Teoria de gestão de equipes aplicado ao Scrum

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (5)  (0)

Este artigo apresenta teorias que se relacionam a formação de equipes no Scrum, de forma simples e sucinta, sem maiores retenções, destaca-se aqui teorias administrativas e de processos.

Este artigo tem como objetivo, apresentar as teorias relacionadas a forma de atuação do Scrum e da gestão de equipes dentro de projetos.

O desenvolvimento de projetos envolve diversos recursos, entre ele temos recursos tecnológicos e humanos, sendo este último, um dos fatores de sucesso e insucesso de projetos. Segundo Martins as pessoas que trabalham em equipe eficaz cita as seguintes características:

  • Eu sei o que preciso fazer e os objetivos da equipe são claros;
  • Todos assumem um certo grau de responsabilidade pela liderança;
  • Existe participação ativa de todos;
  • Eu me sinto valorizado e apoiado pelos outros;
  • Os membros da equipe me escutam quando eu falo;
  • Diferenças de opinião são respeitadas;
  • Nós gostamos de trabalhar juntos e achamos nosso convívio prazeroso e divertido.
Gestão de Equipes Scrum

Desta forma, é possível notar que o Scrum, auxilia a integração e a motivação da equipe, pois busca ir aos anseios da necessidade do trabalho em grupo, dando autonomia e melhorando a comunicação entre os envolvidos.

Em projetos Scrum a equipe tem a responsabilidade, ou seja, não há centralização de autoridade, Keelling corrobora “o conceito de empowerment esta baseado em pesquisas que demonstram que as pessoas têm uma necessidade humana inerente de controlar seu próprio ambiente e importantes aspectos do trabalho”. A equipe Scrum, não tem o papel de gerente de projetos, os novos papéis são o de ScrumMasquer que segundo Schwaber e Beedle, 2001; Schwaber,2004) deve remover impedimentos ao progresso da equipe, ou seja, ele não manda na equipe, ele é um lider servidor, que facilita o trabalho da equipe e mantem todos dentro do Scrum, isto por que o ScrumMaster segundo Cohn não tem autoridade sobre os membros da equipe Scrum, ele tem autoridade sobre os processos, sendo que sua importância está em ajudar a pôr em prática o Scrum.

O Scrum atua de forma auto-organizado, eliminando papeis, dando as pessoas, segundo Cohn, uma visão que vá além de suas especialidades e ajuda a equipe de todas as maneiras possíveis. Alem disso, equipes Scrum são pequenas, Segundo Putnam apud Cohn “Quanto menor o tamanho da equipe, mais produtivo cada membro é” desta forma o Scrum indica equipes que vão de 5 a 20 integrantes.

“Equipes grandes (vinte e nove pessoas) geram cerca de seis vezes mais defeitos do que equipes pequenas (três pessoas) e, obviamente, gastam mais dinheiro. Mesmo assim, a equipe grande parece produzir aproximadamente a mesma quantidade de resultados em apenas doze dias a menos em média.” (Ainda segundo Phillip Armour apud Cohn 2012).

Com base nas pesquisas, e segundo Cohn o mais indicado é trabalhar com equipes de 3 a 11 pessoas, acima deste valor a produtividade começa a reduzir, devido a redução de comunicação entre os membros da equipe e outros fatores comportamentais.

A ideia por trás do trabalho das equipes Scrum é a sociabilização da equipe, além da comunicação, ou seja, utilizar uma abordagem social e não individual.

“A administração não pode tratar os empregados, um a um, como se fossem átomos isolados. Precisa tratá-los como membros de grupos e sujeitos às influências sociais desse grupo. Os trabalhadores não reagem à Administração, às suas decisões, normas, recompensas e punições como indivíduos isolados, mas como membros de grupos sociais e cujas atitudes são influenciadas por códigos de conduta grupais. É a teoria do controle social sobre o comportamento individual” (Chiavenato, 2006).

