Esse artigo faz parte da revista Clube Delphi Edição 102. Clique aqui para ler todos os artigos desta edição

Boas Práticas

Aplicando MVC em Delphi

Aprenda a aplicar este poderoso pattern em suas aplicações

Neste artigo veremos

·         Padrões de Projeto;

·         MVC;

·         Boas Práticas;

·         UML;

Qual a finalidade?

·         Modelar um cadastro de contato utilizando o padrão estrutural MVC como realmente ele deve ser, aplicando padrão de projeto Observer.

Quais situações utilizam esses recursos?

·         Mais do que separar em camadas, o MVC deve ser utilizado quando se pretender aumentar o nível de abstração de uma aplicação, diminuir o forte acoplamento entre os componentes da mesma, porém mantendo a comunicação entre eles.

Resumo do DevMan

O padrão de projeto MVC surgiu pela primeira vez em 1979 no projeto Smalltalk na Xerox por Trygve Reenskaug, e na minha opinião foi uma das maiores contribuições na área do desenvolvimento de softwares de todos os tempos pelo menos para a época em que surgiu. De lá pra cá diversas variações do MVC surgiram e a mais conhecida é a MVP (Model View Presenter) que devido a falta de material consistente sobre como o MVC tem que ser, causa grande confusão até em programadores experientes.

 

Nos últimos anos, temos visto um aquecimento em todas as áreas da economia e a área de TI tem um papel importantíssimo nesse crescimento, pois independente do setor todos estarão direta ou indiretamente ligados a ela. Com todo esse crescimento as necessidades também aumentam a demanda por softwares de qualidade da mesma forma e a única coisa que diminui é o prazo que já era curto e agora está ainda mais apertado.

Não há para onde escapar. As empresas de desenvolvimento de softwares têm contratado consultorias especializadas para poder atender a demanda de seus clientes. Seus softwares, que outrora atendiam, já não atendem mais. Com isso (isso digo por experiência própria), são apresentados a essas empresas e suas equipes técnicas, padrões e boas práticas de desenvolvimento que eram desconhecidas por eles. Digo isso para poder justificar o porquê de se ouvir falar tanto em padrões de projeto, boas práticas, OO, etc. Como disse Steve Jobs certa vez:

 

Você não pode simplesmente perguntar ao usuário o que ele quer e tentar dar-lhe isso, quando você conseguir terminar o produto o usuário estará querendo outra coisa.

 

Eu vejo essa mudança de cenário com bons olhos, aliás com ótimos olhos, pois isso elevará o nível das empresas brasileiras, de sua equipe e conseqüentemente o nível da população de TI do Brasil.

Não podemos ficar fora deste cenário, por isso veremos neste artigo como introduzir nossas aplicações feitas em Delphi nesse novo cenário. Como aplicar em nossas aplicações essas técnicas e boas práticas e assim aumentar o nível de nossas aplicações? Óbvio que falar em boas práticas é falar de diversas soluções reutilizáveis para construção de softwares orientados a objetos eficientes e que em uma única edição não é possível abordar, assim o foco deste artigo será o pattern arquitetural MVC em conjunto com o padrão Observer. Assim vamos ao que interessa.

 

Padrões de Projeto

O conceito de padrão de projeto foi usado pela primeira vez na década de 70 pelo arquiteto e urbanista austríaco Christopher Alexander. Ele observou na época que as construções, embora fossem diferentes em vários aspectos, todas passavam pelos mesmos problemas na hora de se construir. Eram problemas que se repetiam em todas elas e na maioria das vezes numa mesma fase da construção.

Foi ai que Christopher resolveu documentar esses problemas e mais do que isso, passou também a documentar as soluções que eram aplicadas para resolução destes problemas. Entenda que até agora não há nada de programação ou informática e sim projetos, plantas, métricas, definições. Nesse momento surgiam os padrões de projetos para a engenharia civil, padrões esses que descreviam os problemas recorrentes em um projeto de engenharia e a solução reutilizável para este problema. Em seus livros Notes on the Synthesis of Form, The Timeless Way of Building e A Pattern Language Christopher estabelece que um padrão deva ter as seguintes características:

 

·         Encapsulamento;

·         Generalidade;

·         Equilíbrio;

·         Abstração;

·         Abertura;

·         Combinatoriedade.

 

Ou seja, um padrão deve ser independente. Deve permitir a construção de outras realizações. Deve representar abstrações do conhecimento cotidiano. Deve permitir a sua extensão para níveis mais baixos de detalhe e deve ser relacionado hierarquicamente. E assim, foram definidos os padrões para projetos na engenharia civil.

Anos mais tarde Erich Gamma, Richard Helm, Ralph Johnson e John Vlissides iniciaram suas pesquisas baseados nos trabalhos de Alexander. Também conhecidos como GOF (Gang of Four) eles começaram a descrever e documentar os problemas e soluções para desenvolvimento de softwares orientados a objetos e em 1995 lançaram o livro que ser tornou um fenômeno na área de análise e desenvolvimento de software: Design Patterns: Elements of Reusable Object-Oriented Software.

