Introdução ao Oracle 9i

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (0)  (0)

Veja nesse artigo uma introdução ao Oracle 9i. Desde comandos SQL mais simples, até mesmo operações mais avançadas. Confira!

Estamos iniciando agora uma série de artigos que irão nos dar uma introdução passo-a-passo de como criar um banco de dados utilizando o Oracle 9i. Iremos iniciar com a criação de scripts, analisando os parâmetros e, posteriormente, finalizar com a implementação de um pequeno sistema, criando as tabelas e suas restrições. Espero que essa leitura lhe seja agradável e principalmente útil para o seu dia-a-dia.

Criando um banco de dados Oracle

A criação de um banco de dados Oracle necessita de três operações básicas:

  • Criação das informações sobre a estrutura do BD, informações essas que ficam armazenadas no dicionário de dados;
  • Criação e inicialização do arquivo de controle (Control File) e dos arquivos de reconstrução do banco (Redo Log Files), para que se possa colocar o BD no ar;
  • Criação dos arquivos de dados (Data Files), ou seja, os locais onde os dados gravados no BD serão efetivamente armazenados.

A instrução usada para a criação do BD é CREATE DATABASE. O banco de dados pode ser criado através de dois caminhos: 1) utilizando-se o Database Configuration Assistant (DBCA), que é um assistente gráfico, ou 2) criação manual do BD através de um script.

Utilizaremos uma mescla dos dois métodos citados – primeiro, vamos manipular o DBCA, que irá gerar um script de criação do BD. Com o script em mãos, poderemos analisá-lo e efetuar as alterações necessárias.

O Database Configuration Assistant (DBCA) permite criar um BD Oracle, configurar opções para um BD existente, excluir um BD e gerenciar gabaritos (templates) de BD.

Podemos utilizar o DBCA de três modos: Interativo (Interactive - minha escolha), que é o padrão; Somente Progresso (Progress Only) que é um modo tipicamente usado por outras ferramentas como o Oracle Universal Installer, o Enterprise Manager Configuration Assistant entre outros; e finalmente o modo Silencioso (Silent), onde temos apenas a linha de comando onde são especificados os parâmetros.

Criando um BD utilizando o DBCA

Inicie o DBCA, através do menu “Iniciar” do Windows em “Configuration and Migration Tools” (ou digite dbca na linha de comando UNIX). Na tela de boas-vindas, clique em “Próximo” para iniciarmos a criação do BD. Esse processo será executado através de 08 etapas, que descreveremos a seguir.

1ª Etapa: Operações

Neste passo, escolhemos o tipo de operação que desejamos executar. Existem 04 opções (Figura 1).

  • Criar um banco de dados.
  • Configurar opções em um banco de dados. Utilize esta opção caso o BD já tenha sido criado e exista a necessidade de ajustar os parâmetros do mesmo;
  • Deletar um banco de dados.
  • Gerenciar Gabaritos (Templates). Esta opção é interessante quando existe uma necessidade constante de se criar BDs. Um exemplo é o caso dos consultores, que estão em vários clientes efetuando esta operação. A partir do gabarito criado, basta configurar alguns parâmetros de acordo com a realidade de cada cliente e o processo pode ser concluído.

Figura 1. Seleção do tipo de operação.

Selecione a primeira opção e clique em 'próximo'.

2ª Etapa: Gabaritos de banco de dados

Existem gabaritos pré-definidos pela própria Oracle para auxiliar o processo de criação do BD (Figura 2. Mesmo quando

Introdução ao Oracle 9i

Figura 2. Opções de gabaritos.

Selecione a opção 'New Database' e clique em 'próximo'.

3ª Etapa: Identificação do banco de dados

Temos que definir dois parâmetros fundamentais que são os responsáveis pela identificação do BD:

1)       Nome do banco de dados global (Global Database Name): é o nome pelo qual o BD será exclusivamente identificado, inclusive em uma rede, utilizando o formato “nome.domínio”;

2)       SID (Oracle System Identifier), nome que identifica a instância, ou estrutura em memória criada pelo Oracle para interagir com o BD.

