Servidor de backup: criação - Revista SQL Magazine 97

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (0)  (0)

Este artigo propõe a criação de um servidor centralizado para gerenciamento de backups de bancos de dados Oracle.

Do que se trata o artigo:

Este artigo propõe a criação de um servidor centralizado para gerenciamento de backups de bancos de dados Oracle. Este servidor será usado para gerenciar os arquivos de backup gerados

Este servidor utilizará scripts que são executados pelo RMAN (Recovery Manager), ferramenta principal de backup da Oracle. O objetivo deste servidor é facilitar a administração dos backups e aumentar a produtividade dos DBAs (Administradores de Banco de Dados) através da criação de scripts dinâmicos, códigos que serão escritos em Shell scripts e códigos internos do RMAN.


Em que situação o tema é útil:

Em grandes ambientes corporativos, onde existem muitos sistemas e consequentemente muitos bancos de dados. Nestes ambientes, o gerenciamento de backups de bancos de dados é uma tarefa que consome bastante tempo e que precisa, constantemente, ser otimizada.

Resumo DevMan:

Para facilitar o gerenciamento de backups este artigo propõe a criação de um servidor de backup centralizado. Neste servidor haverá uma estrutura de diretórios com scripts que executarão os backups de forma dinâmica e automática.

Quando há muitos bancos de dados localizados em diversas máquinas e alterações sendo feitas frequentemente nesse ambiente, a administração das cópias de segurança torna-se trabalhosa.

A sugestão apresentada nesta matéria é utilizar uma máquina do ambiente para ter sua estrutura de discos e rede aproveitada para armazenar as cópias de segurança geradas pelo RMAN.

Os scripts serão criados, disparados e os arquivos do backup pelo RMAN serão guardados em um único servidor, o que facilita bastante a administração dos backups pelos DBAs.

Quando um DBA fica responsável pelas cópias de segurança de uma empresa há muitas variáveis que deve considerar, por exemplo, qual o sistema operacional da máquina, qual o nome do banco, localização dos arquivos, ferramentas de backup entre outras.

Gerenciar cópias de segurança demanda tempo, é preciso saber onde estão os arquivos que serão utilizados quando houver uma necessidade de recuperação. É preciso saber se durante a cópia de segurança houve erros de gravação, se será possível utilizar a cópia gerada, se o backup está consistente.

Para facilitar o gerenciamento, o profissional pode utilizar RMAN como ferramenta, configurar scripts para cada uma das máquinas e cada um dos bancos.

Em ambiente de micro e pequenas empresas, com poucos servidores e poucos bancos, o trabalho é menor, e uma necessidade de alteração não requer a manutenção em muitos scripts.

Porém, quando o gerenciamento é feito em ambientes muito heterogêneos a dificuldade de manutenção aumenta. A geração de scripts de forma dinâmica e automática para execução de backups contribui com a diminuição de tempo de gerenciamento e, conforme a prática do DBA, mais itens podem ser agregados aos scripts facilitando a manutenção das cópias de segurança.

A montagem do servidor de backup centralizado começa selecionando uma máquina onde serão armazenados os arquivos de backup, denominados peças de backup pelo RMAN. O RMAN divide o backup em várias peças; dependendo do tamanho e da quantidade de datafiles (arquivos de dados) dos bancos, o backup poderá ter uma ou várias peças. O RMAN faz a divisão em peças para evitar que todos os arquivos de um banco fiquem em apenas um arquivo de backup, tornando-o imenso e difícil de ser gerenciado para cópias em mídias de tamanhos limitados. Por exemplo, facilmente o volume de dados de uma empresa pode gerar cópias de segurança de 10GB. Caso essa empresa use DVD para armazenar os dados, uma peça de backup de 10GB inviabiliza a cópia para esse tipo de mídia. Porém, se forem criadas peças de backup de 4GB, a cópia poderá ser distribuída em três mídias do tipo DVD.

Para que o usuário Oracle consiga acessar todas as máquinas alvo, sem a necessidade de senha, estando logado no servidor, precisará de um usuário Oracle criado e adicionado ao grupo oinstall. O usuário Oracle, adicionado ao grupo Oinstall, faz-se necessário pois os comandos do Oracle são executados com essas configurações de usuário.

Com a criação do usuário, será possível estabelecer o que se chama de relação de confiança entre as máquinas com um determinado usuário. Essa relação é necessária, pois tanto as máquinas alvos precisam ter acesso às pastas onde as cópias de segurança serão guardadas no servidor como o servidor precisará enviar e executar comandos remotamente nas máquinas alvo. Daí a necessidade da criação de relação de confiança.

Isso é necessário em casos nos quais o DBA queira/precise deixar os backups nas próprias máquinas onde serão executados e, posteriormente, efetuar a cópia dos arquivos para o servidor. Armazenar os backups no alvo é recomendado em ambientes em que a rede é lenta e normalmente congestionada, pois o tráfego das peças de backup poderá piorar ainda mais a situação da mesma.

Depois de montar a estrutura de servidor e alvos, inicia-se a confecção dos scripts de backup. Essa é a parte mais trabalhosa, porém precisará ser feita apenas uma vez. Ao criar os scripts, atente-se para adaptá-los para a sua estrutura de diretórios de cada banco de dados alvo conforme cada ambiente.

Dessa forma, este artigo propõe a criação de um servidor centralizado para gerenciamento de backups de bancos de dados Oracle. Este servidor será usado para gerenciar os arquivos de backup gerados. Os scripts foram criados e testados em ambiente Linux, alguns ajustes podem fazê-los funcionar em Windows, mas não serão citados.

"

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?