CA ERWin Data Modeler: Modelagem de Dados com ERWin

Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Para efetuar o download você precisa estar logado. Clique aqui para efetuar o login
Confirmar voto
0
 (2)  (0)

Nesse artigo será visto como realizar a modelagem de dados utilizando a ferramenta CA ERWin, abordando as etapas conceituais e físicas envolvidas no processo.

Fique por dentro
A tarefa de armazenar dados é essencial em quase todos os projetos de sistemas. Essa etapa funciona como a espinha dorsal de um corpo constituído de banco de dados, camadas de servidores de aplicação, front-end diversos, programas, etc. Portanto, sem uma boa modelagem, esse corpo pode ficar vulnerável e adoecer facilmente.

Dada essa importância, a firmeza do esqueleto corporal está diretamente relacionada ao banco de dados, onde residirão as informações que serão acessadas e atualizadas. Esse artigo tem por finalidade mostrar ao leitor no que consiste a modelagem de dados e como se dá este processo utilizando o CASE (Computer-Aided Software Engineering) ERWin.

Nele serão abordadas as etapas conceituais e físicas de um projeto de banco de dados inseridas num projeto de sistema. A ferramenta apresentada nesse artigo, não só cumpre com os pré-requisitos essenciais de análise de dados, como também é capaz de gerar fisicamente o modelo criado nos mais importantes bancos de dados existentes no mercado.

A modelagem de dados é a primeira etapa de um projeto que envolva banco de dados e tem como seu principal objetivo o desenvolvimento de um modelo que contenha entidades e relacionamentos, e que com isso seja possível representar as especificações das informações do negócio.

A modelagem de dados ajuda a organizar a forma de pensamento sobre os dados, demonstrando o significado e a aplicação prática deles. Ela também estabelece o vínculo entre as necessidades dos usuários e a solução de software que as atende.

Para um modelo de dado alcançar os objetivos esperados, ele deve fornecer ao desenvolvedor a representação adequada do ambiente documentada e de preferência normalizada para criação dos processos do sistema.

A modelagem de dados segundo o Modelo de Entidade-Relacionamento foi definida em 1976 por Peter Chen e desde então ela faz parte do cenário pertencente a algum projeto de sistema de banco de dados.

Portanto, entender as etapas de um projeto ajudará o leitor a compreender melhor como funciona e qual o papel da modelagem de dados.

Projeto de Sistema

Um projeto pode ser definido como um processo único e consistente formado por um conjunto coordenado de etapas datadas para atingir um determinado objetivo.

Num projeto de sistema, a etapa inicial consiste na interpretação mais realista possível de um minimundo qualquer, visando atender um conjunto de necessidades levantadas diante do cliente. Dada essa abstração, surge o que se chama de análise de requisitos.

Em síntese, essa etapa pode ser encarada como a descrição técnica detalhada do que o usuário entende como sendo as funcionalidades que o sistema tem que possuir. Essa etapa é muito importante, pois todo esse levantamento será futuramente validado pelo cliente. Cumprida essa etapa, a mesma deve ser documentada, pois com essa documentação o analista será capaz de dar início à fase conceitual do modelo.

De posse do modelo criado de forma conceitual, ou seja, independente do banco de dados a ser escolhido para abrigar os dados, toma-se a decisão de qual banco será utilizado pelo projeto. Com isso o dá-se início à etapa física do projeto.

A partir desse momento, propriedades particulares do banco de dados serão levadas em conta na construção do modelo. Como será mostrado em breve, o ERWin faz esse tipo de conversão do modelo lógico para físico mediante a escolha do banco. Os tipos de dados dos campos das tabelas, o espaço de armazenamento, entre outras características passarão a ser relevantes na montagem do modelo físico.

Concluída essa etapa, materializa-se o que foi definido no modelo dentro do banco propriamente dito e é dado o “go” do projeto em produção. O que se vê a partir daí são manobras operacionais e gerenciais para controlar, manuten" [...]

A exibição deste artigo foi interrompida :(
Este post está disponível para assinantes MVP

 
Você precisa estar logado para dar um feedback. Clique aqui para efetuar o login
Receba nossas novidades
Ficou com alguma dúvida?