Artigo SQL Magazine 7 - Projeto de Banco de Dados Parte VI: Implentação

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (0)  (0)

Artigo da Revista SQL Magazine -Edição 7.

Atenção: por essa edição ser muito antiga não há arquivo PDF para download.
Os artigos dessa edição estão disponíveis somente através do formato HTML.

capnet43.jpg

Clique aqui para ler todos os artigos desta edição

 

Projeto de Banco de Dados

Parte VI: Implementação

 

Nas cinco edições anteriores, aprendemos a projetar um banco de dados relacional. Conhecemos os modelos lógico e físico, as técnicas de modelagem e a normalização e desnormalização, entre outros procedimentos. Nesta edição, implementaremos o banco de dados de acordo com a documentação (diagramas, dicionários de dados) gerada nas fases anteriores.

Observe que, diferentemente das fases anteriores, as preocupações na fase de implementação se concentram no nível mais baixo. Nesta fase, por exemplo, será necessário analisarmos tipos de dados, tamanho de campos, uso de constraints, planejamento de índices, criação de procedures e triggers, bem como o SGBD a ser usado.

Este artigo não tem por objetivo discutir qual SGBD é o melhor. Usaremos o Firebird 1.0 simplesmente porque ele é free, leve, estável e popular. Também não desejo criar aqui um tutorial sobre o Firebird. Desse modo, é recomendável que o leitor esteja familiarizado com esse SGBD e tenha bons conhecimentos sobre SQL.

O artigo mostrará apenas os trechos mais relevantes do código SQL. Para obter o script completo, com todos os recursos implementados e o dicionário de dados, faça o download do código no site referente a este artigo.

 

Criação do banco de dados

Para a criação do banco de dados, utilizaremos o aplicativo IBConsole. Siga estes passos:

 

1)     Inicie o IBConsole.

2)     Você será solicitado a informar o login; o usuário e senha padrão são, respectivamente, SYSDBA e masterkey.

3)     Clique com o botão inverso do mouse no item Databases e escolha a opção Create Database.

4)     Na caixa de diálogo, preencha a opção Alias com o nome “livraria”; na opção Filename, indique o caminho e o nome do arquivo que conterá o banco de dados (c:\Livro.gdb) (Figura 1).

5)     Clique no botão OK para criar o banco de dados. Os objetos do banco serão criados através do Interactive SQL, que é acessado através do menu Tools->Interactive SQL.

 

NOTA: existem diversas ferramentas gráficas para manipulação de bancos de dados InterBase/Firebird. Uma das mais utilizadas é o IBExpert (http://www.ibexpert.com/), que também possui uma versão gratuita (Figura 2)

<>

 

<>

 

Criação de tabelas

O próximo passo é criar as tabelas “básicas”, ou seja, aquelas que não possuem chaves estrangeiras e que não dependem de outras tabelas para existir. Sendo assim, as primeiras tabelas a serem criadas são: ASSUNTO, AUTOR, CLIENTE e EDITORA (Listagem 1).

 

LISTAGEM 1

1  CREATE TABLE "ASSUNTO"

2  (

3  "CODIGO"   INTEGER NOT NULL,

4  "ASSUNTO" VARCHAR(50) NOT NULL,

5 CONSTRAINT "PK_ASSUNTO" PRIMARY KEY ("CODIGO")

6  );

7

8  CREATE TABLE "AUTOR"

9  (

10    "CODIGO"         INTEGER NOT NULL,

11  "NOME"    VARCHAR(80) NOT NULL,

12  CONSTRAINT "PK_AUTOR" PRIMARY KEY ("CODIGO")

13  );

14

15  CREATE TABLE "CLIENTE"

16  (

17    "CODIGO"         INTEGER NOT NULL,

18    "NOME"  VARCHAR(80) NOT NULL,

19  CONSTRAINT "PK_CLIENTE" PRIMARY KEY ("CODIGO")

20  );

21

22  CREATE TABLE "EDITORA"

23  (

24   "CODIGO"          INTEGER NOT NULL,

25   "NOME"   VARCHAR(80) NOT NULL,

26 CONSTRAINT "PK_EDITORA" PRIMARY KEY ("CODIGO")

27 );

 

 

Observações:

-         Os nomes das tabelas e dos campos seguem o mesmo padrão do modelo físico;

-         Os tipos de dados e as informações sobre o tamanho do campo podem ser definidos tanto no modelo físico como durante a implementação do banco. Neste artigo, optamos pela segunda opção;

-         Observe o uso do comando CONSTRAINT “nome_da_constraint“ PRIMARY KEY(“nome_do_campo”) nas linhas 5, 12, 19 e 26. Essa declaração informa que o campo passado como parâmetro de primary key será a chave primária da tabela.