Um mesmo BD Oracle pode possuir várias instâncias interagindo com a mesma estrutura de armazenamento. É o caso de uma configuração em Cluster (ver Nota 1), onde uma única estrutura em disco interage com várias estruturas em memória, uma em cada nó do cluster, porém cada instância terá seu SID exclusivo (Figura 3.

Nota 1

Um sistema que compreende dois ou mais computadores ou sistemas (nós) na qual trabalham em conjunto para executar aplicações ou realizar outras tarefas, de forma que os usuários que os utilizam tenham a impressão que somente um único sistema responde para eles.

Introdução ao Oracle 9i

Figura 3. DB_NAME e SID.

4ª Etapa: Recursos do banco de dados

Somente nos é apresentada caso escolhamos o gabarito New Database (2º Etapa), pois ele nos permite adicionar recursos opcionais ao nosso BD como:

  • Oracle Spatial: um SGBD estendido para gerenciar dados espaciais. Bastante utilizado em aplicações como geoprocessamento;
  • Oracle Ultra Search: fornece um recurso de pesquisa na Web, reúne e indexa todos os documentos, incluindo sites, bancos de dados, arquivos, listas de mala direta, portais e várias fontes definidas pelo usuário;
  • Oracle Data Mining: possibilita o desenvolvimento de aplicações de business intelligence;
  • Oracle OLAP: fornece um conjunto completo de funções analíticas, bastante difundidas na utilização em data warehouse no auxílio à tomada de decisões;
  • Example Schemas: um pequeno banco de dados de exemplo;

E nos recursos padrão temos:

  • Oracle JVM: máquina virtual JAVA (Java Virtual Machine), que permitirá a aplicação de muitas funcionalidades em JAVA;
  • Oracle Intermedia: adiciona suporte multimídia que permite que o Oracle9i gerencie textos, documentos, imagens, áudio, vídeo, etc;
  • Oracle Text: utiliza o padrão SQL para indexar, procurar e analisar textos e documentos armazenados no BD, em arquivos ou na Web;
  • Oracle XML DB: é uma característica do BD que permite uma alta performance na utilização do modelo de dados XML.

Nesse artigo não utilizaremos nenhum recurso adicional por serem específicos a cada necessidade. Assim, retire qualquer seleção existente em qualquer item, inclusive os itens presentes em “Recursos-padrão de banco de dados”, e clique em “Próximo”. (Figura 4).

Introdução ao Oracle 9i

Figura 4. Recursos adicionais do banco de dados.

5ª Etapa: Opções de conexão de banco de dados

O Oracle oferece duas opções de como as seções se conectarão ao BD (Figura 5): Servidor Dedicado (Dedicated Server) ou Servidor Compartilhado (Shared Server).

No primeiro, será colocado no ar um serviço exclusivo à conexão (Server Process), ou seja, cada usuário conectado ao BD terá um serviço à sua disposição. Assim, mesmo que não haja nenhuma requisição, o serviço estará disponível apenas ao usuário e no momento das requisições ao BD não haverá concorrência. Já no servidor compartilhado, um mesmo processo atenderá a várias conexões, ou seja, vários usuários conectados utilizarão o mesmo serviço no BD. Com isso, as requisições desses usuários terão que aguardar em uma fila de execução até que sua requisição seja atendida. Esses serviços compartilhados a vários usuários são os chamados “despachantes” (dispatchers) e é possível configurar vários despachantes para atender a um número limitado de usuários. É óbvio que um servidor compartilhado compromete a performance do sistema. Por esse motivo é muito importante identificar a real necessidade da conexão em ser dedicada ou compartilhada. Em um sistema com poucos usuários e com transações muito intensas, é interessante configurar o BD para o modo Servidor Dedicado, ganhando performance. Já um caso em que haja um número elevado de usuários, porém sem um taxa elevada de transações, deve-se utilizar o modo Servidor Compartilhado para que não se corra o risco de uma sobrecarga de conexões no BD. O Oracle possibilita ainda uma configuração heterogênea, em que algumas conexões estarão em modo dedicado e outras (as que requisitam pouco o sistema) em modo compartilhado. Seria o caso, por exemplo, de um período de fechamento de folha de pagamento, em que a quantidade de transações efetuadas por aqueles usuários é intensa e eles não podem ficar aguardando em fila de espera. Neste caso, configura-se os usuários deste departamento em modo Servidor Dedicado enquanto o restante da empresa compartilha os serviços no modo Servidor Compartilhado.

