Prepare-se para as certificações LPI - Revista Infra Magazine 6

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (1)  (0)

Este artigo explica como é e como funciona a certificação LPI com o intuito de motivar os profissionais de Linux que não sabem como são as provas e querem dar seu ponta pé inicial no mundo das certificações Linux.

Do que se trata o artigo:

Este artigo explica como é e como funciona a certificação LPI com o intuito de motivar os profissionais de Linux que não sabem como são as provas e querem dar seu ponta pé inicial no mundo das certificações Linux.

Em que situação o tema útil:

O conteúdo apresentado neste artigo fornecerá subsídios para os profissionais de Linux que estão planejando obter a certificação Linux LPI, que é independente de fornecedores e reconhecida mundialmente.

Resumo DevMan:

Este artigo procura esclarecer o leitor quanto às dúvidas em torno da certificação LPI, abordando desde seu histórico de evolução no Brasil, como são compostas e divididas as provas por nível, o local em que se pode realizá-las e também dicas para quem quer começar a estudar para as provas.

A certificação Linux mais procurada na atualidade é a criada pela LPI – Linux Professional Institute. A LPI é uma organização sem fins lucrativos, que possui sede na Califórnia e que foi constituída em 1999 pela comunidade Linux com a finalidade de desenvolver um programa de certificações GNU/Linux reconhecido mundialmente por empresas e profissionais de TI. Foi a primeira organização a defender e ajudar o uso profissional de Linux, do Open Source e do Free Software.

O grande diferencial da certificação LPI é que a mesma não foca exclusivamente em uma distribuição Linux, sendo independente de fabricantes e fornecedores de solução. É neutra, pois se baseia no padrão LSB – Linux Standard Base (Base Padrão do Linux), criado para diminuir os custos envolvidos com suporte em plataformas Linux. Para conseguir isso a ideia é diminuir as diferenças entre as distribuições Linux, pois se sabe que essas diferenças requerem suportes personalizados, necessitando de profissionais que saibam trabalhar nos diversos sistemas, o que encarece ainda mais o suporte.

Se a certificação LPI não é focada em uma distribuição Linux específica, quer dizer então que não são cobrados assuntos que podem variar de distribuição para distribuição como gerenciadores de pacote, localizações de arquivos em diretórios diferentes e alguns comandos específicos?

Pode sim, mas isso é a exceção, pois o foco principal são os conceitos e o entendimento das tecnologias envolvidas no Linux. No entanto fique atento, pois detalhes sobre gerenciadores de pacotes e arquivos de configurações de distribuições como Red Hat e Debian podem cair. Isso acontece pelo fato de essas distribuições serem pioneiras (matrizes que deram origem a outras) e bem estabelecidas no mercado. Entretanto, a maior parte do que é cobrado na certificação é realmente neutro, valendo para as diversas distribuições.

Para verificar os detalhes de cada distribuição que podem cair nas provas basta consultar o programa de certificação no site oficial da LPI (http://www.lpi.org).

Existem outras certificações Linux no mercado que são focadas em distribuições específicas, como, por exemplo, as certificações da Red Hat (Red Hat Certified Engineer ― RHCE, Red Hat Certified Architect – RHCA e Red Hat Certified System Administrator ― RHCSA) e as certificações da Novell (CLA – Certified Linux Administrator). A CompTIA, principal fornecedor de certificações em TI independentes de fornecedor nos Estados Unidos, também tem um programa de certificação voltado para o Linux, chamado CompTIA Linux+.

A Novell e a CompTIA atualmente são parceiras da LPI, aumentando ainda mais o valor da certificação. Atualmente a certificação LPI é tão importante que quem já tirou o primeiro nível já leva junto a certificação Novell Certified Linux Administrator (CLA) e também será considerado certificado CompTIA Linux+ powered by LPI.

Um pouco de história sobre a certificação LPI no Brasil

A aplicação das provas da certificação LPI no Brasil ocorreu graças ao esforço de pessoas influentes na comunidade Linux do Brasil. Os diretores da empresa 4Linux, especializada em consultoria e treinamento em softwares livres, Marcelo Marques e Rodolfo Gobbi, deram início à ONG LPI Brasil em 2003.

A primeira prova LPI foi aplicada no Brasil em 2002 com a vinda do John “Maddog” Hall [2], bastante conhecido da comunidade de software livre, à sede da 4Linux em São Paulo. Este foi um passo significativo para que o Brasil tivesse uma grande quantidade de profissionais certificados.

Hoje, a ONG LPI Brasil não existe mais, pois ocorreram mudanças organizacionais na LPI. A 4Linux, que foi pioneira na aplicação das provas no Brasil, se tornou uma afiliada LPI, e novos aplicadores (proctors) de provas foram capacitados e autorizados. A LPI no Brasil, este ano, comemora 10 anos de vida.

Provas

Cada prova da LPI tem 60 questões, e os assuntos são organizados por tópicos. Neste formato, cada tópico possui um peso, o que especifica a quantidade de questões a serem cobradas sobre um determinado assunto. Por exemplo, o tópico “Instalar um gerenciador de inicialização (boot)” da prova 101 possui peso 2, o que significa que terão duas questões sobre ele na prova. O respectivo peso de cada assunto pode ser encontrado no site oficial da LPI [4], dentro da seção de objetivos detalhados.

"

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?