Spring em Seam, Parte 2: Quando há colisão entre stateless e stateful – Etapa 01

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (0)  (0)

Neste artigo, veremos como esses componentes podem trazer os pontos fortes de um framework para o outro.

Spring em Seam, Parte 2: Quando há colisão entre stateless e stateful – Etapa 01

Adicione um comportamento stateful em seu bean Spring

 

Dan Allen

É um consultor de software independente, autor e defensor de software livre. Graduado em Ciências e Engenharia de Materiais pela Universidade de Cornell em 2000. Ele descobriu a combinação de Linux e a plataforma Java EE para ser o alicerce para construir sua carreira profissional. Dan é autor do livro Seam in Action, publicado pela Manning Publications, é também membro do comitê do projeto Seam, um participante ativo na comunidade do Seam e um Java blogger.

 

LEAD: BOX

De que se trata o artigo:

Da integração entre dois frameworks de desenvolvimento de Java para aplicações Web: Seam e Spring. Ao longo do artigo são descritas as características que dificultam a integração entre eles, mostrando ao final soluções para viabilizar a utilização combinada e a possibilidade de usufruiu dos benefícios de dois frameworks.

Para que serve:

Para profissionais que desejam entender como podem combinar mais de um framework de desenvolvimento de aplicações Java Web, identificando a características de cada framework que conflita com características de um segundo, e aprendendo como contornar tais problemas para se obter melhorias no desenvolvimento de aplicações usufruindo das vantagens dos frameworks e minimizando suas desvantagens.

Em que situação o tema é útil:

No desenvolvimento de aplicações Java Web, principalmente aquelas mais complexas e que requerem mais recursos durante o seu desenvolvimento.


Se você está usando múltiplos frameworks de desenvolvimento em uma mesma aplicação, você desejará que eles se completem. Por exemplo, é difícil adicionar comportamento stateful ao Spring beans – mas não quando você deixa esta tarefa ao JBoss Seam.

Muitos desenvolvedores acham que a escolha de um framework de desenvolvimento é uma decisão irrevogável. Se você escolhe um framework pelos seus pontos fortes, isso pode acontecer e você também assume suas deficiências. Mas em muitos casos você pode usar múltiplos frameworks em uma mesma aplicação para permitir que seus pontos fortes se complementem.

No primeiro artigo desta série, ("Spring em Seam, Parte 1: Construindo um Componente Híbrido Spring-Seam"), nós vimos alguns dos detalhes de como dois frameworks de desenvolvimento Java populares -- Spring e JBoss Seam – podem trabalhar juntos. Vimos ainda como construir um componente híbrido Spring-Seam que serve como uma ponte entre os dos frameworks. Neste artigo, veremos como esses componentes podem trazer os pontos fortes de um framework para o outro. Especificamente, veremos como o framework Seam pode adicionar o comportamento stateful aos beans Spring – algo que é ainda um desafio de se fazer com o Spring sozinho.
 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Ficou com alguma dúvida?