No nosso caso, utilizaremos o modo Servidor Dedicado, pois se presume que o leitor esteja acompanhando para efetuar estudos em uma máquina Stand Alone onde não é necessária a utilização do modo Servidor Compartilhado.

Introdução ao Oracle 9i

Figura 5. Modo de conexão ao BD.

6ª Etapa: Parâmetros de inicialização

Nesta etapa é essencial o conhecimento do modelo de dados, modelo do negócio e recursos de hardware, pois os parâmetros de inicialização serão definidos tomando por base a suposição de como o BD irá se comportar. A medida em que o BD trabalha em ambiente de produção é que serão feitos os ajustes finos.

É a partir desta etapa que começamos a configurar os parâmetros que serão adotados pelo BD em sua inicialização. Os parâmetros de inicialização são os responsáveis pela alocação das várias áreas de memória para a instância, conjuntos de caracteres, dimensionamento de blocos, localização dos arquivos de parâmetro e rastreamento e arquivamento dos logs.

Configuração de memória

Define qual será o tamanho da SGA (System Global Área – Área Global do Sistema). Está será a responsável direta pela interação das aplicações com o BD (Figura 6).

Na opção “Típico”, define-se apenas a porcentagem que o Oracle alocará em relação ao total de memória física disponível. A distribuição entre as várias áreas será definida pelo próprio Oracle.

Já a opção “Personalizado” permite um controle total sobre as áreas de memória utilizadas. Porém não podemos esquecer de que o total de memória física disponível deve possuir uma porção reservada ao sistema operacional e aplicativos existentes. Nossa opção será esta e consideremos que está sendo utilizada uma estação de testes Pentium 4 com 256 Mb de memória RAM. As opções possíveis de serem configuradas aqui são:

· Shared Poll: é uma parte da SGA composta por duas subáreas principais: a Library Cache, responsável pelo armazenamento das instruções SQL e PL/SQL para utilizações futuras sem a necessidade de leitura em disco; Dictionary Cache, onde são armazenadas as instruções SQL que consultam o dicionário de dados. Em nosso exemplo utilizaremos 56 Mb para diminuir a necessidade de uma nova compilação de instrução. Este procedimento aumenta a performance do BD.

· Buffer Cache: é a área da SGA que armazena uma cópia dos blocos de dados lidos em disco. Numa próxima requisição da mesma informação, não será mais necessário o acesso a disco, obtendo um ganho de performance na consulta. Configuraremos com 24 Mb.

· Java Pool: nesta área são armazenadas as instruções em Java que são requisitadas ao BD para posterior reutilização. Caso o BD não tenha interface com aplicações em Java deve-se manter esse valor em zero.

· Large Pool: área opcional da SGA que será utilizada em aplicações específicas. Por esse motivo, deixaremos este valor em zero.

· PGA (Program Global Área): região da memória que contém informações de dados e controle do processo servidor. É uma memória não compartilhada que é criada pelo Oracle somente quando um processo servidor é iniciado, ou seja, quando uma conexão de usuário é estabelecida. Nossa configuração ficará com 24 Mb.

NOTA:

Introdução ao Oracle 9i

Figura 6. Parâmetros de configuração de memória.

Conjunto de caracteres

A opção padrão (default) utilizará o conjunto de caracteres definido no sistema operacional do computador em que está sendo instalado o BD. Entretanto, é importante conhecer qual o conjunto de caracteres que a aplicação enviará ao BD para não termos surpresas. No nosso caso utilizaremos o padrão (Figura 7).

