Trabalhando com replicação de dados - Revista SQL Magazine 95

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (4)  (0)

Este artigo descreve as principais tarefas a serem seguidas na implementação de projetos de replicação de dados, além de elenca as características e os pontos de atenção para evitar falhas no início e no decorrer do projeto.

Atenção: esse artigo tem um vídeo complementar. Clique e assista!

De que se trata o artigo:

Este artigo descreve as principais tarefas a serem seguidas na implementação de projetos de replicação de dados. Elenca as características e os pontos de atenção para evitar falhas no início e no decorrer do projeto, que por várias vezes pode nos apanhar de surpresa por não despendermos o tempo necessário ou darmos a devida atenção a essa análise. Também nesta linha, o artigo descreve a importância da documentação de ambientes de banco de dados bem como alguns exemplos das informações que são realmente interessantes para se documentar.

Em que situação o tema útil:

Este artigo pode ser útil na implementação de um projeto de replicação de dados uma vez que traz uma série de informações pertinentes a esse tipo de projeto. Também é útil como um checklist para garantir que os principais pontos do projeto estão sendo elencados e analisados.

Resumo DevMan

São descritas neste artigo as principais formas de replicação de dados bem como algumas ferramentas das principais tecnologias de mercado como: Oracle e SQL Server.

Cresce cada vez mais dentro das organizações a necessidade de garantir a alta disponibilidade das informações. Como a base de dados de qualquer empresa é seu bem mais precioso, é necessário garantir a alta disponibilidade, a performance no acesso aos dados e também a segurança dessas informações.

Podemos dizer que uma boa política de backup é suficiente para garantir a segurança dos dados em caso de desastre ou qualquer falha que possa ocorrer com as bases de dados, mas no mundo de hoje, competitivo e em desenvolvimento constante, só isso não basta, é preciso que os dados estejam disponíveis 100% do tempo.

As empresas precisam cada vez mais garantir a continuidade do negócio. Por mais que ocorra qualquer falha de sistema, as empresas não estão mais toleráveis a espera da restauração de uma base de dados ou de um sistema. Para uma empresa, um sistema parado é sinônimo de prejuízo. Imagine o Call Center de uma grande empresa com seu sistema parado por uma hora, onde são efetuadas milhares de vendas. Isso seria desastroso e com certeza significaria um prejuízo considerável.

Por esta e várias outras razões, para a grande maioria, não é aceitável tempo de espera para recuperação de falhas. Neste contexto, vamos entender como a Replicação de Dados pode nos ajudar a garantir a alta disponibilidade dos ambientes de bases de dados, a performance na manipulação e recuperação destes dados e também na segurança. Também vamos entender a importância de se manter uma documentação sobre os ambientes de Banco de Dados atualizada e com uma gama de informações importantes para ajudar na implantação de projetos de Replicação de Dados.

Replicação de Dados

A Replicação de Dados nos permite configurar e/ou desenvolver a distribuição de dados entre ambientes homogêneos ou heterogêneos, ou seja, nos permite distribuir informações a partir de uma base de dados em um servidor de origem, para uma ou várias bases de dados em outros servidores de destino. As instâncias e suas bases de dados, nos servidores de origem e destino, podem estar executando sobre SGBDs (Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados) distintos, isso não é um limitador para que seja desenvolvida e configurada a Replicação de Dados. Podemos por exemplo: ter no servidor de origem, uma instância do SQL Server sendo executada e no servidor de destino, para onde serão replicados os dados, uma instância Oracle.

Na replicação temos controle absoluto de como e quando ela ocorrerá, uma vez que tudo isso é definido na sua implementação e configuração. Mas a replicação não nos permite simplesmente distribuir os dados, também podemos, em um estágio da replicação, configurar a transformação destes dados para em seguida distribuí-los entre os servidores de destino, por exemplo: uma empresa possui dois sistemas distintos e um deles está substituindo o outro, entretanto, os dois precisam permanecer no ar até que o sistema legado seja completamente desativado. Esses sistemas possuem bases de dados diferentes e a forma de armazenamento dos dados também são diferentes. Então, podemos configurar a replicação de dados com um nível de transformação destes dados antes de serem distribuídos para a base de dados do novo sistema. Por esta razão os sistemas de replicação de dados também são utilizados em larga escala como recurso de ETL - Extract Transform Load(Extração Transformação Carga), considerada uma das fases mais críticas em projetos de Data Warehouse.

Podemos projetar a replicação de dados de forma a atender as necessidades de uma ampla variedade de ambientes. A arquitetura da Replicação de Dados é dividida em uma série de análises, configurações, procedimentos e componentes distintos. Cada nível pode ser personalizado de forma a atender uma situação particular da replicação. A partir de agora discutiremos alguns itens da arquitetura da replicação.

Componentes de Replicação

São os componentes envolvidos em todo contexto, tais como: Estrutura de Rede, Links, Servidores e Bancos de Dados utilizados na replicação, tanto do lado da origem como do lado de destino dos dados. Antes de iniciar o projeto de replicação, é preciso conhecer os principais componentes deste processo, como eles interagem, quais são esses componentes, seus dados, etc. Em seguida vamos descrever os principais componentes de replicação.

"

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?