Testes Unitários - Revista easy .Net Magazine 22

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (1)  (0)

Este artigo trata de conceitos que estão relacionados direta ou indiretamente com testes unitários. Veremos a definição, como funcionam e como criar testes unitários para seus projetos.

De que se trata o artigo

Este artigo trata de conceitos que estão relacionados direta ou indiretamente com testes unitários. Veremos a definição, como funcionam e como criar testes unitários para seus projetos. Além disso, abordaremos os mitos comuns e mostraremos na prática como criar seus primeiros testes com o framework NUnit.

Em que situação o tema é útil

Este tema é útil na garantia da qualidade dos projetos de software. Com testes unitários bem definidos e implementados, você consegue identificar e corrigir erros em tempo de desenvolvimento, você aumenta a confiança da equipe e do cliente no projeto, consegue-se aumentar a produtividade da equipe, além de identificar quais os pontos de seu sistema que possuem maior risco de incidência de exceções, através da análise da cobertura dos testes.

Testes Unitários – Primeiros Passos

Neste artigo começaremos com a parte conceitual, explicando o que são testes unitários, onde podem ser aplicados, além de discutirmos alguns mitos que cercam este assunto, por exemplo, a questão da produtividade e custo de implementação de testes unitários. Vencida esta fase partiremos para um esclarecimento sobre as diferenças entre testes unitários e TDD. Daí então entraremos na parte mais prática com a criação de exemplos de testes unitários usando o NUnit.

De acordo com o Aurélio teste significa, dentre outras coisas, “Prova, verificação da eficiência ou bom funcionamento (de máquinas, materiais etc.)”.

Em toda indústria a questão dos testes é de suma importância para a qualidade final dos produtos desenvolvidos. Usemos a indústria automobilística como exemplo.

• O veículo passa por um “crash test” para avaliar o acionamento do air bag.

• O veículo passa por um teste de velocidade para avaliar o funcionamento dos componentes internos do motor.

• O veículo passa por um teste no túnel de vento para avaliar a desempenho aerodinâmico do mesmo.

Pois bem, a indústria de software, assim como as demais, possui diversas técnicas e metodologias empregadas para garantir a qualidade e o bom funcionamento do mesmo. Por exemplo, testes funcionais, testes de carga etc.

Enfim, existe uma infinidade de tipos e técnicas de testes de software, cada uma com o seu propósito. Alguns destes testes devem ser executados por “testes”, outros por usuários comuns e outros pelo próprio desenvolvedor, como é o caso do teste unitário, que veremos neste artigo.

Testes Unitários

O teste unitário é o teste de menor nível no desenvolvimento de software, ou seja, com ele testamos as menores estruturas que temos em nossos softwares, que são os métodos.

Sendo assim, quando estamos falando de testar unitariamente o software, estamos falando em criar métodos para testar os comportamentos de nosso sistema. Por exemplo, se temos um método somar, teríamos o método de testes “somarTest”.

Quando escrevemos um teste unitário para um método, desejamos garantir que o comportamento do mesmo seja exatamente como o esperado nas mais variadas possibilidades. A ideia é pegar os bugs logo que eles nasçam. Além disso, o teste unitário se torna um ativo do projeto, ou seja, pode ser reutilizado e executado diversas vezes sem onerar o seu tempo.

Testes unitários e TDD são coisas diferentes

Um equívoco muito comum que vejo as pessoas cometerem no início de seus estudos sobre testes unitários é a confusão com TDD. No início muita gente acha que escrevendo testes unitários está desenvolvendo orientado a testes.

TDD é mais do que uma técnica, é um processo de desenvolvimento onde todo código novo da aplicação é escrito a partir de um teste falho, ou seja, você primeiro escreve um teste sem que exista o recurso, este teste obviamente falhará, somente então você escreve a implementação do recurso.

Este processo possui três passos simples, conhecidos como Red, Green, Refactor, onde:

• Red: você escreve o teste sem existir o código. Logo ele falhará.

• Green: implementa a solução, escrevendo o código necessário para que o teste passe.

• Refactor: refatora a solução dada no item dois, de acordo com as boas práticas de programação.

Nota do Devman

Refatoração é uma boa prática de desenvolvimento que consiste em uma série de técnicas para melhorar a qualidade e legibilidade do código sem afetar o comportamento conhecido do sistema.

Pois bem, é preciso entender que testes unitários e TDD estão intimamente relacionados, porém são coisas bem diferentes. O fato de você usar testes unitários não significa que você use TDD.

Uma das diferenças chaves, é a ótica do tempo em que são realizados os testes. Se você implementa seu código e depois cria seus testes, você simplesmente usa testes unitários. Agora, a partir do momento em que você começa a escrever seus testes antes mesmos de implementar a solução que eles testarão, aí você está mais próximo do TDD.

Porém, o ponto fundamental é a motivação das duas técnicas. Enquanto testes unitários têm como objetivo principal garantir que cada parte do sistema tenha exatamente o comportamento esperado, o TDD tem como motivação principal o design do código. Um dos grandes benefícios do uso do TDD é o design da solução. Quando se pensa na ótica do consumidor do código antes mesmo do código existir, você se obriga a pensar e avaliar as melhores e mais simples formas de implementação da solução, o que traz um grande benefício para o design da solução.

Nota do Devman

Quando nos referimos a design da solução, não estamos nos referindo à parte estética, mas sim na parte arquitetural, na forma como os elementos do projeto, os objetos, se comportam e colaboram entre si.

Mitos dos testes unitários

Assim como diversas outras técnicas, os testes unitários são alvos de críticas que na verdade não passam de mitos. Alguns destes mitos são:

Implementar testes unitários é muito caro: Esta opinião normalmente vem de quem pensa que será necessário ter uma equipe de desenvolvedores de testes unitários, que farão praticamente outro projeto só de testes ou da visão de que precisa-se de ferramentas muito caras para fazer este tipo de testes e que automatizar os mesmos custa uma fortuna. Na prática não é isso que acontece quem escreve os testes unitários são os próprios desenvolvedores que desenvolvem a solução e existem diversas frameworks free e open-source para a criação e automatização de testes unitários.

"

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?