Introdução ao Oracle 9i

Figura 7. Configuração do Conjunto de Caracteres.

Dimensionamento dos blocos

O Oracle gerencia o espaço de armazenamento nos arquivos de dados (Data Files) em unidades chamadas de blocos de dados (Data Block). Esta é a menor unidade de armazenamento usado pelo BD, em contraponto ao nível físico, nível do sistema operacional em que os dados são armazenados em bytes. Cada sistema operacional possui seu próprio tamanho de bloco (Block Size), por esse motivo, o Oracle solicita os dados em múltiplos do data block Oracle. Ou seja, independentemente do sistema operacional utilizado, as informações serão armazenados em unidade de bloco Oracle e não em unidades de bloco do sistema operacional. Esse procedimento garante uma independência do BD em relação ao sistema operacional.

Manteremos o valor sugerido pelo DBCA, pois somente nos casos específicos, em que armazenamos arquivos no BD, imagens, por exemplo, é que iremos utilizar tamanhos de bloco diferenciados (Figura 8).

O Oracle permite que seja criada uma Tablespace com tamanho de bloco diferente do padrão.

Outro parâmetro que devemos configurar nesta tela é o tamanho de área de classificação (Sort Área Size). Ele é a quantia máxima, em bytes, que é utilizado da PGA para as tarefas de ordenação. Em algumas operações, como importação de um banco de dados, o aumento deste valor fará com que o processo de importação seja mais rápido, considerando que, para cada índice criado, haverá uma ordenação. Já no BD em produção, este valor não necessita ser tão elevado, pois as ordenações não são tão freqüentes. Por esse motivo, utilizaremos o valor definido pelo próprio DBCA, que já foi calculado considerando o valor configurado para a PGA.

Introdução ao Oracle 9i

Figura 8. Dimensionamento de blocos.

Arquivos de parâmetro e rastreamento

A inicialização do BD utiliza o arquivo de parâmetros de inicialização (pfile – parameter file), também conhecido como init.ora, para a adoção dos parâmetros do BD. O pfile é um arquivo texto que pode ser editado através de qualquer editor de texto não formatado. Caso seja feita alguma alteração neste arquivo após a inicialização do BD, o mesmo deverá ser finalizado (Shutdown) e inicializado (Startup) forçando novamente a utilização do pfile. Caso o BD não encontre um pfile, automaticamente será utilizado como parâmetro de inicialização o arquivo de parâmetros de inicialização do servidor (spfile – server parameter file), que é um arquivo binário e utilizado para armazenar as alterações de configuração realizadas dinamicamente. Porém, nem todos os parâmetros podem ser alterados dinamicamente. Para esses casos, deve-se utilizar o pfile. Também é possível recriar um pfile tomando como base o spfile. A opção selecionada “Create server parameter file (spfile)” criará o spfile automaticamente após a inicialização do BD.

Cada BD criado possui processos que são executados em segundo plano, sem a percepção dos usuários ou até mesmo do DBA. Quando um processo detecta um erro interno, ele gera uma informação e a armazena em um arquivo de rastreamento (trace file) associado a ele. Essas informações podem auxiliar na abertura de um chamado de suporte técnico junto a Oracle e até mesmo servir como guia para ajustes finos (tuning) na instância ou mesmo em aplicações que interagem com o BD. Deixaremos selecionada a opção de criação do spfile e manteremos as opções sugeridas pelo DBCA para nomes de arquivo e localização dos mesmos (Figura 9)

Introdução ao Oracle 9i

Figura 9. Localização dos arquivos de parâmetro e rastreamento.

