Business Intelligence 2.0 e as mídias sociais

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (6)  (0)

Veja neste artigo as novas práticas do Business Intelligence, que são as aplicações de BI 2.0 que contam com informações em tempo real e integração com as mídias sociais para auxiliar no processo de tomada de decisão das organizações.

Business Intelligence 2.0 chega ao mercado com conceitos idênticos aos de Business Intelligence tradicional, porém com inovações na tomada de decisão, partindo não somente dos dados históricos das organizações, e sim a partir da integração desses dados com os dados que o mundo partilha hoje nas mídias sociais em tempo real. Essa é a principal inovação que o BI 2.0 quer demonstrar para as organizações, que nem somente os dados brutos vindos de um DW (Data Warehouse) ou de um DM (Data Mart) são suficientes para fazer o negócio dar certo, mas sim com a junção de ideias provenientes de redes sociais, unindo o útil ao agradável.

Mediante essa nova abordagem de BI, espera-se uma grande ascensão no mercado, com novas necessidades impulsionadas pela volumosa quantidade de dados que permeiam toda empresa nos dias de hoje, surgem novas práticas e métodos para revolucionar o processo de tomada de decisão, com relatórios em tempo real e com a integração com as mídias sociais e diversos fóruns, descentralizando as decisões tomadas anteriormente somente pela alta gestão da organização. O BI 2.0 surge com um foco a mais para organização, que é ouvir e buscar informações de milhares de usuários espalhados na web. Trazendo também ao mercado características inovadoras, soluções mais rentáveis e econômicas para a organização, além de ferramentas que disponibilizam informações em tempo real.

O BI 2.0 funciona como um orientador aos negócios da organização, otimizando o processo decisório, tendo como essência o conceito por trás das redes sociais dentre outros recursos on-line, que são medidos e filtrados, gerando assim, uma informação valiosa, auxiliando na estratégica e na decisão certa na hora certa, beneficiando o negócio com rapidez, eficiência e eficácia. Verifica-se que as mídias sociais funcionam como um intermediador, na qual envia informações que podem auxiliar os negócios de forma inteligente num ambiente Web 2.0. A partir dessa nova abordagem, espera-se uma ascensão de aplicações de BI 2.0 no mercado, uma vez que ofereça ganhos de desempenho na disponibilidade das informações em tempo real, e torne possível melhorar ainda mais o processo de tomada de decisão, seja qual for o negócio da organização.

Pode-se citar, como principais melhorias do BI 2.0 em relação a novas técnicas de otimização da informação:

  • Compartilhamento imediato das informações
  • Disponibilidade de informações dinâmicas e interativas permitindo que o usuário final modifique seus relatórios.
  • Relatórios interativos e em tempo real baseados na web 2.0, o que permite visualizações, pesquisas dinâmicas e livre exploração de dados facilitando a análise e impactando diretamente na resolução de problemas críticos ou operacionais.

Com a utilização do Business Intelligence 2.0, torna-se possível disponibilizar uma visão mais ampla do negócio, pois com a interação das mídias sociais e as contribuições de diversos usuários interferem de forma direta na tomada de decisão, fornecendo informações ricas e precisas em tempo real.

Dessa forma, adotando as aplicações de BI 2.0, a organização poderá ter um algo a mais e um diferencial em relação aos demais concorrentes, pois com o retorno ágil, dinâmico e interativo poderá facilitar a descoberta dos pontos cruciais do negócio, consequentemente criando oportunidade para que os gestores melhorem seus investimentos com base na real necessidade do cliente, evitando ou minimizando assim diversos problemas, o que poderá gerar ganhos expressivos para a organização.

Desde o início da década de 90, a Internet tem feito parte do nosso dia-a-dia. O acesso às informações através de e-mails, YouTube, Twitter, Orkut e Facebook nos mantém ligados e informados praticamente 24 horas por dia. A partir disso fomos mudando fundamentalmente nosso jeito de acessar, pesquisar, comprar e até mesmo de interagir uns com os outros. Com o decorrer do tempo e com a evolução da web em relação a páginas estáticas para conteúdos mais dinâmicos voltados para a partilha, contribuição de dados e arquivos online, viu-se que o Business Intelligence (BI) e a comunidade de fornecedores (usuários) evoluíram aproveitando essa mudança de cenário. Pode-se dizer que na primeira parte da web, HTML's e PDF's foram utilizados como saídas ou destinos. Pouco depois surgiram os portais e os dispositivos alternativos, como WAP em telefones celulares. Infelizmente, as colaborações da comunidade de software simplesmente evoluíram de forma e maneira que nós mesmos usamos as informações, ou seja, não revolucionando o paradigma de tomada de decisão. A visão de uma aplicação de Business Intelligence ideal é menos interface e portais e mais expectativas influenciadas por lições a partir da web e mídias. A visão de aplicações de BI 2.0 é moldada pela web 2.0, mídias sociais e entretenimento, gerando assim várias possibilidades de explorar o negócio, focando no que o mundo em geral está buscando.