 

Agora que temos as tabelas ‘básicas’, podemos criar as tabelas com chaves estrangeiras. Veja um exemplo parcial na Listagem 2. Observe a implementação de chaves estrangeiras nas linhas 4, 20, 28 e 29.

 

LISTAGEM 2

 

1  CREATE TABLE "ENDERECO"

2  (

3  "CODIGO"            INTEGER NOT NULL,

4  "COD_CLIENTE"    INTEGER NOT NULL,

5  "RUA"                 VARCHAR(50) NOT NULL,

6  "NUMERO"            INTEGER,

7  "BAIRRO"             VARCHAR(30) NOT NULL,

8  "CIDADE"             VARCHAR(30) NOT NULL,

9  "CEP"                  CHAR(8) NOT NULL, 

10 "ESTADO"           CHAR(2) NOT NULL,

11  "TIPO"               CHAR(1) NOTNULL,  

12 "COMPLEMENTO"  VARCHAR(20),

13  CONSTRAINT "PK_ENDERECO" PRIMARY KEY ("CODIGO")

14 );

15

16 CREATE TABLE "LIVRO"

17  (

18 "ISBN"                                   INTEGER NOT NULL,

19 "NOME"                                 VARCHAR(80) NOT NULL,

20  "COD_AUTOR"                        INTEGER NOT NULL,

21  "FG_ALUGUEL"                       INTEGER,

22  "PRECO_RENOVACAO_ALUGUEL"          DECIMAL(5, 2),

23  "FG_IMPORTADO"                            INTEGER,

24 "QUANTIDADE"                        INTEGER NOT NULL,

25  "PRECO_VENDA"                     DECIMAL(5, 2),

26  "PRECO_ALUGUEL"                           DECIMAL(5, 2),

27  "ANO_PUBLICACAO"                        INTEGER NOT NULL,

28  "COD_EDITORA"                     INTEGER NOT NULL,

29  "COD_ASSUNTO"                    INTEGER NOT NULL,

30 CONSTRAINT "PK_LIVRO" PRIMARY KEY ("ISBN")

31 );

 

 

Implementando os relacionamentos   

Na linguagem SQL, os relacionamentos são implementados por meio da criação de constraints de chaves estrangeiras. Essas constraints garantem o que chamamos de integridade referencial, que consiste em um conjunto de regras que mantêm o relacionamento íntegro (por exemplo: a tabela filho tem que fazer referência a um registro válido da tabela pai; não é possível apagar um registro da tabela pai que tenha ocorrências na tabela filho etc).

Quando existe qualquer tentativa de violação de uma constraint, o SGBD gera uma exceção. Essa exceção pode ser capturada pela aplicação cliente e, nesse caso, ela deve realizar o devido tratamento, emitindo uma mensagem amigável para o usuário.

Veja um exemplo de criação de constraint de chave estrangeira:

 

ALTER TABLE "ENDERECO"

ADD CONSTRAINT "FK3_CLIENTE"

FOREIGN KEY ("COD_CLIENTE")

REFERENCES "CLIENTE" ("CODIGO")

ON DELETE CASCADE

 

Nesse exemplo, o nome da constraint é FK3_CLIENTE. Ela implementa o relacionamento entre as tabelas Endereco (filho) e Cliente (pai). A cláusula ON DELETE CASCADE significa que, quando um registro da tabela pai for excluído, todos os endereços que estiverem relacionados a esse cliente também serão excluídos automaticamente. Também podemos usar a cláusula ON UPDATE CASCADE – nessa cláusula, quando o valor da chave primária na tabela pai for alterado, o SGBD atualizará automaticamente o valor da chave estrangeira nos registros filhos. Se as opções ON DELETE/UPDATE não forem utilizadas, ocorrerá um erro quando se tentar apagar/alterar o registro na tabela pai.

