

É muito comum numa grande equipe de desenvolvimento encontrar profissionais com os mesmos conhecimentos técnicos, como uma linguagem de programação, e cada um deles ter uma diferente forma de escrever códigos. Nesse caso é necessário convencer todos os integrantes da importância de se usar padrões para que a manutenção e o entendimento sejam realizados por qualquer integrante da equipe. Esse artigo pode ajudar a você criar seu próprio template para que o mesmo seja apresentado e discutido por todos. Cada um pode ter uma opinião diferente sobre cada tópico, mas no final todos devem chegar a um acordo onde TODOS seguirão exatamente os mesmos padrões.

Depois de iniciar o desenvolvimento do seu template, é ideal que sejam agendadas reuniões para revisão de código. Três tipos de revisão de código são recomendadas:

1.      Revisão de membro – outro membro da equipe revisa o código para assegurar que o mesmo está seguindo os padrões definidos. Esse nível de revisão pode incluir algum teste unitário. Todos os arquivos do projeto devem ser incluídos nessa revisão;

2.      Revisão de arquiteto – o arquiteto da equipe deve rever os módulos do projeto para assegurar que eles aderiram ao "

A exibição deste artigo foi interrompida

Este post está disponível para assinantes MVP.



É desenvolvedor de software há mais de dez anos e atualmente trabalha na empresa norte americana EPS-Custom Software, localizada em Houston/Texas. Foi responsável pelo primeiro sistema desenvolvido em .Net na empresa Porto Seguro- [...]

O que você achou deste post?
Publicidade
Serviços

Mais posts