Esse artigo faz parte da revista WebMobile edição 6. Clique aqui para ler todos os artigos desta edição

wm06_capa.JPG

As utilidades de um dispositivo de TV móvel para os usuários são muitas, criando um grande mercado já bem identificado pelas principais empresas de telefonia celular e de TV. Antes de grandes investimentos, as companhias promoveram pesquisas de mercado e testes piloto para verificar a aceitação desse novo produto. Os resultados foram bastante positivos, com a maioria dos entrevistados demonstrando interesse em pagar para ter acesso aos serviços.

A idéia de TV móvel não é nova, contudo, limitações de bateria, display e tamanho dificultavam a aceitação em massa de qualquer produto com tecnologia analógica. A revolução digital, o desenvolvimento de displays coloridos e de processadores pequenos e velozes, mecanismos para economizar a bateria, além dos avanços em técnicas de compressão e streaming de áudio e vídeo, fizeram com que a construção de dispositivos com TV digital móvel tenha se tornado uma realidade.

Este artigo apresenta os serviços que estarão disponíveis nos dispositivos com TV móvel, os padrões que estão surgindo e os aparelhos que já estão no mercado. Também são apresentadas as possibilidades para o modelo de negócios e as oportunidades para desenvolvedores de software nesta nova tecnologia.

Transmissão em broadcast

Algumas operadoras de telefonia já têm fornecido serviços de TV móvel para seus assinantes, fazendo proveito do aumento da taxa de transmissão dos sistemas a partir do 2.5G. Mas como era de se esperar, a transmissão de multimídia em um canal dedicado para cada assinante gera um uso ineficiente da banda de freqüência, já que o mesmo stream é transmitido para vários usuários.

Utilizando um sistema de transmissão em broadcast, a operadora envia áudio, vídeo e dados para todos os usuários utilizando um mesmo canal, economizando largura de banda e diminuindo o custo dos dados enviados. Esse novo canal pode ser implementado tanto com a extensão dos sistemas atuais, os conhecidos CDMA, TDMA e GSM, ou com a adição de um outro meio de comunicação no dispositivo como a TV digital móvel. Ou seja, os celulares teriam um receptor adicional com antena, demodulador, filtros, etc.

 

image001.png

Figura 1. Arquitetura do sistema de TV digital móvel.

 

O canal de broadcast é essencialmente unidirecional, ou seja, o dispositivo móvel apenas recebe dados. Para adicionar interatividade com o usuário, os sistemas de TV móvel prevêem a integração com a rede celular (Figura 1), possibilitando o desenvolvimento de novos serviços de TV digital, como será discutido na próxima seção. A Nota 1 apresenta as definições de broadcast, multicast e unicast, servindo como ilustração para o entendimento dos termos.

 

Nota 1. Broadcast, Multicast e Unicast

Broadcast é o termo usado para descrever uma arquitetura de comunicação em que uma informação é enviada de um ponto para todos os outros pontos de rede. Um elemento transmissor envia dados para todos os pontos conectados na rede.

 

Multicast é o termo usado para descrever uma arquitetura de comunicação em que uma informação é enviada de um ponto para um conjunto selecionado de pontos da rede.

 

Unicast é o termo usado para descrever uma arquitetura de comunicação em que uma informação é enviada de um ponto para outro ponto, ou seja, um transmissor e um receptor.

Novos serviços

O serviço primordial da TV móvel é possibilitar que usuários assistam TV onde quer que eles estejam. Mas essa nova forma de assistir TV não é apenas uma transmissão de áudio e vídeo como conhecemos hoje, haverá conteúdo produzido especialmente para este novo mercado, com programas de menor duração, e com filmagens feitas visando facilitar a visibilidade nas telas de menor tamanho. Estes novos programas estão sendo conhecidos como “mobisodes”, um termo para designar episódios desenvolvidos especificamente para dispositivos móveis. Um exemplo desses episódios foi a adaptação da serie “24 horas” que a Fox produziu para dispositivos móveis.

 Além de assistir televisão, também será possível acessar aplicações, como votar durante o “Big Brother” em quem se deseja eliminar durante o programa ou participar de um chat enviando mensagens para outros usuários que estejam vendo o programa. Estas aplicações podem ser transmitidas pela rede de TV para o dispositivo móvel ou podem ser aplicações locais que foram instaladas pelo fabricante ou pelo próprio usuário. Outros serviços interessantes são notícias atualizadas sob a forma de um jornal eletrônico e um guia da cidade, com acesso ao mapa da região, conteúdo multimídia das atrações e informações sobre serviços e eventos.

É interessante enfatizar que a tecnologia de TV digital móvel não irá substituir as outras formas de comunicação de dados 3G, mas complementá-las. Alguns desses serviços citados poderiam ser implantados em outras redes, mas a principal vantagem da rede de TV digital é o mecanismo de broadcast.

Assistir TV no dispositivo móvel vai mudar os hábitos dos telespectadores, pois cada usuário terá sua própria TV no bolso. Como conseqüência, o conteúdo a ser acessado poderá ser personalizado baseado no perfil do usuário, sendo configurado no dispositivo. Será possível receber alertas avisando que está passando um vídeo do gol do seu time preferido ou o vídeo-clipe de determinada banda musical. Será possível também acompanhar sem perder nenhum lance a Copa do Mundo ou as Olimpíadas.

Na transmissão de uma partida de futebol, por exemplo, diversos serviços relacionados com o perfil do usuário podem ser oferecidos, como: consultar a escalação dos times, históricos, curiosidades e estatísticas do jogo (número de faltas, escanteio, cartões, gols). Durante o jogo, o telespectador pode adquirir produtos referentes ao seu time (o ringtone com o hino do time, um papel de parede ou mesmo a camisa oficial), participar de apostas e leilões, sem perder os lances do jogo. Além disto, também será possível participar de enquetes interativas sobre qual o melhor jogador, participar de salas de bate-papos e discussões durante o intervalo. Uma boa substituição aos rádios levados pelos torcedores aos campos de futebol!

Quanto ao uso da TV digital móvel, o usuário precisa saber quais serviços estão disponíveis no momento e como acessá-los, parecido com um guia programação da TV a cabo que é conhecido como EPG (Eletronic Program Guide). Entretanto, nos novos sistemas de TV digital, esta aplicação é conhecida como ESG (Eletronic Service Guide), pois além de programas também é possível acessar serviços, como uma aplicação de jogo ou uma página HTML. O ESG também pode ser entendido como uma aplicação central para a TV móvel que fica sendo transmitida continuamente pelo sistema e através da qual o usuário pode acessar detalhes dos serviços, como nome, descrição resumida, gênero, horário de início e duração. ...

Quer ler esse conteúdo completo? Seja um assinante e descubra as vantagens.
  • 473 Cursos
  • 10K Artigos
  • 100 DevCasts
  • 30 Projetos
  • 80 Guias
Tenha acesso completo

filhão ficasse quietinho no banco de trás do carro vendo desenhos animados na hora do rush. E naquela viagem? Que bom seria ter uma TV de bolso e poder levá-la para onde quiser! Este é um sonho que está próximo de virar realidade.