A Listagem 3 mostra a criação de alguns relacionamentos através do comando ALTER TABLE. No primeiro exemplo, o campo Cod_assunto da tabela Livro faz referência ao campo Codigo da tabela Assunto, implementando o relacionamento entre essas tabelas.

Também podemos implementar auto-relacionamentos através de constraints. Por exemplo, note que na Listagem 3 a constraint FK1_PESSOA_FISICA faz referência à própria tabela Pessoa_fisica. Isso significa que o campo Cod_cliente_titular não pode receber um valor diferente da chave primária dos clientes já cadastrados.

      

LISTAGEM 3

ALTER TABLE "LIVRO"

ADD CONSTRAINT "FK1_ASSUNTO"

FOREIGN KEY ("COD_ASSUNTO")

REFERENCES "ASSUNTO" ("CODIGO");

 

ALTER TABLE "PESSOA_FISICA"

ADD CONSTRAINT "FK1_PESSOA_FISICA"

FOREIGN KEY ("COD_CLIENTE_TITULAR")

REFERENCES PESSOA_FISICA ("COD_CLIENTE");

 

Também podemos adicionar o comando contraint foreign key diretamente ao comando CREATE TABLE, conforme mostra o exemplo a seguir:

 

CREATE TABLE "PESSOA_JURIDICA"

(

  "COD_CLIENTE"      INTEGER NOT NULL,

  "TP_PESSOA_JURIDICA"    CHAR(1),

  "CNPJ"                 CHAR(14) NOT NULL,

 

CONSTRAINT "PK_PESSOA_JURIDICA"

PRIMARY KEY ("COD_CLIENTE"),

CONSTRAINT "FK1_CLIENTE" FOREIGN KEY ("COD_CLIENTE")

REFERENCES CLIENTE ("CODIGO") ON DELETE CASCADE;

);

 

NOTA: observe o uso da cláusula NOT NULL na linha 29 da Listagem 2. Ela indica que o relacionamento entre Livro e Assunto é obrigatório, ou seja, não é possível cadastrar um livro sem seu respectivo assunto. Quando o relacionamento não for obrigatório, basta omitir a cláusula NOT NULL na chave estrangeira. O que define se um relacionamento é ou não obrigatório é sua cardinalidade, levantada durante a fase de projeto.

 

Implementando as regras de negócio

Até aqui, já temos a estrutura principal (tabelas e relacionamentos) construída. O próximo passo é implementar as regras de negócio no banco de dados. Neste contexto, as ‘regras de negócio’ incluem, dentre outras operações, os requisitos levantados com o cliente, as restrições de integridade, as cardinalidades dos atributos e obrigatoriedade de alguns relacionamentos. Essas regras já foram levantadas e documentadas nas fases anteriores.

Geralmente, neste momento, costuma-se discutir quais regras serão controladas no SGBD e quais regras serão controladas no código da aplicação. Não entrarei nesse debate, já que ele demandaria um artigo separado; contudo, posso afirmar que, na maior parte dos casos, implementar as regras básicas usando os recursos do SGBD é boa prática.

O Firebird (e a maioria dos bancos relacionais) oferece três tipos de recursos para implementação de restrições:

 

1.      Constraints de chave primária e chave estrangeira: já vimos esse mecanismo nos tópicos anteriores; com essas contraints, as regras de unicidade da chave primária e as regras de integridade dos relacionamentos são garantidas.

 

2.      Constraints de campos: permitem definir validações para cada campo de uma tabela. O Firebird oferece as seguintes constraints de campo:

 

·         NOT NULL: o preenchimento do campo se torna obrigatório;

·         UNIQUE: assim como a contraint de chave primária, UNIQUE garante a exclusividade do campo na tabela, ou seja, nenhum valor poderá se repetir no campo que tiver essa constraint;

·         CHECK: define uma regra booleana para o campo. O valor inserido é testado junto a condição CHECK. Se a expressão retornar verdadeiro, o valor será aceito.

 

Veja um exemplo de uso de constraints de campo:

 

CREATE TABLE "FUNCIONARIO" (

  "NOME"       VARCHAR(60) NOT NULL,

  “CPF”                   CHAR(11) UNIQUE NOT NULL,

  “SALARIO”    NUMERIC(15,2) CHECK(SALARIO >= 0),

  “DEPTO”      INTEGER        CHECK (DEPTO>1  AND  DEPTO <= 10)

);

 

A Listagem 4 exibe algumas regras do projeto que foram implementadas com o uso de constraints de campo. Observe especialmente a cláusula check da linha 4: conforme definido no levantamento de requisitos, o período de aluguel não pode exceder duas semanas.

