Segurança em Redes IEEE 802.11 - Revista Infra Magazine 7

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (1)  (0)

Este artigo apresenta as principais questões relacionadas à segurança em redes IEEE 802.11. Primeiramente, serão apresentadas as redes IEEE 802.11 e os fatores que fazem delas inseguras.

Do que se trata o artigo:

Este artigo apresenta as principais questões relacionadas à segurança em redes IEEE 802.11. Primeiramente, serão apresentadas as redes IEEE 802.11 e os fatores que fazem delas inseguras. Então, serão apresentados o WEP e o WPA, que são arquiteturas de segurança desenvolvidas para as redes IEEE 802.11. Também serão apresentadas vulnerabilidades descobertas no WEP e no WPA1. Por fim, serão apresentadas outras ameaças à segurança das redes sem fio que não estão diretamente relacionadas com a exploração de vulnerabilidades do WEP e do WPA1 como war driving, negação de serviço, spoofing e APs mal configurados.


Em que situação o tema é útil:

As redes sem fio estão presentes em diversos lugares como aeroportos, cafés, residências, restaurantes, universidades e grandes corporações. A utilização de redes sem fio é atrativa, pois elas oferecem praticidade ao dispensar a instalação de cabos e permitir a mobilidade das estações cliente. Entretanto, estes benefícios das redes sem fio são acompanhados por riscos relacionados à segurança, já que os dados transmitidos nestas redes são propagados pelo ar e facilmente interceptados. Os usuários têm acessado as redes sem fio para utilizar diversas aplicações, incluindo aquelas que manipulam informações sensíveis como os aplicativos de Internet Banking. Portanto, conhecer e fazer bom uso das soluções de segurança disponíveis para as redes sem fio é necessário para que seja garantida a tranquilidade dos usuários ao acessar estes ambientes.

Resumo DevMan:

A adoção das redes sem fio tem apresentado uma forte expansão nos últimos anos. Pesquisas mostram que o tráfego de dados móvel deve crescer 18 vezes até 2016 e que 25% das residências do mundo possuem uma rede IEEE 802.11. Esta forte tendência de aumento de utilização das comunicações sem fio é acompanhada pela preocupação com a segurança da informação nestas redes. Este artigo mostra as diferentes soluções de segurança adotadas nas redes IEEE 802.11 e as vulnerabilidades presentes nestas soluções. Além disso, são apresentadas diversas formas de ataques que podem atingir as redes IEEE 802.11. O objetivo é mostrar que as redes IEEE 802.11 podem ser confiáveis do ponto de vista de segurança mantendo a praticidade que tem feito delas um grande sucesso de mercado.

As redes sem fio estão por toda parte. Cada vez mais as pessoas utilizam dispositivos móveis para navegar na Internet, trabalhar, realizar chamadas telefônicas e assistir vídeos. Segundo pesquisa realizada recentemente pela fabricante de equipamentos de telecomunicações Cisco, o tráfego global de dados móveis deve aumentar em 18 vezes entre 2011 e 2016, quando atingirá um total de 10,8 exabytes por mês. As redes sem fio são bastante utilizadas devido a sua facilidade de instalação, já que dispensam a instalação de cabeamento. Além disso, elas conferem maior independência ao usuário, que pode utilizar os serviços de comunicação em diferentes lugares com facilidade. Um dos principais atores desta nova realidade é o padrão IEEE 802.11.

O padrão IEEE 802.11 tem sido largamente utilizado para construção de redes sem fio. Pesquisa recente publicada na revista Network World aponta que 25% das residências do mundo têm uma rede IEEE 802.11. Segundo a Wi-Fi Alliance, um terço das residências americanas que possuem acesso à Internet tem uma rede IEEE 802.11. É comum encontrarmos hot spots IEEE 802.11 em ambientes variados como cafés, bares, restaurantes, hotéis e academias. Ambientes públicos também têm utilizado a tecnologia IEEE 802.11 para oferecer serviço de Internet aos seus frequentadores. A INFRAERO anunciou recentemente que os principais aeroportos brasileiros oferecerão acesso grátis à Internet aos passageiros por meio de redes sem fio IEEE 802.11. Na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, os banhistas podem acessar a Internet a partir de seus dispositivos móveis gratuitamente por meio de conexões IEEE 802.11. Cidades nos Estados Unidos, Europa e Brasil oferecem Internet grátis aos cidadãos por meio de redes IEEE 802.11.

A tendência é que as redes IEEE 802.11 continuem sendo o padrão de facto para redes locais sem fio por um longo tempo, já que a tecnologia continua evoluindo de forma a proporcionar taxas de transmissão cada vez mais altas. O IEEE já está trabalhando no novo padrão IEEE 802.11, que será denominado IEEE 802.11ac e promete oferecer taxas de transmissão superiores a 1 Gbps.

Mesmo com todos os benefícios provenientes da utilização das redes sem fio, há uma preocupação sempre presente quando tratamos da utilização desta tecnologia: a segurança. A propagação do sinal pelo ar torna as redes sem fio propensas à interceptação de dados. Além disso, as redes sem fio são utilizadas frequentemente por dispositivos móveis que não estão sob o controle das políticas de segurança e proteção determinadas pela administração da rede. Logo, eles podem atuar como vetores de transmissão de pragas virtuais como vírus e worms. No caso das redes IEEE 802.11, o uso massivo desta tecnologia a torna ainda mais atrativa para agentes maliciosos, que podem conseguir atingir grandes quantidades de usuários descobrindo apenas uma vulnerabilidade. Neste cenário, a aplicação de técnicas que garantam privacidade aos usuários e a integridade das informações é essencial.

As Redes IEEE 802.11

O grupo de trabalho responsável pelo padrão IEEE 802.11 foi criado em 1990. O objetivo da criação do grupo foi desenvolver protocolos de controle de acesso ao meio e especificações de camada física para redes locais sem fio. Os principais padrões publicados pelo grupo ao longo dos últimos 20 anos são os seguintes: 802.11a, 802.11b, 802.11g e 802.11n. Todos estes padrões constroem quadros com o mesmo formato e utilizam o mesmo protocolo de acesso ao meio, denominado CSMA/CA ("

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?