TV DIGITAL – Parte 03

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (0)  (0)

Veja neste artigo oportunidades geradas a partir do uso da TV Digital.

TV DIGITAL – Parte 03
 

Por: Rodrigo Junqueira de Oliveira

Oportunidades

O advento do sinal digital em conjunto com um canal de retorno possibilitará o fornecimento dos mais variados serviços. O principal é, sem dúvida, a liberdade que o usuário terá em fazer sua própria programação. Atualmente, o telespectador está preso à programação determinada pela emissora e precisa esperar o horário em que começa seu programa preferido. A TV digital permitirá que este usuário assista ao programa no horário mais conveniente às suas atividades diárias. Aliado a isso, a transmissão digital permite a disponibilização de um número cinco vezes maior de canais de TV em relação aos analógicos, trazendo muito mais opções para os telespectadores do que hoje em dia.

 

Isto é possível porque a transmissão digital é feita de forma otimizada. Cada canal é comprimido e convertido num stream de dados, chamado de transport stream, utilizando o Moving Pictures Experts Group (MPEG-2). Um transport stream corresponde a um canal de televisão e é formado por vários streams elementares. O MPEG transmite somente partes da imagem que mudaram de um frame para o próximo, ao invés de enviar o próximo frame completo, reduzindo a quantidade de dados que precisam ser enviados para reconstruir a imagem original. Este tipo de compressão permite uma melhor utilização do espaço do canal de transmissão e o conseqüente aumento do poder de envio de informação [2].

 

Outro serviço oferecido, o acesso à internet, já é familiar a grande parte da população. Isso já ameniza outra preocupação do governo brasileiro, que é prover acesso à rede mundial de computadores. Porém, este acesso será diferente da navegação convencional via PC. Provavelmente essa navegação será baseada na infra-estrutura disponível na televisão, que não dispõe dos periféricos de um computador, tais como: teclado, mouse, etc.

 

Comprar pela TV será um atrativo tanto para o telespectador quanto para o mercado. Atualmente, os produtos anunciados pela televisão são geralmente vendidos por telefone. Com a TV digital, o telespectador terá a comodidade de comprar utilizando simplesmente o controle remoto. Este serviço será de fundamental importância para o mercado brasileiro, pois haverá uma grande possibilidade de alavancar as vendas dos mais diversos setores de comércio e indústria.

 

Além destes, serão oferecidos diversos outros serviços que proverão entretenimento, informação e atividades familiares. Jogos, pay-per-view, vídeos sob demanda serão formas de entretenimento enquanto acesso a banco e compras serão serviços que facilitarão o dia-a-dia do usuário. Outro serviço viável a partir da utilização de TV digital consiste no relacionamento com outros aparelhos de comunicação móveis, como telefones celulares, palmtops, dentre outros dispositivos.

 

TV Digital em celulares

 

Com o padrão adotado pelo Brasil (ISDB, o padrão japonês), será possível efetuar a recepção de sinal por celulares 3G (terceira geração), com suporte a transmissão para receptores móveis, o desenvolvimento de navegadores que adaptem as imagens para o tamanho do visor do celular será de grande importância.

 

Desenvolvimento de aplicações


O desenvolvimento de aplicações para TV digital tem características distintas do desenvolvimento para PC. Alguns aspectos precisam ser considerados quando pensamos em propor uma aplicação para esta nova tecnologia. Um telespectador, por exemplo, costuma posicionar-se a uma distância da televisão no mínimo três vezes maior do que uma pessoa em relação a seu PC, porém a resolução de uma TV é inferior à de um monitor. Isto força a utilização de fontes grandes além da adaptação das dimensões gráficas de aplicações ao dispositivo. Em um PC existem periféricos como o mouse e o teclado que facilitam a interação do usuário com os diversos aplicativos. Na TV, um fator limitante na construção de aplicações é a existência, na maioria dos casos, do controle remoto como único periférico. Além disso, é importante levar em consideração aspectos como o perfil do usuário. O telespectador não irá tolerar aplicações com uma navegação complexa como, a utilização demasiada de menus em cascata.

 

No momento, as duas principais API’s para desenvolvimento de aplicação para TV digital são: Microsoft TV e Java TV.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

 [2] CPqD ARQUITETURA DE REFERÊNCIA - Sistema Brasileiro de Televisão Digital Terrestre. PD.30.12.34A.0001A/RT-13/AA.

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?