Neste momento iniciava-se uma nova fase no desenvolvimento de sistemas, pois agora havia um padrão a ser seguido, e cada padrão apresentando uma solução que poderia se reutilizada várias vezes para solucionar aqueles problemas recorrentes no desenvolvimento de software. Os padrões GOF, como são conhecidos, se dividem em três grandes categorias: criacionais, estruturais e comportamentais somando 23 no total.

 

Nota do DevMan

Os 23 padrões do GOF são:

Padrões Criacionais

         Abstract Factory

         Builder

         Factory Method

         Prototype

         Singleton

Padrões Estruturais

         Adapter

         Bridge

         Composite

         Decorator

         Façade

         Flyweight

         Proxy

Padrões Comportamentais

         Chain of Responsability

         Command

         Interpreter

         Iterator

         Mediator

         Memento

         Observer

         State

         Strategy

         Template Method

         Visitor.

 

Obviamente que o intuito deste projeto não é focar em Padrões de Projeto, isso poderá ser feito em artigos posteriores onde poderemos demonstrar como aplicá-los em Delphi, porém gostaria de rapidamente falar sobre interfaces que são os pilares dos padrões de projetos e que por sinal faremos dela, ao programarmos, nosso exemplo MVC.

Em OO temos a herança como recurso para reaproveitar códigos e facilitar a manutenção, mas a herança em algumas linguagens como o PHP restringem-se a uma única classe. Não podemos herdar de duas ou mais classes ao mesmo tempo. Há linguagens como o C que permitem o uso de herança múltipla, porém os desenvolvedores do Delphi (pascal) optaram pelo uso de interfaces.

Interfaces nada mais são do que uma espécie de regra que a classe que a implementa deverá seguir ou ter em sua estrutura. Voltando àquela analogia básica que sempre usamos em OO, uma classe é como a planta de uma casa, algo ainda intangível, no papel e o objeto é a casa construída, algo concreto. Assim podemos aqui colocar a interface como um contrato de licitação onde estarão todas as cláusulas que ditam as regras e normas para a construção desse objeto.

Não importa qual construtora irá construir a casa, desde que esta construtora se enquadre nas regras do contrato. Assim podemos crer que a casa será construída como foi predeterminada. Na prática podemos criar uma interface em nosso modelo que terá os métodos que julgamos necessários para determinada ação e desta maneira toda a classe que implementar esta interface terá estes métodos e os implementará de acordo com a sua necessidade.

A vantagem é que uma classe pode implementar mais de uma interface e com isso manter um relacionamento é um com mais de uma estrutura

 

MVC – Model View Controller

Separar as aplicações em camadas não é algo novo no meio de desenvolvimento de softwares. A busca por aplicações de fácil manutenção inspirou grandes mentes a desenvolver técnicas e modelos que auxiliam nesta tarefa. Porém de início quero deixar claro um fato importantíssimo: separar uma aplicação em camadas pura e simplesmente não significa que você esta aplicando MVC.

A arquitetura em camadas é utilizada para separar responsabilidades em uma aplicação. Este tipo de aplicação se popularizou muito no início da década de 90 com o boom da internet, porém muitos desenvolvedores ainda não conhecem a técnica a fundo, devido a escassez de documentação eficiente sobre este padrão arquitetural. Junto com a disseminação da arquitetura em camadas, veio o ressurgimento do modelo MVC criado em Smalltalk e que traz simplicidade e coerência à View.

Tanto o modelo em camadas quanto o MVC são padrões arquiteturais muito similares e que passaram a ser continuamente confundidos. MVC e desenvolvimento em camadas são abordagens diferentes que podem ser ou não aplicados em conjunto.

A abordagem do desenvolvimento em camadas visa organizar e manter os componentes separados baseados em algum critério que na maioria das vezes é a função que este componente desempenha. Separando os componentes em grupo, conseguimos diminuir o acoplamento entre eles isolando assim a mudanças que são realizadas em uma camada para que não afetem as outras. Uma aplicação Win32 desenvolvida 100% orientada a objetos poderia sem problema algum ser separada em camadas para facilitar o desenvolvimento e manutenção. Observe o diagrama da Figura 1 e tente identificar as camadas.

 

Nota: O emprego correto do termo componente é utilizado para descrever um artefato de software que pode ser uma classe, objeto, camada, etc. Nós, que estamos familiarizados com a VCL do Delphi, tendemos a associar o termo componente com os controles utilizados na VCL. Estes últimos são identificados pelo termo controle. Assim, estarei aqui me referindo a artefatos de software como componente.