A Tabela 1 exibe um resumo das regras de negócio que foram implementadas no banco.

 

LISTAGEM 4

 

1 ALTER TABLE "ITEM_COMPRA" ADD CONSTRAINT "CK1_ITEM_COMPRA" CHECK(QTD_COMPRADA > 0);

2 ALTER TABLE "LIVRO" ADD CONSTRAINT "CK2_LIVRO" CHECK(QUANTIDADE >= 0);

3 ALTER TABLE "LIVRO" ADD CONSTRAINT "CK3_LIVRO" CHECK(PRECO_VENDA >= 0);

4 ALTER TABLE “ALUGA”

    ADD  CONSTRAINT "CK1_ALUGA"

     CHECK(PERIODO_ALUGUEL > 0 AND PERIODO_ALUGUEL <= 14);

 

3.      Controle procedural: algumas regras só podem ser validadas através de rotinas procedurais. Atualmente, os SGBDs oferecem a possibilidade de armazenar e executar rotinas por meio de objetos conhecidos como triggers e stored procedures.

Em alguns casos, o administrador pode preferir não codificar as validações mais complexas no banco de dados e deixar essa responsabilidade para a equipe de desenvolvimento. Normalmente, ele decide isso com base no tipo de aplicação que está sendo construída e na política de desenvolvimento adotada pela equipe.

No projeto da livraria, todas as validações procedurais foram escritas dentro do próprio banco de dados. Vejamos alguns exemplos:

 

Triggers: consistem em rotinas associadas a eventos que podem ocorrer em uma tabela. Veja a seguir algumas regras que foram implementadas com triggers:

 

-         O cliente titular pode ter, no máximo, 3 dependentes.

 

No Firebird, não temos como limitar o número de relacionamentos pela constraint de chave estrangeira. Para resolver isso, podemos implementar duas triggers (uma BEFORE INSERT e uma BEFORE UPDATE) para impedir que a aplicação associe mais de três dependentes a um titular. Veja o código da trigger BEFORE INSERT na Listagem 5.

 

LISTAGEM 5

 

1 CREATE EXCEPTION "EX_NUMERO_DEPENDENTE" 'O titular já possui 3 dependentes.';

2 CREATE TRIGGER "TR_VERIFICA_NUMERO_DEPENDENTE01" FOR "PESSOA_FISICA"

3 ACTIVE BEFORE INSERT POSITION 0 AS

4 DECLARE VARIABLE vTOTAL INTEGER;

5 BEGIN

6    SELECT COUNT(*) FROM PESSOA_FISICA

7    WHERE COD_CLIENTE_TITULAR = NEW.COD_CLIENTE_TITULAR

8    INTO :vTOTAL;

9  IF (vTOTAL = 3) THEN

10    EXCEPTION EX_NUMERO_DEPENDENTE;

11 END;

 

A expressão SQL da linha 6 à 8 retorna o número atual de dependentes do titular em questão. Esse resultado é armazenado na variável vTOTAL. Caso o valor desta variável seja igual a “3”, será disparada a exceção EX_NUMERO_DEPENDENTE.

 

-         Os clientes só podem alugar três livros por vez.

 

  Para esta restrição foi criada a trigger TR_VERIFICA_NUMERO_ITENS (Listagem 6). Note que os itens alugados são registrados na tabela Item_aluga. Antes de cada inserção, a expressão SQL da linha 6 à 8 calcula a quantidade de itens inseridos no aluguel em questão. Se essa quantidade já estiver no limite (três), será disparada uma exceção.

 

LISTAGEM 6

 

1 CREATE EXCEPTION "EX_NUMERO_ITEM_ALUGA" 'Cota de livros por aluguel excedida.';

2  CREATE TRIGGER "TR_VERIFICA_NUMERO_ITENS" FOR "ITEM_ALUGA"

3  ACTIVE BEFORE INSERT POSITION 0

4  AS DECLARE VARIABLE vTOTAL INTEGER;

5   BEGIN

6   SELECT COUNT(*) FROM ITEM_ALUGA

7   WHERE COD_ALUGA = NEW.COD_ALUGA

8      INTO :vTOTAL;

 

9   IF (vTOTAL = 3) THEN

10   EXCEPTION EX_NUMERO_ITEM_ALUGA;

11  END

 

Stored Procedures: consistem em procedimentos armazenados no SGBD. A diferença em relação a trigger reside no fato de que uma stored procedure não permanece associada a nenhum objeto ou evento do banco de dados.

