Guia Hibernate

Hibernate Query Language - Do início ao fim

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (6)  (0)

Veja neste artigo como usar o HQL (Hibernate Query Language) e os detalhes do seu funcionamento. Mostramos também como testar suas HQLs no próprio Eclipse.

Neste artigo veremos como usar o HQL como recurso do Hibernate para melhorar a produtividade na construção de um projeto com uma grande quantidade de relacionamento complexos, nosso foco será demonstrar na prática como usar tal recurso.

Antes de começarmos devemos saber o que é o HQL, e partimos do princípio que você conhece o Framework de Persistência chamado Hibernate, pois ele é essencial para o entendimento do HQL.

HQL é um acrônimo para Hibernate Query Language e é utilizado para facilitar a construção de queries usando os mapeamentos que o próprio Hibernate gerencia. Acontece que algumas queries, dada a quantidade de relacionamentos envolvidos, poderiam gerar SQL's enormes se comparados ao HQL que pode ser muito menor. Imagine, por exemplo, um relacionamento entre 10 classes para gerar um relatório, a construção de um SQL dessa dimensão poderia demorar horas ou quem sabe dias, e com HQL nós temos a facilidade de “comprimir” essa tempo ao máximo, mas isso teu sem custos e veremos mais a diante quais são.

Diferença do SQL, o HQL é totalmente orientado a objetos, isso significa que ele “entende” as técnicas envolvidas nesse paradigma, como por exemplo: herança, polimorfirmos, associações e etc.

Vamos começar nosso artigo apresentando alguns exemplos básicos retirados da própria documentação oficial e depois iremos aos exemplos mais reais e complexos. Observe a Listagem 1.

Listagem 1. HQL Básico

  SELECT c FROM Cat c

O que temos acima é o retorno de todas as instâncias do objeto Cat. Em SQL ficaria como o código presente na Listagem 2.

Listagem 2. SQL da Listagem 1

  SELECT c.* FROM tabela_cat c

Só foi possível gerar o SQL da Listagem 2, pois nosso mapeamento da classe Cat está como o código presente na Listagem 3.

Listagem 3. Classe Cat mapeada via anotação

  @Entity
  @Table(name = "tabela_cat")
  public class Cat {
   
  }

Perceba que o Hibernate foi até a classe Cat, procurou o nome da tabela relacionada a classe Cat e construiu o SQL a partir do HQL que nós montamos na Listagem 1. Em tese, sendo bem generalista, é isso que o Hibernate faz. Vai até o mapeamento da sua classe e busca nome das colunas e tabelas afim de construir o SQL apropriado, em outra palavras, se seu mapeamento está errado então inevitavelmente a construção do SQL também será feita da forma errada, não porque o Hibernate fez errado mas sim porque você mapeou errado.

Obviamente que o exemplo acima é bem básico e a diferença do SQL para o HQL é mínima mas tem suas vantagens, que veremos mais a frente.

HQL e seus recursos

Listagem 4. Associações e Uniões

  Select cat from Cat as cat
      inner join cat.mate as mate
      left outer join cat.kittens as kitten
  WHERE mate.age = '30' AND kitten.age > '10'

Na Listagem 4 temos um exemplo que envolve o relacionamento entre três classes: Cat, Mate e Kitten. A Classe Cat tem um Mate associado a ela e pode ter vários “Kitten”. Estamos buscando todos os objetos Cat quem possuem um Mate com a propriedade age igual a 30 e os Kitten tem a propriedade age maior que 10.

Mas temos uma pequena observação a fazer sobre o HQL da Listagem 4. Você deve ter percebido que a classe Cat tem as propriedades “mate” e “kittens”, sendo que a primeira é do tipo Mate e a segunda é uma Lista de Kitten. Veja como fica na Listagem 5.