 

Figura 1. Modelo UML

 

A separação em camadas não se dá pela separação física das classes, mas sim pela separação lógica de acordo com um critério definido pelo analista/arquiteto de sistemas. No caso exposto na Figura 1 as camadas (lógicas) estão divididas segundo suas responsabilidades, na Figura 2 isso fica mais claro. Observe:

 

Figura 2. Modelo Separado em Camadas

 

Bem se separar em camadas não é MVC então o que é? Digamos que temos uma aplicação onde aplicamos a separação em camadas de acordo com a responsabilidade de cada componente. Se estes componentes estão separados, ou melhor, desacoplados então temos que de alguma forma fazer com que se comuniquem, mas que continuem independentes em sua essência. Isso realmente seria excelente, é o famoso cada um na sua, mas com alguma coisa em comum. Este tipo de abordagem torna o modelo muito eficiente. Mas como manter as interfaces gráficas atualizadas refletindo o atual estado do modelo com quem ela interage?

Deu para perceber com o questionamento que entre outras coisas o modelo MVC tem a ver com sincronização entre os componentes? As interfaces gráficas geralmente exibem o estado dos objetos de uma aplicação, e isso deve ser feito em tempo real. Qualquer alteração no objeto deverá ser refletida na hora, na View.

Outro ponto é que o usuário da sua aplicação deverá interagir com o seu modelo de negócio e ele o vai fazer através da View. Daí, vemos importância do MVC aplicado a softwares desenvolvidos em Delphi, pois por ser RAD o Delphi nos trás uma produtividade muito grande, porém isso tem um lado ruim. Se cada controle em um form for responsável por invocar métodos nos objetos o código tende a ficar repetitivo e difícil de manter. Diversas regras e rotinas poderão estar contidas dentro dos botões e demais controles no formulário. Isso torna o código poluído, de difícil manutenção e altamente acoplado, pois suas regras de negócio estão dispersas entre o modelo e a View.

É neste cenário que entra o MVC, para além de termos as camadas com suas responsabilidades, temos os componentes da aplicação interagindo entre si em tempo real onde o modelo passa a ser ativo notificando as views inscritas nele. Este modelo consiste no bom uso integrado de alguns Design Patterns (Padrões de Projeto) clássicos, como Observer e Strategy.

Se buscarmos na internet ou em livros o significado de MVC, vamos encontrar algo como:

 

Model-view-controller (MVC) é um padrão de arquitetura de software. Com o aumento da complexidade das aplicações desenvolvidas torna-se fundamental a separação entre os dados (Model) e o layout (View). Desta forma, alterações feitas no layout não afetam a manipulação de dados, e estes poderão ser reorganizados sem alterar o layout.

O model-view-controller resolve este problema através da separação das tarefas de acesso aos dados e lógica de negócio, lógica de apresentação e de interação com o utilizador, introduzindo um componente entre os dois: o Controller. MVC é usado em padrões de projeto de software, mas MVC abrange mais da arquitetura de uma aplicação do que é típico para um padrão de projeto.

 

No modelo em camadas é comum dividir a aplicação em: apresentação (interface), domínio (Model) e acesso a dados. Podemos dizer que a, grosso modo, em MVC a camada de apresentação também é separada em View e Controller.

 

Nota do DevMan

Em MVC geralmente as camadas são descritas assim:

Model: classes de domínio no seu modelo de negócio. Representa o estado do sistema.

View: parte exposta, renderiza o Model em uma forma especifica para interação (WebForm, Form, HTML, etc.)

Controller: Processa e responde a eventos, geralmente ações do usuário, invocando alterações no Model.

          

Geralmente o fluxo de iteração entre os componentes no MVC se dá na maioria das vezes da seguinte maneira: O usuário interage com a interface de alguma forma, clicando em um botão da View (no nosso caso Form). O Controller é quem recebe o estimulo provocado na View, acessando o Model, e invocando um método ou atualizando de alguma forma. O Model por sua vez notifica a(s) View’s inscritas neles para receber as atualizações. A View recebe a notificação e se encarrega de atualizar seus controles conforme a necessidade. Os diagramas das Figuras 3 e 4 expressam a seqüência dos acontecimentos.

 

Figura 3. Usuário interage com a view e o controller repassa ao modelo

 

Figura 4. O modelo notifica e View que é atualizada

 

O estímulo vindo do usuário (ou de outro componente se você está usando MVC fora de uma interface gráfica) vai para o Controller que é o componente com inteligência o suficiente para saber qual operação invocar no Model. A operação invocada pode efetuar a mudança de estado no Model. Como a View observa este, assim que a mudança de estado for realizada ela é atualizada.

Assim vemos que o diferencial do MVC para o modelo separado em camadas é que o primeiro foca em mais do que separar em camadas, mais cuida da iteração entre os componentes que fazem parte do modelo.