Uma stored procedure não oferece a mesma segurança que uma trigger. Ao implementar uma restrição com triggers, o administrador pode ficar seguro de que a regra não será violada – como a trigger permanece associada a um evento de tabela, nenhuma aplicação poderá fazer inserções, alterações ou exclusões na tabela sem que a trigger referente seja executada. No caso de stored procedures, a aplicação pode ‘burlar’ a regra simplesmente deixando de usar a stored procedure para manipular a tabela. Uma forma de minimizar esse risco é impedir que os usuários tenham poderes para executar operações de inserção, alteração ou exclusão na tabela (e conceder apenas poder de execução na stored procedure).

Responder à questão ‘quando usar uma trigger no lugar de uma stored procedure’ não é o foco deste artigo; desse modo, vou apenas detalhar as regras que foram implementadas com stored procedures.

O primeiro exemplo refere-se à renovação do aluguel. Quando o locatário renovar o aluguel, o sistema deverá:

 

1)                         Replicar os dados do aluguel atual para um novo aluguel, ou seja, o registro na tabela Aluguel e os registros relacionados na tabela Item_aluguel deverão ser copiados e reinseridos;

2)                         No momento da inserção, recuperar o valor do aluguel de cada livro do campo Preco_renovacao_aluguel, da tabela Livro. Para fins de simplificação, o sistema não cadastra um flag indicando que o novo aluguel é proveniente de uma renovação;

3)                         Fechar o aluguel original.

 

Dessa forma, podemos codificar uma stored procedure para receber o código do aluguel como parâmetro e realizar todo esse procedimento automaticamente. Com isso, obtemos os seguintes benefícios:

 

a) Minimizamos o risco de o desenvolvedor errar - no momento da renovação, a aplicação deverá se preocupar apenas em executar a procedure e passar os parâmetros necessários – o desenvolvedor não precisará codificar a ‘lógica’ do processo de renovação;

 

b) Diminuímos o tráfego na rede - a aplicação não precisará enviar vários comandos SQL para o servidor. Por exemplo, no caso do aluguel de três livros, a aplicação precisaria enviar quatro comandos SQL (um para recadastrar o registro da tabela Aluguel e três para a tabela Item_Aluguel). Com a procedure, a aplicação enviará apenas um comando pela rede (o de execução da procedure).

 

Veja o código completo da procedure na Listagem 7. Vamos analisá-lo:

 

 LISTAGEM 7

 

1.      CREATE  PROCEDURE "SP_RENOVAR_ALUGUEL"

2.      (

3.      COD_ALUGUEL INTEGER,

4.      COD_CLIENTE INTEGER,

5.      VALOR_MULTA DECIMAL(6, 2),

6.      PERIODO_ALUGUEL INTEGER

7.      )

8.      AS

9.      DECLARE VARIABLE vCODIGO_ALUGUEL INTEGER;

10.  DECLARE VARIABLE vISBN_LIVRO INTEGER;

11.  DECLARE VARIABLE vPRECO_RENOVACAO_ALUGUEL DECIMAL(5,2);

12.  BEGIN

13.  /* Encerra o aluguel que será renovado */

14.   UPDATE ALUGA SET

15.   DT_DEVOLUCAO= CURRENT_DATE,

16.   VR_MULTA= :VALOR_MULTA

17.   WHERE CODIGO=:COD_ALUGUEL;

 

18.  /* Cria um novo aluguel */

19.   INSERT INTO ALUGA(COD_CLIENTE, DT_HORA, PERIODO_ALUGUEL)

20.   VALUES(:COD_CLIENTE, CURRENT_TIMESTAMP, :PERIODO_ALUGUEL);

 

21.   SELECT MAX(CODIGO) FROM ALUGA INTO :vCODIGO_ALUGUEL;

 

22.   /* Obtém todos os itens do aluguel que será renovado para

23.   incluí-los como itens do novo aluguel */

24.   FOR SELECT ISBN_LIVRO FROM ITEM_ALUGA

25.   WHERE COD_ALUGA = :COD_ALUGUEL

26.   INTO :vISBN_LIVRO

27.   DO

28.   BEGIN

 