Listagem 5. Classe Cat

  @Entity
  @Table(name = "tabela_cat")
  public class Cat {
         private Mate mate;
         private List<Kitten> kittens;
   
         public Mate getMate() {
               return mate;
         }
   
         public void setMate(Mate mate) {
               this.mate = mate;
         }
   
         public List<Kitten> getKittens() {
               return kittens;
         }
   
         public void setKittens(List<Kitten> kittens) {
               this.kittens = kittens;
         }
   
  }

Desconsideramos os mapeamentos das propriedades, apenas para que você possa ver como nossa classe Cat está montada. Então na Listagem 4 retornamos uma lista de objetos Cat mas esses objetos não tem suas propriedades inicializadas (mate e kittens), ou seja, se você tentar executar o código da Listagem 6 após a query da Listagem 4, você receberá um LazyInitializationException.

Listagem 6. LazyInitializationException

  String meuHQL = “Select cat from Cat as cat
      inner join cat.mate as mate
      left outer join cat.kittens as kitten
  WHERE mate.age = '30' AND kitten.age > '10'”;
  Cat cat = findCat(meuHQL);
  cat.getMate(); //EXCEPTION
  cat.getKittens();//EXCEPTION

Nesse caso teríamos que buscar o Mate e atribuir ao Cat, depois buscar os Kitten's e atribuir também ao Cat, mas o HQL nos fornece um recurso muito interessante para evitar tanto stress: o fetch.

A palavra reservada fetch do HQL, força com o que o Hibernate inicialize as propriedades que possuem o fetch associado, ou seja, além de você realizar o JOIN, você ainda quer que esse objeto seja inicializado. Vejamos o código da Listagem 7.

Listagem 7. Usando fetch

  SELECT cat from Cat as cat
      inner join fetch cat.mate
      left join fetch cat.kittens child
      left join fetch child.kittens

Com a palavra reservada fetch após nosso JOIN (inner join, left join e etc) e antes do nome da propriedade, nós conseguimos incializá-la ignorando, por exemplo, o “fetch = LAZY “ que deve estar setado no mapeamento da Classe Cat.

Ficou complicado? Vamos explicar de forma mais simples e completa. Nossa classe Cat da Listagem 8 tem todos os mapeamentos necessários.

Listagem 8. Classe Cat completa

  @Entity
  @Table(name = "tabela_cat")
  public class Cat {
         
         @ManyToOne(fetch = javax.persistence.FetchType.LAZY)
      @JoinColumn(name = "id_mate")
         private Mate mate;
         
         @OneToMany(fetch = javax.persistence.FetchType.LAZY, cascade = { javax.persistence.CascadeType.ALL },
                      mappedBy = "cat", targetEntity = Kitten.class)
         private List<Kitten> kittens;
   
         public Mate getMate() {
               return mate;
         }
   
         public void setMate(Mate mate) {
               this.mate = mate;
         }
   
         public List<Kitten> getKittens() {
               return kittens;
         }
   
         public void setKittens(List<Kitten> kittens) {
               this.kittens = kittens;
         }
   
  }

Perceba que ambas as propriedades mate e kittens estão com o atributo “fetch = javax.persistence.FetchType.LAZY”. Isso significa que quando for executado qualquer HQL (que não possua o fetch) essas propriedades não estarão inicializadas por padrão, estratégia muito utilizada para aumento de performance na aplicação, pois nem sempre precisaremos chamar o “getKittens()” ou “getMate()” através do Cat e seria um desperdício carregar essas propriedades toda vez.

Podíamos também optar por mudar para “fetch = javax.persistence.FetchType.EAGER”, e essas propriedades sempre serão inicializadas, mas o problema disso é performático e como explicamos anteriormente quase nunca essa é uma boa prática.

Então a única opção e geralmente a melhor, é trazer essas propriedades carregadas através do HQL, mas se usarmos apenas o JOIN sem o fetch o Hibernate não carregará internamente. Vejamos o código da Listagem 9.

Listagem 9. Com Fetch e Sem Fetch

  /* SEM FETCH */
  String meuHQL = “Select cat from Cat as cat
      inner join cat.mate as mate
      left outer join cat.kittens as kitten
  WHERE mate.age = '30' AND kitten.age > '10'”;
  Cat cat = findCat(meuHQL);
   
  //Apresenta erro pois a propriedade mate não está inicializada
  cat.getMate();
  //Apresenta erro pois a propriedade kittens não está inicializada
  cat.getKittens();
   
  /* COM FETCH */
  String meuHQL = “Select cat from Cat as cat
      inner join fetch cat.mate as mate
      left outer join fetch cat.kittens as kitten
  WHERE mate.age = '30' AND kitten.age > '10'”;
  Cat cat = findCat(meuHQL);
   
  //O Fetch ignora o atributo 'fetch = LAZY' do mapeamento
  cat.getMate();
  cat.getKittens();

Se sua classe tiver muitas propriedades você pode optar por usar o fetch all properties que força o Hibernate a inicializar todas as propriedades de determinada classe. Veja como ficaria na classe Cat (Listagem 10).

