Atenção: esse artigo tem um vídeo complementar. Clique e assista!

[lead]Do que trata o artigo

Este artigo demonstra alguns dos conceitos relacionados com a Orientação a Objetos, visando demonstrar e esclarecer os conceitos por detrás do .NET framework.

Para que serve

A Orientação a Objetos tem por principais objetivos: facilitar o reuso de código, evitar duplicações, proporcionar maior clareza no desenvolvimento do sistema, aumentar a compreensão do que está sendo feito e ainda possibilita extensão e adaptação do código sem grandes impactos e alterações.

Em que situação o tema é útil

Para se trabalhar utilizando o máximo do poder do .Net é preciso conhecer e entender Orientação a Objetos, obtendo assim todas as facilidades e produtividade deste incrível framework. Na atualidade praticamente todas as aplicações comerciais são construídas utilizando Orientação a Objetos, desta forma é imprescindível entender seus conceitos de forma prática.

Resumo do DevMan

Neste artigo veremos alguns dos conceitos da Orientação a Objetos de forma prática. Analisaremos uma aplicação construída sem utilizar OO e então transformaremos a mesma aplicação, utilizando conceitos de Classes, Métodos e Encapsulamento, entendendo como estes conceitos e práticas tão particulares da OO tornarão nossa aplicação mais extensível, coesa e simples. Ao final teremos transformado nosso código de maneira que possamos reutilizá-lo tanto em uma aplicação Windows como em uma aplicação WEB. [/lead]

Não iniciarei este artigo com um histórico das linguagens que trabalham com Orientação a Objetos. Definiremos de forma teórica alguns pontos da Orientação a Objetos e trabalharemos estes pontos de forma prática, visando compreender como eles realmente funcionam e são aplicados, entendendo seus reais benefícios.

Atualmente existem muitas linguagens que trabalham com Orientação a Objetos, e o .Net Framework funciona desta maneira com suas linguagens. Quando estamos utilizando C# estamos trabalhando com uma linguagem Orientada a Objetos e podemos tirar o máximo proveito de tudo que este paradigma de programação e desenvolvimento tem anos oferecer. No entanto apesar de uma linguagem ser Orientada a Objetos isso não significa que todo código criado utilizando esta linguagem seja um código realmente Orientado a Objetos.

[subtitulo]Definindo alguns conceitos da Orientação a Objetos [/subtitulo]

O paradigma da Orientação a Objetos define alguns pilares sobre os quais as linguagens devem atuar, e além disso, algumas características que estas linguagens devem possuir. Os conceitos com os quais trabalharemos neste artigo são:

• Classes;

• Objetos;

• Encapsulamento;

• Atributos/Propriedades;

• Métodos.

Além destes conceitos a Orientação a Objetos também define os seguintes, que não abordaremos aqui:

• Herança

• Polimorfismo

[subtitulo]Classes [/subtitulo]

O paradigma da orientação a objetos está intimamente ligado com o conceito de classes. As classes podem, a grosso modo, serem definidas como um molde para a criação de objetos. Uma classe contém a descrição das características de um objeto, ou seja, suas propriedades, como também contém o comportamento de um objeto, ou seja, seus métodos.

É comum encontrarmos a relação entre classes comparando-as com a definição de coisas que temos no mundo real, desta forma fazemos o desenvolvimento de nossas classes baseando-nos nos conceitos do mundo real que estão ligados ao sistema.

...
Quer ler esse conteúdo completo? Seja um assinante e descubra as vantagens.
  • 473 Cursos
  • 10K Artigos
  • 100 DevCasts
  • 30 Projetos
  • 80 Guias
Tenha acesso completo