29.    /* Para cada livro, obtém o preço de renovação para

30.    colocar como preço do aluguel renovado */

31.    SELECT PRECO_RENOVACAO_ALUGUEL FROM LIVRO

32.    WHERE ISBN = :vISBN_LIVRO

33.    INTO :vPRECO_RENOVACAO_ALUGUEL;

 

34.    /* Insere os livros como itens do novo aluguel */

35.    INSERT INTO ITEM_ALUGA(COD_ALUGA, ISBN_LIVRO,PRECO)

36.    VALUES(:vCODIGO_ALUGUEL, :vISBN_LIVRO,  :vPRECO_RENOVACAO_ALUGUEL);

37.   END

38.  END

 

 

            Linhas 9 a 11: declaração das variáveis que serão utilizadas na procedure;

Linha 14: o aluguel atual é encerrado. Na linha 19, é inserido um novo aluguel;

Linha 24: o laço FOR percorre todos os itens previamente alugados, na tabela Item_aluga;

Linha 31: recupera o preço de renovação para cada livro em questão;

Linha 35: inclui novamente cada livro alugado na tabela Item_aluguel;

 

Tabela 1 – Algumas validações implementadas no banco de dados

Nome

Objeto

Tipo

Objetivo

CK1_LIVRO

Tabela LIVRO

CHECK CONSTRAINT

Verifica se o preço de renovação de aluguel é maior ou igual a zero

CK1_ALUGA

Tabela ALUGA

CHECK CONSTRAINT

Verifica se o período de aluguel é menor que duas semanas

 

TR_VERIFICA_NUMERO_DEPENDENTE

 

Tabela PESSOA_FISICA

TRIGGER BEFORE INSERT/UPDATE

Garante que cada cliente titular tenha, no máximo, três dependentes

TR_CLIENTE_TITULAR_SI_MESMO

Tabela PESSOA_FISICA

TRIGGER BEFORE INSERT/UPDATE

O cliente não pode ser titular de si mesmo

 

 

TR_VALIDAR_ITEM_RESERVA

Tabela ITEM_RESERVA

TRIGGER BEFORE INSERT

Verifica se um livro já está reservado

SP_RENOVAR_ALUGUEL

-

STORED PROCEDURE

Implementa a renovação de um aluguel

 

Em seguida, analisaremos uma segunda regra que pede a criação de uma stored procedure. No projeto, criamos uma especialização através das tabelas CLIENTE, PESSOA_FISICA e PESSOA_JURIDICA. A integridade dessa especialização deve ser garantida por intermédio dos seguintes controles:

 

1)     Um cliente não pode ser pessoa física e jurídica ao mesmo tempo.

2)     Não é possível cadastrar um registro na tabela Pessoa_fisica nem na tabela Pessoa_juridica sem que haja um equivalente na tabela Cliente, e vice-versa (o relacionamento entre a tabela Cliente e uma das tabelas especializadas é obrigatório).

 

Criaremos uma stored procedure que receberá todas as informações do cliente (nome, CPF, CNPJ, endereço etc) e as distribuirá entre as tabelas correspondentes, de acordo com o tipo de cliente informado (físico ou jurídico). A aplicação só poderá cadastrar os clientes através dessa procedure.

O código da procedure está disponível na Listagem 8.

 

LISTAGEM 8

 

 CREATE PROCEDURE "SP_INCLUI_CLIENTE"

 (

  "NOME" VARCHAR(80),

  "DT_NASCIMENTO" DATE,

  "IDENTIDADE" VARCHAR(9),

  "CPF" CHAR(11),

  "COD_CLIENTE_TITULAR" INTEGER,

  "TP_PESSOA_JURIDICA" INTEGER,

  "CNPJ" CHAR(14),

 “TIPO_PESSOA” CHAR(1)

)

 AS

 DECLARE VARIABLE vCOD_CLIENTE INTEGER;

 

 BEGIN

    INSERT INTO CLIENTE (NOME) VALUES(:NOME);

 

    SELECT MAX(CODIGO) FROM CLIENTE INTO :vCOD_CLIENTE;

 