Log de arquivamento (Archived Redo Log)

É possível armazenar os grupos de Redos (que serão vistos na próxima etapa) que já tenham sido totalmente preenchidos, em um ou mais destinos off-line (Figura 10). Os arquivos gerados por esse armazenamento são conhecidos como Archived Redo Log ou simplesmente Archive Log. Em outras palavras, pode-se dizer que todas as instruções SQL executadas no BD serão armazenadas em arquivos físicos para uso posterior caso necessário. Essas necessidades podem ser:

  • Recuperação do BD (Recover Database);
  • Atualização de um BD em estado de prontidão (Standby Database);
  • Obter informações do histórico do BD através do utilitário LogMiner.

É importante considerar que como os Archive Logs são arquivos armazenados fisicamente, deverá haver estrutura em disco suficiente para armazenar estes arquivos, caso contrário o BD travará por falta de espaço. Esta estrutura em disco deverá ser multiplicada pelo número de destinos configurados, caso se opte pela redundância de informações por segurança.

Introdução ao Oracle 9i

Figura 10. Modo de arquivamento.

Podemos definir também o formato do nome do arquivo gerado através dos parâmetros:

  • %T – Número da thread, preenchido por zero à esquerda;
  • %t – Número da thread;
  • %S – Número seqüencial do log, preenchido por zero à esquerda;
  • %s – Número seqüencial do log.

7ª Etapa: Armazenamento de BD

Aqui, os recursos de armazenamento em disco deverão estar muito bem definidos para um bom funcionamento do BD, adquirindo performance e mantendo a confiabilidade em casos de danos. É nesse momento que iremos configurar os arquivos de controle (control file), as tablespaces, os arquivos de dados e os grupos de Redo Log.

Arquivo de controle (Control File)

É um arquivo binário necessário para que o BD seja inicializado e operado normalmente. Ele é alterado constantemente durante o funcionamento do BD e deve estar sempre disponível para leitura e escrita enquanto o BD estiver aberto.

Este arquivo contém informações sobre o BD que são necessárias para que a instância possa acessá-lo, tanto na inicialização quanto em operação normal. Nem os usuários ou DBA tem acesso a modificar o conteúdo do arquivo de controle, é uma tarefa exclusiva do Oracle. São armazenados no arquivo de controle informações sobre:

  • O nome do BD;
  • Nome e localização dos arquivos de dados e arquivos de Redo on-line;
  • Tablespaces;
  • Archive Logs;
  • Sincronização entre arquivos de dados e arquivos de Redo.

Uma boa prática é a utilização de espelhamento, ou seja, mais de um arquivo de controle em unidades de disco diferentes. Não se trata de cópia, e sim espelhamento, pois cada um dos arquivos de controle é idêntico e mantido com a mesma alteração simultaneamente. Com isso, a eventual perda de um arquivo de controle não acarretará em parada do BD e dores de cabeça para o DBA.

A Figura 11 mostra a configuração do arquivo de controle, onde precisamos colocar apenas o nome escolhido para o arquivo (cuja extensão é .ctl) e definir os nomes e localizações dos espelhos. Em nosso caso, é definido o arquivo de controle como ctrl_SQLMAG_01.ctl no diretório base de instalação do Oracle ({ORACLE_BASE}\oradata\{DBNAME}) e os espelhos (no caso, dois) nas unidades “D:” e “E:”.

 

Introdução ao Oracle 9i

Figura 11. Definição dos arquivos de controle (controlfile).

Tablespaces

Um BD Oracle é dividido em uma ou mais unidades lógicas de armazenamento chamadas de Tablespaces, que agrupa as estruturas lógicas relacionadas (Figura 12).

Introdução ao Oracle 9i

Figura 12. Estrutura do BD e Tablespace.

Cada BD é dividido logicamente em uma ou mais Tablespaces, que por sua vez pode conter um ou mais arquivos de dados (Data Files, que veremos na próxima etapa) para armazenar fisicamente todos os dados criados na estrutura lógica. A capacidade total de armazenamento da Tablespace será a somatória da capacidade de cada arquivo de dados. Conforme a Figura 12, a Tablespace USERS possui uma capacidade de armazenamento de 4 Mb enquanto a Tablespace SYSTEM possui 2 Mb (1 Mb + 1 Mb) de capacidade. A medida que a capacidade de armazenamento da Tablespace vai se esgotando, pode-se adicionar arquivos de dados à mesma, aumentando assim sua capacidade de armazenamento.