 

MVC no Delphi

Vamos então aplicar o conceito MVC em um pequeno exemplo feito em Delphi. Nosso exemplo focará em criar o modelo MVC. No próximo artigo daremos seqüência ao exemplo adicionando a camada de persistência e concluído assim nosso exemplo.

Como visto anteriormente, um dos desafios da arquitetura em camadas é justamente manter a camada de apresentação sincronizada com a camada de negócio. No MVC isso não é um desafio e sim parte do modelo e isso é feito aplicando o padrão de projeto Observer. O padrão Observer define uma dependência um-para-muitos entre objetos de forma que se um mudar seu estado, todos os objetos dependentes serão notificados e atualizados automaticamente. [GoF]. Este padrão é muito freqüente em projetos orientados a objetos. No Delphi este padrão está presente na notificação entre os componentes no form designer, quando um componente é removido ou inserido.

 

 

Figura 5. Modelo do padrão Observer

 

Em nosso exemplo em Delphi faremos uso do padrão Observer, então vamos a ele.

 

Nota: O exemplo será desenvolvido utilizando a versão 2006 do Delphi, porém com exceção da modelagem UML feita no Together o exemplo poderá ser construído com qualquer versão do Delphi a partir da versão 3.

 

No Delphi 2006 crie uma nova aplicação Win32 e salve-a em uma pasta padrão. Renomeie o formulário para FrmMenuPrincipal.dpr. Ainda neste projeto adicione uma nova Unit onde iremos criar nosso modelo padrão, ou seja, nossa classe básica assim como as interfaces necessárias ao padrão Observer. Salve-a como BaseModel.pas. A Figura 6 demonstra nosso modelo de classe.

 

Figura 6. Modelo de classe

 

As interfaces IObserver e IObservable são requeridas para o padrão Observer. TBaseObject será o objeto base para todas as outras classes presente em nossa aplicação. A interface IController é apenas uma sugestão que eu costumo utilizar para criar um repositório de Controller.

É evidente que utilizando o Together após fazermos a modelagem UML não há a necessidade de gerarmos o código, pois o mesmo é gerado automaticamente, porém é possível codificar manualmente para aqueles que possuem outras versões do Delphi. Veja a Listagem 1 que contém todo o código do diagrama gerado na Figura 6. Assim na Unit BaseModel.pas digite o código da Listagem 1.

 

Listagem 1. Declaração das Interfaces

IObservable = interface;

 

IObserver = Interface

  ['{65032CAD-7441-4754-A860-BFECE58D50EF}']

  procedure Update(Observable: IObservable);

end;

 

 IObservable = Interface

   ['{637D22E1-45BD-479E-96D3-39F6DD94234B}']

   procedure Atach(Observer: IObserver);

   procedure Desatach(Observer: IObserver);

   procedure Notify;

end;

 

TBaseObject = class;

 

IController = Interface

  ['{2C5753F9-473F-4D22-9FEA-28E2B84C629E}']

  procedure Save;

  function Find(ID: String): TBaseObject;

  function New: TBaseObject;

end;

 

No código da Listagem 1 temos a declaração das interfaces requerida pelo padrão Observer. A interface IObserver possui apenas um método (Update), que deverá ser implementado por toda a classe que quiser ser um observador em nosso modelo. Isso por que o observado quando for notificar os observadores irá invocar o método Update daí o porquê deste método estar presente ai. O parâmetro do tipo IObservable serve para que o observador possa saber por quem ele foi notificado. Observe que na linha um temos apenas um hint da interface IObservable. Isso é necessário, pois o compilador Delphi é Top-Down e a interface IObservable é declarada abaixo da interface IObserver e como o método Update possui um parâmetro do tipo IObservable temos que lançar mão da técnica de forward. O mesmo ocorre na declaração de TBaseObject.

Para incluí-las basta pressionar Ctrl + Shift + G dentro da declaração de sua interface. A interface IObservable possui 3 métodos, isso porque qualquer objeto que possa ser observado em um modelo deverá ter um canal para que os observadores possam se inscrever para serem notificados (Atach), da mesma forma os observadores devem possuir uma maneira de se retirar da lista de notificações (Desatach) e por fim um método para notificar os observadores que algo aconteceu. A interface IController como citei anteriormente é apenas uma sugestão para que possamos criar uma coleção de Controllers para futura manipulação.

Bem interfaces são apenas contratos, regras, declarações que precisarão ser implementados por uma classe concreta. Como no MVC nossos Model’s são Observadores então nossa BaseObject é quem vai implementar a interface IObservable e nossas views a interface IObserver. Assim vamos ao código da Listagem 2 que descreve a nossa BaseObject ainda na Unit BaseModel.

