Teste nas nuvens - Revista Engenharia de Software Magazine 46

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (1)  (0)

Este artigo descreve como a evolução da computação em nuvem está mudando radicalmente a área de teste e qualidade de software.

De que se trata o artigo:

Este artigo descreve como a evolução da computação em nuvem está mudando radicalmente a área de teste e qualidade de software. Ao longo do artigo, discutimos como a nuvem tem sido usada como uma extensão do laboratório de testes pelos desenvolvedores e profissionais de qualidade de software, permitindo dessa forma, uma redução drástica de gastos com infraestrutura ociosa. Além disso, são apresentados os desafios enfrentados pelas organizações para garantir a qualidade das aplicações hospedadas na nuvem.

Em que situação o tema útil:

Este artigo destina-se a diretores de tecnologia, desenvolvedores e profissionais da área de teste e qualidade de software interessados em conhecer os conceitos básicos da computação em nuvem, assim como, os benefícios que uma organização obtém quando adota a nuvem como laboratório virtual de testes. Além disso, este tema é útil para quem estiver interessado em definir uma estratégia de testes para aplicações implantadas nas nuvens que assegure aspectos não-funcionais da qualidade, tais como: escalabilidade, compatibilidade, confiabilidade, eficiência, entre outros.

Resumo DevMan:

Este artigo descreve como a evolução da computação em nuvem está mudando radicalmente a área de teste e qualidade de software. Ao longo do artigo, discutimos como a nuvem tem sido usada como uma extensão do laboratório de testes pelos desenvolvedores e profissionais de qualidade de software, permitindo dessa forma, uma redução drástica de gastos com infraestrutura ociosa. Além disso, são apresentados os desafios enfrentados pelas organizações para garantir a qualidade das aplicações hospedadas na nuvem.

O termo computação em nuvem (Cloud Computing) surgiu em 2006 em uma palestra de Eric Schmidt, da Google, sobre como sua empresa gerenciava seus data centers (local onde são concentrados os computadores e sistemas responsáveis pelo processamento de dados de uma empresa ou organização).

Fundamentada em conceitos já estabelecidos, como a virtualização e o modelo pay-per-use (modelo de pagamento baseado no uso, semelhante aos serviços de telefonia e energia elétrica), a computação em nuvem está se tornando um paradigma chave da indústria de Tecnologia da Informação. Na computação em nuvem, a localização de toda a infra-estrutura computacional é deslocada para a Internet. Dessa forma, os dados, o hardware e as aplicações são fornecidos na forma de serviços baseados na Internet, reduzindo drasticamente os custos para o usuário final que faz uso só do que precisa e quando precisa.

Um recente relatório da consultoria Gartner elenca os cinco atributos que definem o modelo de computação em nuvem. Os cinco atributos definidos para a computação em nuvem são:

· Baseado em serviço: Na computação em nuvem os serviços podem ser considerados sob medida, uma vez que são designados para atender a necessidades específicas de um grupo de clientes. As tecnologias, por sua vez, são escolhidas para suprir a solução ou o serviço em vez do contrário – o serviço ser desenvolvido de acordo com a infraestrutura tecnológica disponível.

· Escalável e elástico: O serviço deve ter a capacidade de aumentar ou reduzir os recursos de acordo com a demanda do cliente.

· Compartilhado: A criação de grupos que compartilham serviços facilita a economia de escala. E os recursos de TI são usados com o máximo de eficiência. A infraestrutura, software ou plataformas passam a ser divididos entre vários usuários dos serviços. Isso permite fornecer um número infinito de recursos para atender as necessidades de múltiplos clientes, ao mesmo tempo.

· Medido por uso: Esse modelo de serviços possibilita criar métricas que permitam diferentes modelos de pagamento. O provedor pode cobrar pelo uso, por número de usuários, criar planos limitados, entre outros. Mas, em todos os casos, o pagamento vai ser feito pelo uso do serviço e não de acordo com o custo do equipamento.

"

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?