Artigo Clube Delphi 91 - Introdução à POO

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (0)  (0)

Neste artigo veremos as principais características da programação orientada a objetos, como declarar procedimentos e funções chamadas de métodos, propriedades, construtores e destrutores.

Esse artigo faz parte da revista Clube Delphi Edição 91. Clique aqui para ler todos os artigos desta edição

. imagem_pdf.jpg

Easy Delphi

Introdução à POO

Primeiros passos para entender os principais conceitos de Programação Orientada a Objetos

 

POO – Programação Orientada a Objetos, ou em inglês Object Oriented Programming (OOP), é, sem dúvida, um paradigma entre programadores, analistas, arquitetos de software, etc. A POO vem sendo estudada em larga escala ao longo dos tempos, tomando cada vez mais espaço em reuniões de planejamento de software e afins. O motivo disso tudo são as facilidades de codificação, reusabilidade, organização, maior flexibilidade, baixo acoplamento, encapsulamento, e claro, popularidade.

De fato os recursos da POO vêm muito a calhar em qualquer tipo de software e para qualquer área, incluindo aplicações Web, sejam elas escritas em PHP, ASP.NET etc. Neste artigo veremos as principais características da programação orientada a objetos, como declarar procedimentos e funções chamadas de métodos, propriedades, construtores e destrutores. Aprenderemos também a desenvolver e utilizar uma classe em uma aplicação teste.

 

Conceitos da POO

A primeira coisa que devemos entender na POO é: por que usá-la? Bem, vejamos um exemplo bem simples de sistema que “não” se utiliza de programação orientada a objetos, desta forma entenderemos mais facilmente seus conceitos.

Abra o Delphi 7.0 ou a versão que preferir e crie uma nova aplicação em File|New>Application. Nomeie o formulário principal com o nome de “frmPrincipal” e salve-o como “uPrincipal.pas” usando o menu File|Save as. Em seguida salve a aplicação com o nome de “ModoProcedural.dpr” através do menu File>Save project as.

Certamente você deve ter achado estranho o nome que salvamos o nosso projeto principal: Modo Procedural. Realmente é estranho, mas é mais ou menos assim que chamamos um sistema que não é orientado a objetos. Chamamos de “Programação Procedural”.

“O termo Programação Procedural (ou programação procedimental) é às vezes utilizado como sinônimo de Programação Imperativa (paradigma de programação que especifica os passos que um programa deve seguir para alcançar um estado desejado), mas o termo pode se referir (como neste artigo) a um paradigma de programação baseado no conceito de chamadas a procedimentos. Procedimentos, também conhecidos como rotinas, sub-rotinas, métodos, ou funções (que não devem ser confundidas com funções matemáticas, mas são similares àquelas usadas na programação funcional) simplesmente contêm um conjunto de passos computacionais a serem executados. Um dado procedimento pode ser chamado a qualquer hora durante a execução de um programa, inclusive por outros procedimentos ou por si mesmo”.

Segundo o verbete anterior, retirado do site www.wikipedia.org, programação procedural significa que o sistema deve seguir certo fluxo, certo número de instruções também conhecidas como procedimentos. Vejamos na prática uma aplicação orientada a procedimentos.

Insira em nosso frmPrincipal dois componentes do tipo SpinEdit da paleta Samples. Modifique o Name "

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?