  IF (:TIPO_PESSOA=’F’) THEN

    BEGIN

     INSERT INTO PESSOA_FISICA (COD_CLIENTE, DT_NASCIMENTO, IDENTIDADE, CPF, COD_CLIENTE_TITULAR)

     VALUES(:vCOD_CLIENTE, :DT_NASCIMENTO, :IDENTIDADE, :CPF, :COD_CLIENTE_TITULAR);

    END

 

  IF (:TIPO_PESSOA=’J’) THEN

    BEGIN

     INSERT INTO PESSOA_JURIDICA (COD_CLIENTE, TP_PESSOA_JURIDICA, CNPJ)

     VALUES(:vCOD_CLIENTE, :TP_PESSOA_JURIDICA, :CNPJ);

    END

 END

 

Implementando as surrogate keys

         Conforme mostrado na edição anterior, após a aplicação do recurso de minimização de chaves, as tabelas passaram a ter apenas um campo auto-incremento como chave primária. No processo de criação das tabelas, esse campo foi declarado integer, não aceitando valor nulo (not null). No entanto, até o momento não há nada que efetivamente indique que o campo será auto-incremento.

No Firebird, a melhor forma de implementar a geração de números auto-incrementos é através do objeto Generator. Esse objeto garante que nenhum número será repetido, mesmo que a transação corrente seja cancelada – um requisito fundamental para chaves do tipo surrogate.

Para associar um generator a uma chave primária, siga estes passos:

 

1)     Crie o objeto generator.

2)     Implemente uma trigger before insert para a tabela que possui a chave auto-incremento. Nessa trigger, o generator será incrementado, e seu valor será atribuído à chave primária.

 

Para criar um generator, utilize o comando a seguir:

 

CREATE GENERATOR "nome_do_generator";

 

O passo 2 está exemplificado na Listagem 9. A função GEN_ID incrementa o generator de acordo com a quantidade informada no segundo parâmetro.

Esse procedimento deverá ser repetido para todas as tabelas que possuem chaves surrogate.

 

LISTAGEM 9

 

CREATE TRIGGER "TR_ALUGA" FOR "ALUGA"

ACTIVE BEFORE INSERT POSITION 0

AS     

BEGIN

  NEW.CODIGO = GEN_ID(GEN_ALUGA, 1);

END

 

Planejamento de índices

         Um dos últimos passos para a implementação do banco de dados é o planejamento e a criação dos índices. Não entrarei nos detalhes dessa tarefa, pois ela pertence à área de otimização (tuning) do banco de dados - tema bastante complexo e que exigiria, no mínimo, um novo artigo.

Para resumir, podemos afirmar que os campos mais utilizados para consulta devem fazer parte de algum índice. Veja um exemplo de criação de índices no Firebird:

 

CREATE INDEX IDX_NOME ON CLIENTE (NOME);

 

Para ter acesso à criação de todos os índices levantados para o nosso banco de dados, consulte o script SQL disponível para download.

 

Dicionário de dados

         Cada fase da construção do banco de dados (projeto lógico, projeto físico e implementação) gera uma documentação conhecida como dicionário de dados. O dicionário de dados é a fonte de consulta para referência. Nele, devemos descrever todos os objetos, relacionamentos, comportamentos, restrições e observações levantadas durante cada fase.

         O dicionário de dados criado na fase de implementação é constituído, em sua maior parte, de metadados dos objetos implementados no banco. Praticamente todos os SGBDs já fornecem ferramentas para gerar relatórios de metadados. O dicionário de dados completo de nosso exemplo está disponível para download no site.

 

NOTA: metadado é uma informação que descrimina um tipo de dado.

 

Conclusão

       Chegamos ao final da série. Neste ponto, temos os principais diagramas do projeto do banco, bem como o script SQL para sua implementação.

       Um dos objetivos deste artigo foi mostrar a você a importância de um projeto de banco de dados. Observe como um projeto bem documentado e bem construído lhe oferece uma visão mais ampla e concisa do funcionamento do banco, o que poderá ajudá-lo no caso de qualquer alteração futura na aplicação.

       Espero ter sido bem-sucedido em minha tentativa de torná-lo apto a iniciar seus projetos. Caso você tenha alguma dificuldade, sinta-se à vontade para me escrever por e-mail.

Um abraço e até a próxima!

 

DOWNLOAD: www.sqlmagazine.com.br/sql7/sql7.html

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?