Listagem 10. fetch all properties

  Select cat from Cat as cat
           fetch all properties

Assim como no SQL, existem diversos recursos que você pode usar no HQL, na verdade quase todos: like, limit, where, <, >, % e muitos outros que você verá ao longo deste artigo. Veja o uso do like na Listagem 11.

Listagem 11. Usando like no HQL

  Select cat from Cat as cat where cat.mate.name like '%s%'

Vale lembrar que o HQL retorna outros objetos que estão dentro da classe Cat, se necessário, e não apenas o Cat. Vejamos a Listagem 12.

Listagem 12. Retornando mate

  select mate
  from Cat as cat
      inner join cat.mate as mate

Perceba na Listagem 12 que estamos retornando o mate que está dentro do Cat, podemos também optar por outra forma, como a presente na Listagem 13.

Listagem 13. Retornando mate de forma compacta

  select cat.mate from Cat cat

Também não somos obrigados a retornar o objeto inteiro, podemos retornar apenas propriedades específicas, como vemos na Listagem 14.

Listagem 14. Retornando propriedades específicas

  select cat.name from DomesticCat cat
  where cat.name like 'fri%'

Retornamos acima apenas a propriedade “name” do objeto DomesticCat. Vamos mais além, o HQL nos fornece o poder de até instanciar classes para retorná-las. Vejamos a Listagem 15.

Listagem 15. Instanciando classes dentro do HQL

  select new Family(mother, mate, offspr)
  from DomesticCat as mother
      join mother.mate as mate
      left join mother.kittens as offspr

Dado que a classe Family tem um construtor que recebe os três parâmetros que passamos, então nós podemos retornar um objeto Family como mostrado na Listagem 15. Essa forma de construção é muito interessante quando precisamos criar relatórios complexos que contém campos mixados.

Podemos fazer uso dos recursos da linguagem Java juntamente com o HQL, então nesse caso podemos criar até um List dentro do HQL e retorná-lo, como o código da Listagem 16.

Listagem 16. Instanciando um List dentro do HQL

  select new list(mother, offspr, mate.name)
  from DomesticCat as mother
      inner join mother.mate as mate
      left outer join mother.kittens as offspr

Você já deve ter imaginado que podemos usar outras classes como Map, que é muito útil para nomear nossos atributos e recuperá-los em qualquer parte do código. Vejamos a Listagem 17.

Listagem 17. Usando Map no HQL

  select new map( max(bodyWeight) as max, min(bodyWeight) as min, count(*) as n )
  from Cat cat

Temos então três propriedades nomeados com max, min e n respectivamente. Assim podemos chamá-las pelo seu alias dentro do código. Olhe na Listagem 18 como ficaria.

Listagem 18. Usando Map

  String hql = “select new map( max(bodyWeight) as max, min(bodyWeight) as min, count(*) as n )
  from Cat cat”;
  Map retorno = find(hql);
  System.out.println(retorno.get(“max”));
  System.out.println(retorno.get(“min”));
  System.out.println(retorno.get(“n”));

Agregando valores com HQL

O HQL também nos permite usar as funções avg, sum, max, count e min. Vejamos exemplos práticos do seu uso. Vamos começar pela Listagem 19.

Listagem 19. Usando funções de agregação

  select avg(cat.weight), sum(cat.weight), max(cat.weight), count(cat)
  from Cat cat

Como dissemos anteriormente, o HQL é muito parecido com o SQL e prova disso é o uso de operadores aritméticos (Listagem 20) e de concatenação (Listagem 21) idênticos ao SQL. Listagem 20. Operador de soma com sum

  select cat.weight + sum(kitten.weight)
  from Cat cat
      join cat.kittens kitten
  group by cat.id, cat.weight

Listagem 21. Concatenação

  select firstName||' '||initial||' '||upper(lastName) from Person

Temos também o count e o distinct idênticos ao SQL.