 

Listagem 2. Declaração da Classe BaseObject

TBaseObject = class(TInterfacedObject, IObservable)

private

  FObservers: TInterfaceList;

  FID: String;

  procedure SetID(const Value: String);

protected

 

public

  constructor Create;

  destructor Destroy; override;

  procedure Atach(Observer: IObserver);

  procedure Desatach(Observer: IObserver);

  procedure Notify;

published

  property ID: String read FID write SetID;

end;

 

Na Listagem 2 temos a declaração da classe que servirá de base para todas as demais em nosso modelo. A primeira consideração a fazer é em relação ao fato de herdarmos de TInterfacedObject. Isso é uma condição para todas as classes que irão implementar uma ou mais interfaces no Delphi, isso se deve ao fato desta classe já implementar 3 métodos essenciais para se trabalhar com interfaces. São eles: QueryInterface, _AddRef e _Release. Existe ainda outras classes que implementam estes três métodos e, portanto poderiam ser usadas aqui também, como TContainedObject, TInterfaceList e TInterfacedPersistent, porém a classe TInterfacedObject é a mais básica de todas elas.

Seguindo adiante temos na linha 3 um atributo privado FObservers que servirá como contêiner para todos os observadores que se inscreverem em um de nossos modelos. O campo FID e o método setId são resultado da implementação da propriedade ID. Na seção pública da nossa classe temos além do construtor e destrutor a declaração, para posterior implementação, dos métodos presentes na interface IObservable (Atach, Desatach e Notify). Vale ressaltar aqui que somente poderá ser passado como parâmetros para os dois primeiros métodos objetos produtos de uma classe que implemente a interface IObserver, ou seja, estamos garantindo que somente observadores se inscrevam na lista para serem notificados e se são observadores logo possuem sem dúvida nenhuma o método update que será invocado quando a notificação for disparada. Na Listagem 3 podemos conferir a implementação dos 5 métodos presentes em nossa TBaseObject.

 

Listagem 3. Implementação dos Métodos

procedure TBaseObject.Atach(Observer: IObserver);

begin

  FObservers.Add(Observer);

end;

 

constructor TBaseObject.Create;

var

  GID: TGUID;

begin

  FObservers := TInterfaceList.Create;

  if CoCreateGuid(GID) = S_OK then

    FID := GUIDToString(GID);

end;

 

procedure TBaseObject.Desatach(Observer: IObserver);

begin

  FObservers.Remove(Observer);

end;

 

destructor TBaseObject.Destroy;

begin

  FreeAndNil(FObservers);

  inherited;

end;

 

procedure TBaseObject.Notify;

var

  Obs: IInterface;

begin

  for Obs in FObservers do

    IObserver(Obs).Update(Self);

end;

 

Na Listagem 3 temos a implementação dos métodos outrora definidos na interface IObservable além do destrutor e construtor. O método Attach recebe como parâmetro um objeto do tipo IObserver, ou seja, todo objeto que implemente a interface IObserver poderá ser passado como parâmetro e isso é excelente, pois se uma classe que hoje não é um observador amanhã poderá ser, bastando para isso implementar a interface IObserver. E como uma classe pode implementar uma ou mais interfaces não corremos o risco dela já estar implementando uma interface como ocorre no caso da herança. Veja na terceira linha que apenas adicionamos o objeto passado como na lista de observadores.

Na seqüência temos a implementação do construtor da nossa classe. Nele instanciamos a classe TInterfaceList que irá funcionar como repositório de observadores e em seguida geramos uma nova GUID e associamos a propriedade ID do nosso objeto, assim garantimos um identificador único para cada objeto que for criado em nosso modelo de dados.

 

Nota do DevMan

TGUID é um record no Delphi utilizado para representar um GUID (Global Unique Identifier). A declaração de uma interface pode conter um GUID que é declarado como uma cadeia de caracteres entre colchetes da seguinte forma: [‘{xxxxxxxx-xxxx-xxxx-xxxx-xxxxxxxx}’] onde cada x é um digito hexadecimal 0 – F. Você pode gerar suas GUID’s no Delphi pressionando Ctrl + Shift + G no Code Editor.

 

O código do método Desattach apenas remove o objeto referido como parâmetro da lista de notificações, assim este objeto não será mais notificado. No destructor apenas destruímos o objeto TInterfaceList para, por fim, chegarmos ao tão aguardado método Notify. Este será o método chamado toda fez que o estado no objeto em questão for alterado, ou seja, ao menor sinal de iteração com o objeto o método Notify deverá ser invocado e tem um motivo óbvio para isso.

Observe na Listagem 3 que nosso código começa fazendo um loop com o método for in em nossa lista de observadores e para cada item da nossa lista invocamos o método update e passamos o próprio objeto como parâmetro para que o observador saiba por quem ele foi notificado. Assim cabe agora ao observador, que no MVC será a View, tomar a providência necessária para atualizar os dados do modelo na View. E é isso que veremos mais a frente.      

Com nossa classe base pronta vamos a criação da nossa classe de negócio que será a classe TCliente que herdará de nossa BaseObejct já “nascendo” com a possibilidade de ser observada por um observador. Assim ainda em nosso projeto no Delphi adicione mais uma Unit, salve-a como uCliente.pas e nela declare o código da Listagem 4.