Desta forma a base das equipes dentro dos processos Scrum, se dá pela autonomia, comunicação e integração da equipe, buscando assim, uma melhoria de produtividade geral.

Por este motivo, que o Scrum não tem um Gerente funcional ou de projetos, a equipe é auto-organizada, ou seja, os processos são definidos pela própria equipe, sendo um dos principíos do Manifesto Ágil “as melhores arquiteturas, requisitos e designs emergentes de equipes auto-organizadas” (Beck et. al. 2007)

Alem disso, o manifesto ágeis prioriza pessoas e interações, mais do que processos e ferramentas, seguindo a base de diversas teorias conforme já visto, assim, no Scrum, o trabalho baseia-se em:

  • Equipe auto-organizada e auto-gerenciável, de forma que a própria equipe define o que vai fazer e cria um ritmo;
  • Comunicação constante através de reunião de planejamento de Sprint, reuniões diárias e reuniões de revisão do Sprint;
  • Todas as reuniões com tempo pré-determinado, evitando-se assim que as reuniões torne-se cansativa e sem foco.

Outro ponto positivo na utilização desta metodologia é o aprendizado em equipe, pois a cada reunião, todos aprendem com o debate sobre os problemas e soluções aplicadas, de forma que a equipe passa a ter um aprendizado continuo.

Alem disso, o Scrum possui características funcionais de um sistema aberto, segundo Chiavenato “O sistema aberto é aplicável à organização. Ela é um sistema criado pelo homem e mantem uma dinâmica interação com o seu meio ambiente, seja clientes, fornecedores e equipe.”(2006).

Entre as características de sistemas abertos nos processos do Scrum temos a Homeostasia, que segundo Chiavenato é a tendência do sistema em permanecer estático ou em equilíbrio, os itens que tem esta característica no Scrum são as reuniões, que possuem time-box fixas. Adaptabilidade também faz parte do estado do Scrum, em que a mudança do sistema no sentido de ajustar padrões requeridos, a cada interação, pode-se fazer ajustes, buscando melhoria dos processos.

Outro ponto importante das equipes Scrum é a sua resiliência, que é a capacidade de superar o distúrbio importo por fenômenos externos, pois o desenvolvimento deve ser adaptável e dinâmico.

Desta forma, pode-se notar que o Scrum tem como base, conceitos teóricos de peso, sendo atualmente um dos modelos ágeis mais conhecidos e adotados do momento.

Um outro fato que pode atrapalhar equipes de projetos, é que como os projetos são temporários, as equipes também o são, de forma que, semelhante a um tipo de futebol que não treina junto, na hora do jogo, falta integração, o mesmo pode acontecer com a equipe, logo, pode ser indicado que, as equipes atuem juntas em mais de um projeto, promovendo a integração entre os membros e melhorando a atuação da equipe.

“Você deve favorecer uma configuração que permita que a participação na equipe persista por um período maior. Leva tempo para as pessoas aprenderem a trabalhar bem juntas. Amortize o custo desse aprendizado no decorrer de um período maior tentando deixar as equipes reunidas o máximo que puder, se possível encontrando até mesmo uma estrutura de equipe que continue depois do projeto”

Conclusão

Os projetos dependem das pessoas para serem desenvolvidas, nota-se que o modelo tradicional, pode trazer problemas como falta de comunicação entre os membros, além de desmotivação e problemas de hierarquia, o Scrum, tem um modelo de gestão de pessoas atualizado com as teorias de gestão, além de buscar uma comunicação continua e integração com o cliente, o que traz como resultados, softwares de maior qualidade, outro ponto a ser considerado é o fato de que os projetos sendo temporários, cria equipes temporárias, podendo dificultar no relacionamento e comunicação, desta forma, indica-se, conforme apresentado, uma permanência maior da união da equipe, de forma que estejam integrados e que possibilitem melhores resultados.

Até o próximo artigo.

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?