Listagem 22. Count e Distinct

  select distinct cat.name from Cat cat
   
  select count(distinct cat.name), count(cat) from Cat cat

Na Listagem 22 realizamos um distinct na propriedade “cat.name” que nos trará todos os objetos da classe Cat sem repetir a propriedade name, e também realizamos um count com distinct em cat.name e depois em cat.

Aprofundando-se na cláusula WHERE

Igualmente no SQL, a cláusula WHERE no HQL filtra a quantidade de registros retornados e pode ser utilizada de inúmeras formas que veremos na Listagem 23.

Listagem 23. Where com alias e sem alias

  --Com alias
  from Cat as cat where cat.name='Fritz'
   
  --Sem alias
  from Cat where name='Fritz'

Podemos usar o WHERE com a alias (cat) ou sem ela, dependendo de como montamos nosso HQL. Vejamos a Listagem 24.

Listagem 24. Where com comparação de datas

  select foo
  from Foo foo, Bar bar
  where foo.startDate = bar.date

Igualmente no SQL a comparação de datas é feita com um simples sinal de igualdade, e podemos também incrementar nosso HQL com a palavra reservada “is not null”, como vemos na Listagem 25.

Listagem 25. Is not null

  from Cat cat where cat.mate.name is not null

A grande diferença com o operador de igual do SQL e do HQL é que no HQL ele pode não apenas comparar propriedades, mas instâncias, ou seja comparar se dois objetos são iguais. Vejamos um exemplo na Listagem 26.

Listagem 26. Usando = para comparar objetos

  select cat, mate
  from Cat cat, Cat mate
  where cat.mate = mate

Atente para a Listagem 26 comparando o objeto cat.mate com outro mate. E como essa comparação é realizada ? Através do método “equals()” que deve estar implementado de forma correta na sua classe. Podemos além de comparar objetos (instâncias de classes), comparar as próprias classes, ou seja, checar se determinado resultado é da classe que esperamos, conforme mostra a Listagem 27.

Listagem 27. Comparando classes

  from AuditLog log, Payment payment
  where log.item.class = 'Payment' and log.item.id = payment.id

Comparamos na Listagem 27 se a classe do item que está dentro da classe AuditLog é da classe 'Payment'.

Usando Expressões no HQL

Esta poderosa linguagem é composta por diversos recursos extras, que tornam ainda mais poderosa a construção de uma query. Vejamos nessa seção esses recursos chamados de expressões.

De acordo com o Manual oficial temos as expressões permitidas em HQL listadas abaixo:

  • operadores matemáticos:+, -, *, /
  • operadores de comparação binários:=, >=, <=, <>, !=, like
  • operadores lógicos: and, or, not
  • Parênteses: ( )que indica o agrupamento
  • in,not in,between,is null,is not null,is empty,is not empty,member of and not member of
  • case "simples" ,case ... when ... then ... else ... end, and "searched" case,case when ... then ... else ... end
  • concatenação de string...||...ouconcat(...,...)
  • current_date(),current_time()ecurrent_timestamp()
  • second(...),minute(...),hour(...),day(...),month(...) e year(...)
  • qualquer função ou operador definidos pela EJB-QL 3.0:substring(), trim(), lower(), upper(), length(), locate(), abs(), sqrt(), bit_length(), mod()
  • coalesce() and nullif()
  • str() para converter valores numéricos ou temporais para uma string de leitura
  • cast(... as ...), onde o segundo argumento é o nome do tipo hibernate, eextract(... from …) se ANSI cast() eextract() é suportado pelo banco de dados adjacente
  • A função HQL index(), que se aplicam às referências de coleçôes associadas e indexadas
  • As funções HQL que retornam expressões de coleções de valores:size(), minelement(), maxelement(), minindex(), maxindex(), junto com o elemento especial,elements() e funções de índices que podem ser quantificadas usando some, all, exists, any, in.
  • Qualquer função escalar suportada pelo banco de dados como sign(),trunc(),rtrim() e sin()
  • Parâmetros posicionais ao estilo JDBC?
  • Parâmetros nomeados:name,:start_date e :x1
  • Literais SQL 'foo', 69, 6.66E+2, '1970-01-01 10:00:01.0'
  • Constantes Java final estático públicoex: Color.TABBY

Dada a listagem acima, vamos ver como utilizar algumas dessas expressões na prática.

