DevMedia
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login

Processo de Interpretação e Compilação: Entendendo o java de uma forma diferente

Veja neste artigo onde iremos entender o processo de interpretar e compilar no Java!

[fechar]

Você não gostou da qualidade deste conteúdo?

(opcional) Você poderia comentar o que não lhe agradou?

Confirmo meu voto negativo

1. Implementando Alô Mundo

Ok, Java configurado, JDK também, agora é hora de pôr a mão na massa. No último artigo nós ficamos na execução do Alô Mundo, isso?

Para que possamos executar um algoritmo no Java (uma classe) é necessário que antes entendamos mais uns ‘conceitozinhos’ do Java (caramba não acaba nunca né? Hehe, guenta aí que tá quase lá!).

1.1. Interpretação e compilação

O Java tem dois processos de execução de código fonte. Traduzindo: para rodar algum código no Java precisamos seguir dois passos: a interpretação e a compilação.

Na verdade, nem precisamos fazer muito, já que o próprio Java faz quase tudo. Mas vamos aos números (ou imagens, ôO’):

- Compilação:

Analisemos a figura 1:

Compilando código java

Figura1: Compilando código java

Quando criamos uma classe Java e a salvamos com a extensão .java, é nada mais nada menos que código Java não inteligível pela JVM. Antes de pedir pra que sua máquina execute o código, este mesmo código precisa estar em linguagem de máquina (óia!!), portanto, compilado!

A JVM não consegue entender código Java, mas sim bytecodes. Ok, agora já tem outra linguagem é? Que nada, bora chamar a mãe de novo, Wikipediaaa:

“Bytecode é o resultado de um processo semelhante ao dos compiladores de código-fonte que não é imediatamente executável.”

Simplificando, é o código gerado quando você compila um arquivo .java (Figura 2).

Compilação Java

Figura 2: Compilação Java

Compilemos então... Siga os passos:

1. Lembra da classe AloMundo que criamos no artigo passado? Ok, então abra o bloco de notas e cole o código lá;

2. Salve o arquivo com o mesmo nome da classe (Lembre-se: é necessário que tenha o mesmo nome para que o Java consiga identificar);

3. Abra o cmd e entre na pasta que você salvou a classe. Ex.: Eu salvei minha classe numa pasta “alomundo” no Desktop do meu computador, logo vou proceder assim:

Entrando em pasta para compilar classe

Figura 3: Entrando em pasta para compilar classe

4. Para compilar um arquivo Java use o comando:

javac AloMundo.java

Que significa: ei javacompiler, compile esse arquivo pra mim!

5. Após isso, se sua classe Java não tiver nenhum erro, ele compilará tua classe e criará um novo arquivo ao lado da mesma: o AloMundo.class!! É esse cara que importa pro Java, pois é nele que está o bytecode!

- Interpretação: Interpretando algo...

Figura 4: Interpretando algo...

O Java também precisa varrer o teu código pra ver se está tudo ok e depois “traduzir” o teu código... “interpretar” o teu código... “fazer com que ele possa ser entendido pela máquina onde ele está sendo executado”: interpretá-lo!

Esse passo é bem simples, basta digitar na linha de comando o seguinte comando:

java AloMundo

Esse comando interpretará seu arquivo .class e executará o código no mesmo. A saída esperada será:

Alo Mundo!

2. Concluindo

Quer dizer que toda vez que eu quiser executar qualquer coisa no Java precisarei seguir esse “muído” todinho?

Bem, sim e não! Sim porque o Java precisa fazer este processo todo pra executar código, e não porque, como usaremos uma IDE (o Eclipse) vamos abstrair tudo isso, pois o mesmo faz tudo “por trás dos panos”...

Então, até o próximo!

Ah, e não se esqueça de conferir os dois primeiros artigos da série:



Diogo Souza trabalha como Analista de Sistemas Java na Indra Company e já trabalhou em empresas como Instituto Atlântico e Ebix L.A. É instrutor Android, palestrante em eventos sobre Java e o mundo mobile e consultor DevMedia. Con [...]

O que você achou deste post?
Conhece a assinatura MVP?
Publicidade
Serviços

Mais posts