Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login

MySQL 5.6: Dominando o Multi-Threaded Replication

Este artigo foi escrito com o objetivo de apresentar o novo suporte que o MySQL 5.6.3 apresenta ao recurso denominado Multi-Threaded Replication.

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login

(opcional) Onde podemos melhorar?

Confirmar voto
0
 (0)  (0)

De que se trata o artigo:

Este artigo foi escrito com o objetivo de apresentar o novo suporte que o MySQL 5.6.3 apresenta ao recurso denominado Multi-Threaded Replication, que foca a replicação de dados utilizando mais de uma thread, com execução paralela, para manter os dados em sincronia entre o servidor MASTER e os servidores SLAVEs. Tal funcionalidade e suporte poderá ser testada ao longo do artigo caso o leitor tenho instalado em sua máquina de testes o MySQL 5.6, disponível em http://labs.mysql.com. A discussão deste tópico é interessante para o usuário ou administrador que deseja melhorar o desempenho da replicação de dados entre os servidores de bancos de dados MySQL MASTER e SLAVEs.

Em que situação o tema é útil:

Para ambientes escalados horizontalmente que necessitam obter máxima performance na replicação de dados.

Resumo DevMan

Neste artigo será realizada uma revisão do recurso de replicação de dados entre servidores de bancos de dados MySQL, onde ao final abordaremos a nova feature esperada para a nova versão do MySQL (a 5.6) denominada Multi-Threaded Replication. Serão exibidas as configurações necessárias para que o administrador de bancos de dados crie mais threads para atender à demanda de dados em replicação em uma topologia contendo um servidor MASTER e outro SLAVE. Mais uma possibilidade que o MySQL entrega ao mercado para lidar com problemas de atrasos em replicação de dados.

Desde muitos anos atrás, desde que o MySQL começou a ser utilizado por vários usuários ao redor do mundo, um dos recursos que sempre chamou a atenção foi a replicação de dados, pela simplicidade e efetividade do recurso. Mas, não só por isso, uma das características mais marcantes do servidor de bancos de dados MySQL desde a concepção de sua arquitetura foi a possibilidade de escala horizontal que o servidor possui, ou seja, uma vez que o administrador de bancos de dados deseja aumentar o poder de resposta para as aplicações de sua empresa, este deverá considerar quebrar ou fragmentar o workload em várias partes. Claro que modificações na aplicação são demandadas para que se possa utilizar em 100% os recursos que SGBDs em replicação tem a oferecer.

O impacto geral que faz com que as empresas optem por ter servidores em replicação pode ser notado dentro de um ciclo que se inicia pelo crescimento do negócio, visto que a economia no Brasil vai muito bem, os sistemas passam a atender mais clientes a mais negócios, o que gera mais informação e isso para os bancos de dados não se traduz somente em armazenamento, mas também, em leituras e escritas de maneira, como eu costumo dizer, frenética. Nesse cenário, se pudermos colocar vários servidores para trabalhar os vários aspectos do aplicativo, os resultados serão alcançados com mais facilidade – como disse Anatolii Karatsuba, Dividir e Conquistar (Divide and Conquer, 1960).

Para que os exemplos deste artigo sejam praticados, é interessante montar uma máquina virtual com o Oracle VM Virtual Box, com o Oracle Enterprise Linux 6 ou CenTos 6 e o binário do MySQL 5.6.4 milestone 7 que pode ser baixado em http://dev/mysql.com (caso precise de ajuda para instalar o binário do MySQL, o seguinte link tem as informações necessárias: http://bit.ly/yFzqiy). Este artigo poderá também ser testado em ambiente MS Windows, bastando baixar o arquivo condizente a este sistema operacional, descompactar e iniciar o mysqld através do cmd ou ainda através de um serviço. A instalação do MySQL para suporte a este artigo foi realizada a partir de pacotes “.rpm”. Tal máquina virtual ainda deverá contar com o mínimo de 8GB de espaço em disco, um disco adicional de 3GB para uma nova partição no Linux, aonde colocaremos os logs da replicação, duas placas de rede virtuais com IPs fixos ou estáticos configurados.

"

A exibição deste artigo foi interrompida
Este post está disponível para assinantes MVP

Carregando
 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Ajude-nos a evoluir: você gostou do post?  (0)  (0)

(opcional) Onde podemos melhorar?

Confirmar voto
Compartilhe:
Ficou com alguma dúvida?