 

Listagem 4. Declaração da Classe Cliente

uses BaseModel;

 

type

  TCliente = class(TBaseObject)

  private

   

  protected

   

  public

    procedure Salvar;

    function Buscar(Codigo: String): TCliente;

  published

    property Nome: String;

    property Email: String;

    property Telefone: String;

  end;

 

O código da Listagem 4 mostra a nossa classe cliente ainda sem a implementação dos métodos e property. Para gerar a implementação basta pressionar Ctrl + Shift + C. O código gerado nada mais é do que a implementação das property o que dispensa comentário e mais a implementação dos métodos Salvar, Deletar e Buscar. Esses métodos são apenas ilustrativos e estão ai para demonstrar a mudança de estado do objeto, e como estamos falando sobre MVC a cada alteração no estado do objeto os observadores, nesse caso serão as views, deverão ser notificadas.

O método salvar, quando chamado, deverá persistir o objeto em questão no banco de dados. Não á escopo deste artigo tratar de persistência, sendo assim além de invocar o método notify na implementação do método salvar você invocaria sua classe de persistência e solicitaria a ela que persistisse seu objeto. Já o método Buscar servirá para carregar na classe informações de um objeto específico. Como em OO temos o conceito de Object ID, ou seja, cada objeto em seu modelo deverá possuir um identificador único, passamos apenas o ID do objeto para que possa ser carregado no mesmo os dados referente ao objeto possuidor do ID. Como dito acima, não teremos aqui a implementação do método como um todo, pois isso também seria função da classe de persistência, porém o método notify será invocado para notificar os observadores que os dados do modelo foram alterados. Sendo assim na implementação deste dois métodos apenas invoque o método notify.

Com isso concluímos nosso Model. O mesmo já pode ser “persistido” e notificado aos observadores caso seu estado seja alterado. Passemos então a criação da nossa classe de controle.

 

Controller

Ainda neste mesmo projeto, adicione uma nova Unit e salve-a como ClienteController.pas. É nesta Unit que iremos criar a classe de controle para iterar com nosso modelo. Assim, esta classe de controle esta apresentada na Listagem 5.

 

Listagem 5. Classe ClienteController

TClienteController = class(TInterfacedObject, IController)

private

  FModel: TCliente;

  class var Finstance: TClienteController;

  constructor PrivateCreate;

protected

 

public

  class function GetInstance: TClienteController;

  constructor Create;

  destructor Destroy; override;

  procedure Save;

  function Find(ID: String): TBaseObject;

  function New: TBaseObject;

published

  property Model: TCliente read FModel;

end;

 

implementation

 

uses

  SysUtils;

 

constructor TClienteController.PrivateCreate;

begin

  inherited Create;

end;

 

constructor TClienteController.Create;

begin

  raise Exception.Create('Para Obter um ClienteController Invoque o       Metodo GetIntance');

end;

 

destructor TClienteController.Destroy;

begin

  inherited;

end;

 

function TClienteController.Find(ID:String): TBaseObject;

begin

  Result := FModel.Buscar(ID);

end;

 

class function TClienteController.GetInstance: TClienteController;

begin

  if not Assigned(Finstance) then

    Finstance := TClienteController.PrivateCreate;

  Result := Finstance;

end;

 

function TClienteController.New: TBaseObject;

begin

  FModel := TCliente.Create;

  Result := FModel;

end;

 

procedure TClienteController.Save;

begin

  FModel.Salvar;

end;

 

end.

 

Se você atentou a definição do padrão MVC e a imagem da Figura 3 irá perceber que a função do Controller é exatamente mapear as ações do usuário na View e ter inteligência suficiente para saber qual método invocar no modelo. Por isso é muito comum que você encontre no controller os métodos de CRUD, para que o usuário através da View possa invocar métodos para manipular um determinado Model. Assim começamos a declaração do nosso Controller implementando a interface IController e desta maneira temos em Controller os métodos presentes na interface IController. Já podemos então permitir a View, através do Controller, criar um novo Objeto, Buscar um Objeto e salvar alterações no modelo. Porém vamos atentar para o fato de, se o Controller tem a função que tem, não justifica ter num projeto dois ClienteController se o usuário só poderá manipular um cliente por vez (pelo menos essa e a minha abordagem).

Assim vamos aplicar a nossa classe ClienteController o padrão de projeto Singleton. Temos os métodos necessários para poder implementar o Singleton. Uma variável de classe para guardar a instância quando criada, um método de classe (GetInstance) para retornar uma instância de TClienteContoller e um construtor privado para construir nosso objeto.