Introdução ao Oracle 9i

Figura 13. Definição das Tablespaces

A Tablespace SYSTEM é obrigatória, pois nela está contido o dicionário de dados do BD, necessário para sua inicialização. O restante é configurado de acordo com a necessidade, criando-se Tablespace para dados dos usuários e outra exclusiva para índices, por exemplo. O DBCA já define algumas Tablespaces automaticamente, cabe a nós aceitar as sugestões ou, remover ou adicionar (botão “Add”) configurando alguns dos parâmetros do arquivo de dados (Figura 13).

A vantagem de configurar Tablespaces diferentes para objetos diferentes é que podemos definir os arquivos de dados em discos separados, eliminando a concorrência e mantendo a organização em nosso BD.

Arquivos de dados (Data Files)

Cada arquivo de dados estará associado a uma única Tablespace em um único BD.

O sistema operacional é responsável por alocar e gerenciar fisicamente os arquivos de dados. Caso o arquivo de dados seja muito grande, o processo de gerenciamento do mesmo sofrerá um acréscimo de tempo, comprometendo assim a performance do sistema.

A opção “Status” define se o arquivo de dados estará Online ou Offline, ou seja, se o arquivo estará disponível ou não para ser gravado. Em nosso caso, como estamos criando o BD, utilizaremos a opção Online, já no caso de um BD existente, poderíamos colocar o arquivo de dados Offline para poder efetuar um backup, por exemplo.

Na guia “Geral” (Figura 14), configuramos o nome e localização do arquivo, seu tamanho inicial e se o sistema operacional irá reutilizar o arquivo (sobrescrevendo-o) caso já exista.

image028.jpg

Figura 14. Definição dos arquivos de dados.

Na guia “Armazenamento” (Figura 15), é definido o modo de crescimento do arquivo de dados através do incremento, e definido também se este arquivo de dados terá um tamanho máximo ou se terá um crescimento ilimitado.

Introdução ao Oracle 9i

Figura 15. Definição dos arquivos de dados.

Duas boas práticas na criação/manutenção do BD são: a) manter os arquivos de dados com um tamanho máximo de 2GB, o que não é obrigatório, porém a própria Oracle recomenda, pois alguns sistemas operacionais não conseguem gerenciar de maneira eficaz os arquivos maiores e também para prover um ganho de performance no acesso a disco. Esta prática tem se mostrado uma constante entre os DBAs; b) armazenar em unidades de disco diferentes os arquivos de dados e de índices, o que também não é obrigatório, mas eliminará concorrência de leitura na mesma unidade proporcionando um significativo ganho de performance.

Para isso, basta configurar a localização de cada arquivo de dados através da guia “Geral”, no campo “Nome”.

Em nosso exemplo, convencionou-se que as tabelas serão criadas na tablespace USERS e os índices serão criados na tablespace INDX. Neste caso, o comando CREATE TABLE indicará a tablespace USERS e o comando CREATE INDEX indicará a tablespace INDX.

Segmentos de Rollback

Os segmentos de Rollback foram descontinuados na versão 9i, em seu lugar utiliza-se o conceito de Tablespace de UNDO. Permanece a informação apenas a título de compatibilidade com antigas versões.

Grupos de Redo Log

Todas as operações executadas no BD são armazenadas em um conjunto de arquivos (on-line Redo Log Files) responsáveis pela restauração destas informações em caso de queda da instância. O Oracle trabalha com, no mínimo, dois grupos de Redo Log. À medida que as transações vão ocorrendo, estas são armazenadas em um dos dois grupos de Redo Log (conhecido como arquivo corrente) e quando é alcançada a sua capacidade máxima de armazenamento (no nosso exemplo, 10MB definidos nesta etapa), é feita uma alteração automática do arquivo corrente (switch - motivo pelo qual deve haver no mínimo dois arquivos).

