DevMedia
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Este é um post disponível para assinantes MVP
###
.net Magazine 85 - Índice

Windows Azure - Artigo .net Magazine 85

Desvendar o Windows Azure cobrindo suas principais funcionalidades, conceitos e práticas. Neste artigo entenderemos o que é e como funciona a plataforma para cloud computing da Microsoft.

[fechar]

Você não gostou da qualidade deste conteúdo?

(opcional) Você poderia comentar o que não lhe agradou?

Confirmo meu voto negativo
Windows Azure
Fundamentos da plataforma de Cloud Computing da Microsoft

 


Cloud computing, ou computação na nuvem, é algo que está bastante em voga. Pode-se até dizer que o termo está na moda, são as “buzz words” do momento. O ponto é que isto não está acontecendo simplesmente por se ter agora tecnologias novas. O grande ponto com relação à cloud computing é que as tecnologias de agora permitem resolver problemas que existem há tempos: prover alta disponibilidade, escalabilidade, processamento intensivo intermitente, paralelo e em background.
Algumas empresas começaram a fornecer serviços e soluções em cloud computing. Dentre estas empresas destacam-se, por seu tamanho e notoriedade de mercado, Amazon e Google. A Microsoft começa a se posicionar com relação a serviços e estratégias de cloud computing no final do ano de 2008 quando anuncia o Windows Azure. Em fevereiro de 2010 o serviço torna-se então disponível comercialmente.
O Windows Azure é uma plataforma que fornece amplos serviços com relação à cloud computing. Serviços de processamento, web, armazenamento, banco de dados, distribuição de conteúdo e todas as características de sua infraestrutura e funcionamento fazem do Windows Azure uma escolha bastante segura no que diz respeito a plataformas cloud no mundo Microsoft.
Quando se fala de computação na nuvem muitas vezes o tema assusta a maioria dos desenvolvedores. São tecnologias novas, conceitos novos e uma gama de recursos novos para conhecer, estudar, compreender e aplicar. No entanto este não é um tema para causar espanto em nenhum de nós. Observando e experimentando o Windows Azure veremos que a computação na nuvem pode ser tão simples quanto qualquer outra forma de desenvolvimento.
Sem limitações de hardware
Como foi dito, a computação em nuvem está em alta. É com certeza um dos tópicos mais mencionados atualmente quando se fala em tecnologia. Isso, no entanto, não acontece simplesmente porque a oferta destes serviços surge agora como uma novidade. O ponto mais importante com relação à cloud computing hoje é que finalmente existem soluções acessíveis e viáveis para problemas que ocorrem há tempos.
Até que estas ofertas de cloud começassem a surgir de forma viável (em termos financeiros) sempre houve limitações de hardware no desenvolvimento de software. Muitas vezes estas limitações se apresentavam na quantidade de máquinas disponíveis. Outras vezes na complexidade do gerenciamento de um determinado ambiente a ser estruturado para o sistema. Com o advento da nuvem estas barreiras passam a não mais existir, é possível que as empresas e os desenvolvedores passem a se preocupar apenas com suas aplicações e não mais com a complexidade de lidar com a infraestrutura necessária para executá-las e mantê-las. Isso abre um leque infinito de possibilidades principalmente pelo fato de que virtualmente não existem limitações de hardware.
Se há alguns anos era completamente impossível imaginar uma alocação de 100 ou 1000 servidores para uma única aplicação hoje este mesmo número pode ser atingido com um simples mudar de configurações. Ao invés de você (sua empresa) ter de preocupar-se com a compra e gerenciamento desta enorme quantidade de máquinas, agora pode utilizá-las sem nenhum destes custos e/ou complexidades.
Outro ponto muito importante quando se fala deste tipo de necessidade é com relação ao desperdício de recursos. As aplicações não necessitam de 100% do hardware e poder de processamento disponível todo o tempo, isto quer dizer que no geral existe um enorme desperdício de hardware durante a vida da aplicação, e isso invariavelmente significa desperdício de dinheiro e recursos. As empresas não precisam mais dedicar enormes montantes financeiros para disposição de infraestrutura e pessoal capacitado e deixar isso ocioso em grande parte do tempo. Assim como não precisa esperar um longo período para aumentar sua infraestrutura quando for necessário.
O que é essa tal “Escalabilidade”?
Esta capacidade de ampliar o número de máquinas e o poder de processamento conforme a necessidade é que é chamada escalabilidade. Ou seja, aumentar o poder de processamento de maneira transparente para a aplicação e para a infraestrutura.
Na situação fora do contexto cloud (on-premise) quando é preciso aumentar o poder de processamento de uma aplicação, se troca o hardware de uma máquina por um hardware mais poderoso, seja adicionando mais memória, trocando o processador, ou coisas do tipo. Este tipo de escalabilidade é chamada escalabilidade vertical, pois se aumenta o poder da máquina de forma vertical, ou seja, alterando sua estrutura.
"

A exibição deste artigo foi interrompida

Este post está disponível para assinantes MVP.



Trabalha com desenvolvimento de software há cerca de 4 anos, especificamente com tecnologias Microsoft .NET. Aficcionado por arquitetura e boas práticas. Atualmente trabalha com desenvolvimento e arquitetura de aplicações SOA. Atu [...]

O que você achou deste post?
Publicidade
Serviços

Mais posts