Esse construtor é privado, pois o construtor público foi invalidado, observe na linha 26. Se alguém tentar instanciar um objeto do tipo TClienteController irá receber um erro. Desta forma garantimos que só teremos um único objeto instanciado em nossa aplicação, e como eu posso garantir isso? Simples. Como a única maneira de instanciar um Objeto TClienteController é através do método GetInstance, então é nele que fazemos a verificação para saber se já não há um objeto instanciado. Caso não haja um objeto instanciado então criamos um e o armazenamos na variavél FInstance. Da próxima vez que o método GetInstance for chamado não será criado um novo objeto apenas retornado o objeto que já existe.

 

Nota do DevMan

O padrão de projeto Singleton assegura que haja somente uma instância de uma classe, e fornece um ponto de acesso global para acessá-la [GoF]. Utilizado em situações onde queremos garantir que só haverá um e somente um objeto deste tipo na aplicação. Isto é feito invalidando o construtor da classe e criando um método de classe que retorne uma instancia deste objeto.

 

Há apenas uma ressalva aqui. Como disse no início do artigo que este exemplo poderia ser feito com versões do Delphi posteriores a 3, então aqueles que estiverem com versões anteriores a 2006 deverão substituir a class var por uma variável global, pois versões anteriores a 2006 não suportam class var.

Continuando no código da Listagem 5 temos os métodos que mapearão a ação do usuário na View para o Model. Assim fica simples entender o que será feito na implementação de cada método. Mais abaixo é mostrado a implementação do método Save, ele invoca o método salvar no modelo, que se encarrega que “persistir” os dados (neste artigo não abordamos isso) e notificar a View. Assim quando o usuário clicar no botão salvar o modelo mudará de estado e a View receberá a notificação e se atualizará. Isso será feito adiante.

Em seguida faz a mesma coisa porém com o método Buscar. Observe que sempre fazemos a chamada de FModel que é a propriedade do próprio Controller. porém uma propriedade somente leitura. Isso para garantir que ninguém ira passar um Model para o Controller garantindo assim que a única maneira de um Model ser associado ao Controller e através do método New, e é isto que mostra nas seguintes.

 

Cliente View

Vamos adicionar ao nosso projeto mais um formulário. Salve-o como uFrmCliente.pas e renomeie-o para FrmCliente. Relembrando, a função da View é permitir que o usuário interaja com o modelo com suas ações sendo mapeadas pelo Controller. Sendo assim temos que ter em nossa View controles visuais para podermos valorar nosso Model.

O principal será feito agora. Como no padrão MVC a View observa o modelo então temos que transformar nossa View num observador e faremos isso implementando a interface IObserver na nossa classe TFrmCliente. Desta forma o formulário de cliente é obrigado a implementar o método Update, que é extremamente importante, pois é este método que será responsável por atualizar a View. Observe a Listagem 6, ela mostra a como fica a declaração da classe cliente com a interface implementada e os demais métodos requeridos.

 

Listagem 6. Implementação da interface IObserver

TFrmCliente = class(TForm, IObserver)

  private

    FController: TClienteController;

  public

    constructor Create(AOwner: TComponent; Controller: TClienteController);reintroduce;

    procedure Update(Observable: IObservable);

  end;

 

Em primeiro lugar é notório a presença do método update, isso porque implementamos a interface IObeserver. Com isso nosso form, ou melhor, View tem que poder ser atualizado com o método update. Lembre-se que em nosso Model a cada mudança de estado invocamos o método Notify e este por sua vez faz um loop na lista de observadores e chama para cada um o método update. Ainda no código da Listagem 6 temos uma atributo do tipo TClienteController, isso para podermos guardar a referência do Controller que a View está se comunicando. Toda View tem suas ações, ou melhor, ações do usuário mapeadas para um Controller daí o motivo de ainda na Listagem 6 nos reescrevermos o construtor do nosso formulário. Observe que o construtor agora pede dois parâmetros: o owner que já é padrão para todo componente e agora também pede um Controller, assim garantiremos que ao criar uma View já teremos um Controller associado a ela. E para que isto?

Tenha sempre em mente que as ações do usuário mapeadas pela View devem ser enviadas ao Model através do Controller, por isso esta condição de só criarmos uma View com um Controller previamente criado. A implementação dos métodos explica-se por si só. Observe a Listagem 7.

 

Listagem 7. Implementação dos Métodos da View

constructor TFrmCliente.Create(AOwner: TComponent;

  Controller: TClienteController);

begin

  inherited Create(AOwner);

  FController := Controller;

end;

procedure TFrmCliente.Update(Observable: IObservable);

begin

  EdtID.Text       := FController.Model.ID;

  EdtNome.Text     := FController.Model.Nome;

  EdtEmail.Text    := FController.Model.Email;

  EdtTelefone.Text := FController.Model.Telefone;

end;

 

Veja que no construtor da nossa View nós invocamos o construtor de TForm e passamos para ele o Owner passado como parâmetro. O segundo parâmetro, o Controller, nós guardamos no Field FController, com isso garantimos que esta View o será criada se um Controller for passado como parâmetro. Na seqüência vemos a implementação do método Update. Observe que a View ao ser notificada atualiza os controles da View repassando para os mesmos os novos dados do modelo. Note bem que os valores são obtido via Controller, porém também poderia ser feito fazendo um typecasting de IObservable para TCliente.

