Quick Tips: Medição de Software – Parte III

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (1)  (0)

Nesta terceira parte do artigo de Medição de Software irei continuar a explicação do processo de contagem de pontos de função.

Quick Tips: Medição de Software – Parte III

 

Nesta terceira parte do artigo de Medição de Software irei continuar a explicação do processo de contagem de pontos de função.

 

No artigo anterior analisamos o seguinte cenário: “O gerente possui um problema em seu controle de seu estoque. O mesmo precisa saber quantos produtos saíram e quantos produtos entraram no estoque. Os produtos que saem do estoque são vendidos pela loja online, que será controlada por outra aplicação. Após o término de um período de 30 dias o gerente precisa saber quais foram os produtos que tiveram mais saídas.” A partir deste levantamento descobrimos dois ALIs Material  e Entrada e Saída de Material somando um total de 14 PF.

 

Agora que sabemos quais são as informações que serão mantidas pela aplicação temos que medir quais são os dados que passarão pela fronteira da aplicação, ou seja, os dados que o usuário mandará para o sistema e os dados que o sistema mandará para o usuário. Geralmente para cada ALI teremos uma transmissão pela fronteira da aplicação, como se pode ver abaixo. Neste artigo estaremos vendo somente




Figura 01 – Fronteira da Aplicação

 

No exemplo que estamos trabalhando nestes artigos, vimos que será preciso criar uma tela de Cadastro de Material com os campos do ALI, como se pode vê na figura abaixo.



 Figura 02 – Cadastro de Materiais

 

O processo de transmissão de dados de fora para dentro da aplicação chama-se de Entrada Externa (EE), como no nosso exemplo a tela de Cadastro de Material. Para se descobrir o nível de complexidade e a pontuação de nossa EE é preciso saber os Tipos de Dados (Campo único, não repetido, reconhecido pelo usuário) e os Arquivos Referenciados (AR) que são os ALIs que o EE faz referência. Para contar um EE sempre se inicia com a quantidade de TD 2, 1 ponto referente à exibição mensagem e mais 1 referente ao Processo Elementar (PE), que é uma ação significativa para o usuário e deve-se constituir uma transação completa, como por exemplo, a ação de salvar um cadastro. Seguindo com o nosso exemplo, encontramos 1 AR e 7 TD, analisando a tabela abaixo logo descobrimos sua complexidade e pontuação: Complexidade Baixa, 3 PF.

 

 

Arquivos Referenciados

Tipos de Dados

 

<5

5-15

>15

<2

Baixa

Baixa

Média

2

Baixa

Média

Alta

>2

Média

Alta

Alta

 

 

EE – Baixa: 3 PFs   Média: 4 PFs  Alta: 6 PFs

 

 

 

 

 

 

 

 

Até agora nossa aplicação está com um total de 17 Pontos de Função, no próximo artigo estarei dando continuidade no nosso exemplo de medição por pontos de função, explicando sobre as Consultas Externas e Saídas Externas. Até o próximo!

 

Bruno Lage.

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?