Vale ressaltar aqui que no momento em que o último grupo de Redo Log é preenchido, é efetuado automaticamente o switch e o primeiro grupo passa a ser sobrescrito. Se não estivéssemos trabalhando no modo de arquivamento automático (definido na 6º etapa – Figura 10) não teríamos mais os dados de recuperação daquele grupo de Redo Log.

No caso dos Redo Logs, as boas práticas são:

  • utilizar espelhamento dos grupos de Redo Log, ou seja, adicionar membros (locais para criação do arquivo de Redo Log) a cada um dos grupos. Estes membros são espelhos entre si, contendo o mesmo conteúdo e sendo totalmente sincronizados. Os membros de cada grupo devem ser configurados alocando-os em unidades de disco diferentes. Isto promove segurança pois caso haja algum problema e um membro esteja corrompido, um outro membro (espelho) será utilizado para a recuperação da instância. O espelhamento dos Redo Logs não é feito através do DBCA, portanto iremos implementar manualmente através da edição dos scripts;
  • o ideal é que seja feita a alteração do arquivo corrente (Switch) entre 20 e 30 minutos. Para isso acontecer é necessário um bom conhecimento de como o BD irá se comportar para a organização, ou seja, é preciso ter uma noção da quantidade de transações que irão ocorrer quando o BD entrar em produção, pois o switch é executado automaticamente quando o grupo é preenchido. Esta informação é necessária para especificar o tamanho dos Redo Logs de maneira que não sejam muito grandes, sofrendo switchs em um prazo muito longo, ou muito pequenos, sofrendo switch em um prazo muito curto. O dia-a-dia do BD vai permitir que o DBA defina estes valores e, apesar de não ser possível redimensionar o tamanho dos Redo Logs, é possível excluir os atuais e recriá-los com os novos tamanhos definidos com base no comportamento do BD.
Introdução ao Oracle 9i

Figura 16. Definição dos grupos de redo logs.

A configuração (Figura 16) é feita simplesmente selecionando o grupo e alterando os valores na guia “Geral”. No caso do espelhamento, não há como configurar através do DBCA. Este procedimento será feito na edição dos scripts de criação do BD.

8ª Etapa: Opções de criação

A última etapa da utilização do DBCA é justamente a escolha de finalização do processo de criação do BD.

Pode-se iniciar a criação do BD, utilizar as configurações efetuadas para criar um gabarito, gerar os scripts de criação do banco ou qualquer combinação das três opções (Figura 17).

Introdução ao Oracle 9i

Figura 17. Opções finais do DBCA.

No nosso exemplo iremos selecionar apenas a opção de geração dos scripts e clicar no botão finalizar. Após a conclusão do processo, os scripts estarão criados (Figura 18) e prontos para a execução ou edição.

Introdução ao Oracle 9i

Figura 18. scripts de criação do BD gerado

Edição dos Scripts de Criação do BD

A partir de agora iremos iniciar a edição dos scripts gerados pelo DBCA (Listagem 1) para adequar alguns parâmetros à nossa realidade. Descreveremos a função de cada arquivo, porém mostraremos apenas os arquivos que irão sofrer uma alteração para adequarmos ao nosso exemplo.

23/06/2004 - 08:55 - 945 SQLMag.bat

23/06/2004 - 08:55 - 983 CreateDB.sql

23/06/2004 - 08:55 - 731 CreateDBFiles.sql

23/06/2004 - 08:55 - 631 CreateDBCatalog.sql

23/06/2004 - 08:55 - 579 postDBCreation.sql

23/06/2004 - 08:55 - 2.939 init.ora

Listagem 1. arquivos gerados para criação do BD.

Arquivo SQLMag.bat

É o responsável pela criação dos diretórios e chamada de execução dos scripts. Esse é o arquivo que será executado para criar o BD.