Para concluir nossa View vamos a implementação dos eventos clique dos botões novo, pesquisar e salvar. A Listagem 8 se encarrega de exibir os métodos.

 

Listagem 8. Implementação dos métodos

procedure TFrmCliente.BtnNovoClick(Sender: TObject);

begin

  FController.New;

  FController.Model.Atach(Self);

end;

procedure TFrmCliente.BtnPesquisarClick(Sender: TObject);

begin

  FController.Model.Buscar('');

end;

procedure TFrmCliente.BtnSalvarClick(Sender: TObject);

begin

  FController.Model.Nome := EdtNome.Text;

  FController.Model.Email := EdtEmail.Text;

  FController.Model.Telefone := EdtTelefone.Text;

  FController.Save;

end;

 

Como dito anteriormente o Controller mapeia as ações executadas na View para o Model. E a implementação dos métodos na Listagem 8 ilustra bem isto. O clique do botão novo invoca o método new do Controller e este por sua vez cria um novo objeto Cliente e o armazena internamente na propriedade Model. Feito isso o próximo passo é inscrever esta View onde estamos neste novo modelo para que a mesma possa receber as notificações necessárias ao longo do ciclo de vida o objeto. O botão pesquisar apenas invoca o método Buscar do modelo que (se tivesse implementação com DAO) configuraria as propriedades do Objeto Cliente com os dados oriundos do banco de dados.

Por fim temos o código do clique do botão salvar. Este por sua vez pega os valores dos edits, atribui as propriedades do Model que esta sendo controlado pelo Controller no momento e invoca o método Save. Este método e mapeado para o Model que se encarrega de persistir o objeto e notificar os Observadores.

Com isto temos nosso MVC implementado e pronto para uso. Vamos, em caráter de teste, invocar nossa View e realizar os testes. Assim no form principal da aplicação coloque um botão para invocar a View Cliente e no evento OnClick insira o código da Listagem 9.

 

Listagem 9. Chamando a View do Cliente

procedure TForm1.BtnClienteClick(Sender: TObject);

var

  C: TClienteController;

begin

  C := TClienteController.GetInstance;

  FrmCliente := TFrmCliente.Create(Self,C);

  FrmCliente.Show;

end;

 

No clique do botão que invocamos a View do cliente nós declaramos uma variável do tipo TClienteController e Pedimos um Controller para ela, lembrando que o ClienteController é um Singleton e como tal só termos um instanciado por vez em nossa aplicação. Em seguida criamos nossa View do cliente e repare que ao chamar o construtor ele nos pede além do owner um Controller, e é ai que passamos a variável C com o Controller criado acima. Feito isso exibimos a View com o já conhecido método Show. Rode a aplicação, clique no botão novo e em seguida no botão salvar (Figura 7).

 

Figura 7. Novo cliente criado e salvo

 

Veja que nosso MVC já esta em pleno funcionamento. Ao clicar em novo o Controller criou um novo objeto e neste momento já temos um GUID associado a e,le porém como não ouve notificação a View não esta sabendo. Quando chamamos o método salvar a notificação é feita a todos os observadores e como nossa View está inscrita na lista a mesma é notificada e os dados atualizados na View. E óbvio que uma aplicação Stand Alone como esta pode não mostrar todo o potencial deste padrão arquitetural, mas experimente chamar outro formulário e clique em novo. Depois altere os dados no primeiro Form e salve. Você irá perceber que o segundo Form também será atualizado com os dados do primeiro. A Figura 8 mostra o exemplo citado em funcionamento.

 

Figura 8. Duas View sendo atualizadas ao mesmo tempo

 

Conclusão

O padrão MVC é muito mais comum na WEB, isso porque fica fácil criar um repositório de Controllers, que ficaria na sessão e assim conseguiria notificar todas as Views. Porém nada nos impede de aplicarmos em aplicações Win32. Porém há de se ficar claro que não justifica aplicar o padrão MVC em uma aplicação Stand Alone como fizemos aqui. Mas imagine este padrão aplicado numa Aplicação que tenha um servidor de objetos, COM+ por exemplo. Poderíamos ali criar nosso repositório de objetos e um Controller Singleton para mapear as ações dos usuários. O importante é deixar claro que este é um padrão arquitetural que pode ser, e deve ser aplicado junto com outros padrões de projeto, pois como os outros se trata também de uma boa prática de programação.

Eu fico por aqui, espero que tenha contribuído com mais este artigo para o nosso aprendizado. Até a persistência.