Business Intelligence 2.0 (BI 2.0) refere-se também a ferramentas de negócios e tecnologias que fornecem recursos novos, exclusivos e com alta capacidade. Ela difere de dados de outras consultas, pois são métodos de inteligência dos negócios que na medida em que incorporam uma arquitetura orientada a serviços (SOA) e Web 2.0, trazem uma abordagem mais dinâmica e baseada em navegadores para a coleta de informações.

A possibilidade que foi criada por trás da tecnologia Web 2.0 é de que a web está sendo transformada em um enorme banco de dados (Data Warehouse on-line) a partir das redes sociais e outros recursos on-line que estão crescendo e evoluindo a cada dia que passa. Essas são algumas tendências on-line que as organizações estão utilizando para interagir com outras organizações e clientes, o que permite uma experiência mais rica de engajamento B2B (Business to Business - Negócios entre Empresas) e B2C (Business to Consumer - Negócios com o Consumidor). Medir os dados do usuário não é o único meio para conseguir mais conhecimentos sobre as tendências e oportunidades.

Com milhares de dados on-line, partilha de milhões de usuários de todo o mundo, e com a possibilidade de aproveitar essa riqueza de informações e criar medidas significativas, o BI 2.0 incorporou e aderiu ao conceito das mídias sociais.

Para finalizar este artigo uma breve visão das mídias sociais (Tabela 1) que resultam em lições para o BI.

Mídia Social Definição/Características Lição para o BI
Facebook Propriedade de destino web que permite as pessoas ficarem ligadas no que acontece no mundo em tempo real. O que eu estou fazendo agora? Permite a participação de maneira passiva, apenas observando o que acontece, ou ativa postando informações e participando de debates em tempo real. Obrigar as pessoas a acessarem e participarem para não ficarem desatualizadas ou paradas no tempo. Utilizando fluxo contínuo de informações, fornecendo ambiente para os desenvolvedores criarem seus próprios aplicativos. Publicações (relatórios, gráficos, interpretações) à página pessoal.
Twitter Mensagens curtas, atualizações concisas, informações que fluem continuamente e que podem chamar a atenção das pessoas num curto espaço de tempo, transpassando informações através de re-tweet e codificando quando necessário. Os usuários do Twitter evoluíram a plataforma para torná-la mais útil (por exemplo, hash tags). Informalidade que leva à rápida disseminação. Mensagens curtas em tempo real gerando fluxo contínuo de decisões, status sobre o negócio, processamento de eventos complexos. Plataforma que evoluiu através de uso não planejado. Explicando de forma sucinta o estado do negócio, levando a pesquisa de comentários para colher feedbacks, gerar nuvens de palavras que forneçam uma visualização da "vibração" ou sentimento do negócio. Comentários e Tags dos usuários, enviando nota de informação (qualquer coisa na web que você acha que é novidade), podendo associá-lo com os dados ou objetos.
Wikis, Google Earth, GeoCommons Comunidade com conteúdo desenvolvido permitindo ao usuário criar, evoluir e inovar. Conhecimento coletivo, permitindo aos contribuintes enriquecimento de informação. Conceito inserido dentro do contexto da aplicação, página widget, ou dados.
YouTube/ FlickR Usuário contribui com mídia (vídeos). Nova saída para a mídia, capaz de remover as barreiras à entrada de videomakers, usuários determinam o ranking. Relações interessantes, padrões, resultados publicados. Classificação dos resultados ajudam a gerar uma "vibe" ou sentimento dentro de uma organização.
LinkedIn Conectando pessoas através de ligações profissionais ou pessoais. Rede profissional de currículos. Como encontrar pessoas ou dados. Sistemas que podem fornecer a resposta a algo em sua organização.
Blogs Usuários criam conteúdos e atraem seguidores através de textos específicos. Permite uma conversa através de comentários. As informações podem ser interpretadas e informalmente publicadas a um grupo de partes interessadas.
Email Comunicação formal ou informal. Ciclo de tomada de decisão implícita possibilitando a distribuição da informação. Cria ligações entre as pessoas e comunica você a outras pessoas. Forma natural de transmitir informação. Decisões podem ser pesquisadas. A informação pode ser recuperada rapidamente, pois um registro é criado.
Fóruns, Discussion Groups, e Rooms Cria um tema ou projeto, com base em ambiente de captura de informações e decisões. Tem a capacidade de criar sinergias entre um grupo diversificado de pessoas. Ambiente para criação e arquivamento do conhecimento possibilitando a discussão, ou seja, de um problema ou métrica.

Tabela 1: BI 2.0 e as mídias sociais

Mediante conceitos vistos na Tabela 1 nota-se que o BI 2.0 preocupa-se em agregar os conceitos das mídias sociais para aperfeiçoar seus métodos, possibilitando assim auxiliar de forma mais tempestiva as organizações e consequentemente as decisões organizacionais.

Com isso finalizo mais um artigo e até o próximo.

Um abraço.

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?