Arquivo CreateDB.sql

O primeiro script que o arquivo SQLMag.bat chamará para execução. É o responsável pela instrução CREATE DATABASE utilizando os parâmetros configurados através do DBCA.

Listagem 2

connect SYS/change_on_install as SYSDBA

set echo on

spool C:\oracle\ora92\assistants\dbca\logs\CreateDB.log

startup nomount pfile="C:\oracle\admin\SQL_Mag\scripts\init.ora";

CREATE DATABASE SQL_Mag

MAXINSTANCES 1

MAXLOGHISTORY 1

MAXLOGFILES 5

MAXLOGMEMBERS 3

MAXDATAFILES 100

DATAFILE 'C:\oracle\oradata\SQL_Mag\system01.dbf' SIZE 250M REUSE AUTOEXTEND ON NEXT  10240K MAXSIZE UNLIMITED

EXTENT MANAGEMENT LOCAL

DEFAULT TEMPORARY TABLESPACE TEMP TEMPFILE 'C:\oracle\oradata\SQL_Mag\temp01.dbf' SIZE 40M REUSE AUTOEXTEND ON NEXT  640K MAXSIZE UNLIMITED

UNDO TABLESPACE "UNDOTBS1" DATAFILE 'C:\oracle\oradata\SQL_Mag\undotbs01.dbf' SIZE 200M REUSE AUTOEXTEND ON NEXT  5120K MAXSIZE UNLIMITED

CHARACTER SET WE8MSWIN1252

NATIONAL CHARACTER SET AL16UTF16

LOGFILE GROUP 1 ('C:\oracle\oradata\SQL_Mag\redo01a.log', 'D:\oracle\oradata\SQL_Mag\redo01b.log') SIZE 102400K,

GROUP 2 ('C:\oracle\oradata\SQL_Mag\redo02a.log', 'D:\oracle\oradata\SQL_Mag\redo02b.log') SIZE 102400K,

GROUP 3 ('C:\oracle\oradata\SQL_Mag\redo03a.log', 'D:\oracle\oradata\SQL_Mag\redo03b.log') SIZE 102400K;

spool off

exit;

Listagem 2. conteúdo do script CreateDB.sql editado

As informações em negrito são relativas às adições executadas no script. Elas não são configuradas pelo DBCA e foram inseridas com objetivo de criar o espelhamento de Redo Logs.

Arquivo CreateDBFiles.sql

É responsável pela criação das Tablespaces e arquivos de dados “opcionais” criados na 7º etapa – Figuras 13 e 14

 Como não teremos nada de novo em relação ao que foi criado na etapa 7, o script não sofrerá alteração.

Arquivo CreateDBCatalog.sql

É responsável pelas tarefas de criação das visões (Views) do dicionário de dados, compatibilidade de importação e exportação entre as versões 7 e posteriores, possibilidade de uso da linguagem

Arquivo postDBCreation.sql

Finalmente, o ultimo script a ser executado. Responsável pela chamada do script que recompila qualquer eventual módulo PL/SQL inválido, é responsável também em fazer a inicialização do BD e criação do arquivo de configurações do servidor (spfile).

Arquivo init.ora

Este é o arquivo de parâmetro de configuração (pfile) que o DBCA cria a partir dos valores configurados durante sua execução. Será utilizado na inicialização do BD e também como base para a criação do arquivo de configurações do servidor.

Conclusões

Neste artigo pudemos entender, na prática, a criação de um banco de dados Oracle 9i. Percebemos que o Oracle possui uma estrutura bastante complexa e, em contrapartida, inúmeros recursos para implementação de segurança, performance e confiabilidade.

Espero que tenha sido bastante útil e não hesitem em enviar-me e-mail com suas dúvidas e sugestões, pois terei o maior prazer em elucidar e proporcionar mais e melhores leituras. Até a próxima parte deste artigo!

Clique aqui para ler esse artigo em PDF.Introdução ao Oracle 9i

Introdução ao Oracle 9i


Clique aqui para ler todos os artigos desta edição

por Ricardo Rezende

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?