DevMedia
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Este é um post disponível para assinantes MVP
Este post também está disponível para assinantes da Engenharia de Software Magazine
ou para quem possui Créditos DevMedia.

Clique aqui para saber como acessar este post

1) Torne-se um assinante MVP e por apenas R$ 69,90 por mês você terá acesso completo a todos os posts. Assinar MVP

2) Adquira Créditos: comprando R$ 180,00 em créditos esse post custará R$ 1,20. Comprar Créditos

Engenharia de Software 47 - Índice

Interface Homem-Máquina - Revista Engenharia de Software Magazine 47

Este artigo serve para mostrar a importância da usabilidade e da participação do usuário durante o processo de desenvolvimento de aplicações.

[fechar]

Você não gostou da qualidade deste conteúdo?

(opcional) Você poderia comentar o que não lhe agradou?

Confirmo meu voto negativo
A necessidade da construção de uma interface amigável ao usuário é fundamental em um sistema. É o canal de comunicação entre o homem e computador, no qual são feitas as interações visando atingir um objetivo comum.
A interface faz parte do sistema computacional e determina como as pessoas operam e controlam o sistema. Quando uma interface é bem projetada, ela é compreensível, agradável e controlável. Os usuários se sentem satisfeitos e seguros ao realizar suas ações. A importância da interface se torna evidente, pois todos somos usuários e alguns aspectos reforçam esta importância, tais como: i) disseminação do uso de sistemas e equipamentos como celulares; ii) aumento da complexidade dos sistemas; iii) preocupação com a qualidade do software de acordo com a característica da usabilidade (conforme as definições da Norma ISO/IEC 9126-1).
Os objetivos da Interação Humano–Computador (IHC) são os de produzir sistemas usáveis, seguros e funcionais. Esses objetivos podem ser resumidos como desenvolver ou melhorar a segurança, utilidade, efetividade e usabilidade de sistemas que incluem computadores. Nesse contexto, o termo sistemas se refere não somente ao hardware e software, mas a todo o ambiente que usa ou é afetado pelo uso da tecnologia computacional. Durante o projeto de interface é necessário que se faça uma análise mais detalhada, como especificação de requisitos, módulo de qualidade e perfil dos usuários.
A participação do usuário durante o processo de desenvolvimento da aplicação é de extrema importância, pois ajuda a diminuir os erros, propicia a maior interação e entendimento do usuário, cativa a curiosidade e interesse e, por fim, ajuda a ter maior aceitação do produto, pois eles fizeram parte de todo o processo de desenvolvimento, ou seja, se sentem “donos” do mesmo.
Neste contexto, este artigo tem como objetivo apresentar o desenvolvimento de um website utilizando os principais conceitos de usabilidade e avaliação presentes em interface homem-máquina. Para isto, foi desenvolvido um website para o projeto AME – Construção da Identidade da Cidade de Valença/RJ e Desenvolvimento do Programa Turistico, Histórico e Cultural da Região.
Desta forma, este artigo aborda a apresentação dos conceitos de Interface Homem-Máquina, princípios de Design, as atividades básicas do Design de Interação, as dez heurísticas de Usabilidade de Nielsen e Avaliação de Interface.

Conceituando a Interação Humano-Computador
IHC tem por objetivo principal fornecer aos pesquisadores e desenvolvedores de sistemas explicações e previsões para fenômenos de interação usuário-sistema e resultados práticos para o design da interface de usuário. É o conjunto de características com o qual os utilizadores interagem com as máquinas, dispositivos, programas de computador ou alguma outra ferramenta complexa (ler Nota 1).

Nota 1. Avaliação de interface
A avaliação da interface tem como objetivos gerais validar a eficácia e a eficiência da usabilidade, conforme as tarefas que são realizadas pelos usuários e os recursos empregados tais como tempo, quantidade de erros, passos desnecessários, busca de ajuda, etc.

Dependendo da fase do projeto, a avaliação pode ser formativa (ou construtiva), que pode ser efetuada ao longo de todo o processo de design usando cenários, storyboards e protótipos do sistema, ou pode ser somativa (ou conclusiva), normalmente feita nas etapas finais de cada ciclo do desenvolvimento, usando o produto (ou protótipo intermediário ou final) funcionando.

Assim, o processo de avaliação não deve ser entendido como uma atividade isolada a ser efetuada somente ao final do projeto de interação. Ele deve ocorrer durante todo o ciclo de vida do desenvolvimento do sistema, avaliando os resultados e fornecendo sustentação à equipe, de forma a agregar melhorias gradativas à interface.

Esta atividade interfere diretamente na garantia da qualidade do software, entretanto, um projetista não deve pressupor que seguindo somente os métodos e princípios estabelecidos no projeto, obterá a qualidade do sistema. Deve-se considerar que cada usuário é uma pessoa ímpar e, neste caso, não é prudente aplicar a avaliação individualmente para atestar isto. É necessário avaliar também o contexto onde ele está inserido.
"

A exibição deste artigo foi interrompida

Este post está disponível para assinantes MVP.



A DevMedia é um portal para analistas, desenvolvedores de sistemas, gerentes e DBAs com milhares de artigos, dicas, cursos e videoaulas gratuitos e exclusivos para assinantes.

O que você achou deste post?
Serviços

Mais posts