O IDE Eclipse - Revista easy Java Magazine 19 - Parte1

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (3)  (0)

Este artigo inicia a exploração dos recursos oferecidos pelo IDE Eclipse. Nesta primeira parte da série destacam-se a utilização do editor Java e a refatoração, os quais aumentam a produtividade do desenvolvedor

Atenção: esse artigo tem um vídeo complementar. Clique e assista!

Do que se trata o artigo:

Este artigo inicia a exploração dos recursos oferecidos pelo IDE Eclipse. Nesta primeira parte da série destacam-se a utilização do editor Java e a refatoração, os quais aumentam a produtividade do desenvolvedor.

Em que situação o tema é útil:

O uso de um IDE é imprescindível no trabalho de desenvolvimento, por isso o estudo dessas ferramentas é fundamental no sentido de minimizar o esforço para realizar determinadas tarefas. Dessa forma o profissional tem mais tempo para se dedicar a atividades que requerem raciocínio lógico.

Resumo DevMan:

O Eclipse é um Ambiente Integrado de Desenvolvimento cujo projeto foi iniciado pela IBM. Desde a sua criação no final dos anos noventa, este vem agregando mais recursos que o tornam um IDE muito popular. O Eclipse, atualmente, permite sua utilização com diversas linguagens além de Java, tais como C/C++, Python e PHP. No entanto, o foco deste trabalho é o desenvolvimento em Java. Nesta primeira parte da série que estamos iniciando, destacamos o uso do editor Java e os recursos de refatoração. Mostramos também o uso dos assistentes e geradores de código para criar uma classe, quase que integralmente, sem necessidade de digitação de código. Finalmente, destacamos o uso dos atalhos, principalmente o acesso rápido – ou Quick Access.

No final dos anos 90 a IBM iniciou o projeto de um ambiente que pudesse integrar ferramentas de desenvolvimento da própria IBM, de seus clientes e de terceiros. Este ambiente, que deveria prover compatibilidade entre as diversas ferramentas, tornou-se o embrião do que hoje é o Eclipse.

Esta ferramenta de desenvolvimento, chamada de Ambiente Integrado de Desenvolvimento (IDE), começou a ser criada em novembro de 1998. E, simultaneamente a isso, a IBM iniciou a preparação de equipes para criar novos produtos construídos sobre esta plataforma.

Diante da dificuldade inicial em encontrar parceiros comerciais que investissem no novo projeto, a IBM decidiu adotar o modelo open source. Assim, juntamente com outras oito organizações, a IBM criou o consórcio Eclipse. Para participar desse consórcio o único compromisso era usar a plataforma internamente e desenvolver produtos baseados nela.

A partir daí, o consórcio decidiu assumir as relações comerciais e o marketing, e deixou o código sob o controle da comunidade open source. A partir da abertura do código fonte, grande parte das contribuições ao desenvolvimento do Eclipse veio dos parceiros comerciais da IBM, que continuava sendo o maior colaborador, tanto em conteúdo quanto de recursos financeiros e de pessoal.

Em 2004, com o objetivo de desvincular o projeto da IBM, foi criada a Eclipse Foundation. Esta fundação é independente, não tem fins lucrativos, possui sua própria equipe e é mantida através de doações das próprias organizações que dela fazem parte como membros.

Após essa mudança, foi lançado o Eclipse 3.0 e em seguida o Eclipse 3.1, que atingiram um nível de aceitação muito maior que as versões anteriores. Atualmente o IDE está na versão 3.7, também denominado Eclipse Indigo.

O Eclipse é um IDE conhecido mais comumente para desenvolvimento em Java, no entanto, por meio de plug-ins, ele pode ser usado para desenvolver aplicações em várias linguagens, como C/C++, Python, PHP e inclusive para a plataforma Android.

Nesta primeira parte da série faremos inicialmente uma breve apresentação do ambiente e em seguida destacaremos com mais detalhes o uso do editor e seus recursos, finalizando com uma abordagem introdutória às atividades de refatoração oferecidas pelo Eclipse.

Como obter e instalar

Para usar o Eclipse para programação Java é necessário instalar antes o Java Development Kit (JDK), cujo download pode ser feito na página oracle.com/technetwork/java/javase/overview/index.html.

A versão mais recente – e mesmo versões anteriores – do Eclipse pode ser baixada no site eclipse.org. Na página de downloads você pode selecionar o pacote desejado para um dos três sistemas operacionais: Windows, Linux ou Mac OS X. Nesta série de artigos iremos trabalhar com a versão 3.7.0, também conhecida como Indigo.

O pacote do Eclipse não é um instalador, e sim um arquivo compactado – tanto em Windows quanto no Linux – que ao ser descompactado cria um diretório denominado eclipse, onde todos os arquivos da ferramenta são copiados. Após finalizar a extração dos arquivos, para executar o IDE, simplesmente chame o arquivo executável eclipse.exe (Windows) ou eclipse.sh (Linux), que está localizado no diretório principal da ferramenta – /eclipse.

Ao iniciar o Eclipse pela primeira vez, será solicitado que você defina o workspace, conforme vemos na Figura 1.

Workspace

Workspace é o lugar – ou seja, é um diretório em disco – onde os projetos Java são armazenados por padrão. Na definição deste diretório, o IDE cria alguns arquivos dentro dele para gerenciar os projetos. Veremos mais adiante, no entanto, que um projeto pode ou não ser criado dentro do workspace.

Voltando à caixa de diálogo da Figura 1, selecione um diretório vazio ou apenas aceite a sugestão, marque a check box Use this as the default and do not ask again para não ser mais perguntado e confirme.

Mesmo que essa check box seja marcada, o usuário ainda poderá escolher outro workspace. Pois, eventualmente, o desenvolvedor pode criar mais de um workspace. Por exemplo, podemos organizar projetos Java, Android e Python em workspaces separadas. Para alternar entre esses espaços, use a opção de menu File | Switch Workspace > Other..."

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?