Revista MSDN Magazine Edição 16 - XPath sem Traumas

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (1)  (0)

Artigo Originalmente Publicado na MSDN Magazine Edição 16

msdn16_capa.jpg

Clique aqui para ler todos os artigos desta edição

 

XPath sem Traumas

Por Fábio Vazquez

Este artigo discute

Este artigo usa as seguintes tecnologias:

·          O que é XPath e seus métodos

·          Como gerar e ler XML

·          Pesquisar dados com XPath

XML, C#

 

Download:

xxx.zip (xxKB)

Chapéu

XPath

 

 

Não é à toa que vemos poucos desenvolvedores usando os recursos maravilhosos disponibilizados por tecnologias como XPath (XML Path Language) e XSLT (Extensible Stylesheet Language Transformation): elas podem realmente parecer muito complexas. O objetivo deste artigo é dar uma visão de algumas utilizações práticas da linguagem de consulta XPath. Não detalharei questões intrincadas que envolvem a interpretação da sintaxe das expressões XPath, mas tentarei despertar a atenção do leitor para alguns usos interessantes proporcionados por esta tecnologia. Este artigo assume que o leitor já tenha familiaridade com os conceitos da tecnologia XML.

 

Faça o simples antes. Deixe o complicado para depois

Como qualquer consumidor convencional, nós, consumidores de tecnologia, precisamos ter a nossa atenção despertada para que criemos o interesse por algum produto tecnológico. Se algo parece muito complexo a primeira vista, pode até estimular o interesse de alguns, mas a maioria não chegará a ter desejo por usar a tecnologia, seja porque ela é demasiadamente complexa ou porque esta pessoa simplesmente não entende o que está a sua frente. XML em geral e as tecnologias acessórias como XPath, XSLT, XSD e outras, são baseadas em princípios altamente consolidados para desenvolvedores, como hierarquias, relacionamentos, caminhos, tipos de dados, gramáticas, entre outros. Por esta razão, não podemos deixar de usá-las porque as achamos complexas ou desnecessárias.

Por serem baseados em texto, os documentos XML são facilmente lidos e interpretados, não somente por diferentes linguagens e plataformas operacionais, mas também pelo ser humano. Por exemplo, o documento mostrado na Listagem 1 é fácil verificar que se trata da representação de alguns pedidos e os seus respectivos itens. Mais precisamente, os pedidos do cliente “TRAIH” do database Northwind, que é distribuído com o Microsoft SQL Server 2000.

 

Listagem 1 - Documento XML hierárquico gerado a partir de um DataSet.

xml version="1.0" standalone="yes"?>

<PedidosItens>

  <Pedidos>

    <OrderID>10574OrderID>

    <OrderDate>1997-06-19T00:00:00.0000000-03:00OrderDate>

    <Itens>

      <OrderID>10574OrderID>

      <ProductID>33ProductID>

      <UnitPrice>2.5000UnitPrice>

      <Quantity>14Quantity>

      <Discount>0Discount>

    Itens>

    <Itens>

      <OrderID>10574OrderID>

      <ProductID>40ProductID>

      <UnitPrice>18.4000UnitPrice>

      <Quantity>2Quantity>

      <Discount>0Discount>

    Itens>

    <Itens>

      <OrderID>10574OrderID>

      <ProductID>62ProductID>

"

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?