Listagem 28. Between

  from DomesticCat cat where cat.name between 'A' and 'B'

Listagem 29. in

  from DomesticCat cat where cat.name in ( 'Foo', 'Bar', 'Baz' )

A expressão between (Listagem 28) filtra registros que estão entre o argumento A e o argumento B, enquanto a expressão in (Listagem 29) filtra aqueles que estão dentro da listagem, ou seja, que tem o nome igual a 'Foo', 'Bar' ou 'Baz'.

Listagem 30. size

  from Cat cat where size(cat.kittens)
  > 0

Na Listagem 30 filtramos todos os objetos Cat que tem pelo menos 1 Kitten, ou seja, que possui Kitten maior que zero. Muito útil para retornar Vendedores que possuem pelo menos um venda, ou aqueles que não venderam nada, como podemos ver na Listagem 31.

Listagem 31. size() com vendedores sem vendas

  from Vendedor vendedor where size(vendedor.vendas) = 0

Testando HQL no Eclipse

Após todas as seções acima você pode se perguntar onde testar tais queries? Normalmente apenas usando-as diretamente na aplicação para checar se está tudo como você precisa, mas mostraremos nessa seção que existe outra forma. Dentro do próprio IDE Eclipse você tem como testar suas HQL's antes de colocar as mesmas na sua aplicação, assim a produtividade aumenta e muito, sendo que determinadas queries só serão executadas em ocasiões muito específicas e seria difícil testar.

Primeiro você deve abrir a Perspectiva do Hibernate na sua IDE, igual a Figura 1.

 Perspectiva Hibernate

Figura 1. Perspectiva Hibernate

Depois você terá criar um arquivo de configuração a sua base de dados, lembrando que os mapeamentos já devem estar criados na sua aplicação, conforme a Figura 2.

 Arquivo de Configuração

Figura 2. Arquivo de Configuração

Você pode usar o botão direito do mouse para criar um novo arquivo ou editar o existente. Se tudo estiver corretamente configurado, quando você expandir a linha “Database” devem aparecer seus esquemas e tabelas.

Por fim, com tudo configurado, basta você clicar no ícone azul escrito “HQL” com uma lupa, e você verá uma console para digitação de comandos HQL, conforme a Figura 3.

 Console do HQL

Figura 3. Console do HQL

Perceba que fizemos um simples “SELECT ṕ.id FROM Pessoa p” que nos retornou a propriedade id de todos os objetos pessoas do banco de dados.

Prós e Contras

O HQL não tem apenas lados positivos mas também lados negativos, vejamos:

Prós

  1. Facilidade na criação de queries complexas com muitos relacionamentos;
  2. Aumento na produtividade do projeto devido o item 1;
  3. Independência do Banco de dados, pois você pode mudar o software SGBD sem interferir na aplicação, caso tudo esteja em HQL;
  4. Adaptado para trabalhar com conceitos de Orientação a Objetos;

Contras

  1. Perca de performance comparado ao SQL comum, pois é feita a construção do SQL a partir de todo mapeamento de classes;
  2. Pode tornar-se complexo se não o desenvolvedor não conhece muito bem como funcionam os mapeamentos de classes do Hibernate (OneToOne, OneToMany e ManyToOne);
  3. Dependência do framework Hibernate, o que deixa o projeto totalmente dependente de uma tecnologia;

Dado alguns pontos positivos e negativos, cabe a você analisar as situações em que se faz útil o uso do HQL. Visto que, os pontos negativos 2 e 3 podem não ser tão impactantes dependendo do caso, mas o ponto negativo 1 pode fazer diferença na geração de um relatório muito complexo.

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Suporte ao aluno - Deixe a sua dúvida.