Por que eu devo ler este artigo:Este artigo tem como objetivo apresentar os principais serviços de cloud computing oferecidos pela Amazon, e ilustrar casos onde seu uso pode ser útil em um projeto de infraestrutura.

A Amazon é o principal player de cloud computing do mercado e, portanto é fundamental para todos os interessados no assunto conhecer sua oferta de serviços.

A maioria dos leitores provavelmente já ouviu falar na Amazon. O negócio que começou com a venda de livros em 1994, hoje é considerado a maior loja online do mundo, com mais de 100 mil funcionários e faturamento de mais de 60 bilhões de dólares em 2012.

Para um negócio desse porte funcionar, foi preciso a criação de uma infraestrutura de TI colossal, com literalmente milhares de servidores distribuídos em vários datacenters pelo mundo.

Com essa quantidade de servidores, só existem duas alternativas para uma administração eficiente: contratar um exército de técnicos, ou automatizar o quanto for possível.

A Amazon escolheu o segundo caminho, e após muito trabalho de pesquisa e desenvolvimento, onde foram criadas soluções para diversos problemas comuns de infraestrutura, eles perceberam que poderia ser um negócio interessante a venda de recursos computacionais utilizando a própria infraestrutura.

Até aí, não parece diferente do que os provedores tradicionais faziam com serviços de hospedagem, por exemplo. A grande diferença é que na Amazon, só se paga pelo uso do serviço, ou seja, se você possui um site que tem picos de acesso em determinadas épocas, você pode provisionar recursos adicionais por um período, e simplesmente deixar de usá-los quando não forem mais necessários.

Isso é uma grande mudança de paradigma: hoje, quando falamos do modelo tradicional, onde a empresa é dona de um parque de servidores dentro do datacenter, quando houver a necessidade de aumento de capacidade, provavelmente será necessário investir em equipamentos, seja servidor, storage ou rede.

Aí começam os problemas: a empresa pode ter determinados equipamentos que foram descontinuados e que agora possuem um custo de expansão maior do que o custo de equipamentos novos.Ao comprar novos equipamentos,é preciso decidir se vale a pena manter os antigos em uso, ao lado dos novos, ou se é melhor migrar tudo para os novos equipamentos, o que envolve projetos de migração complexos.

A virtualização ajuda a minimizar muitos desses problemas, mas ainda está sujeita a alguns, como por exemplo, o caso do pico sazonal. Quando há a necessidade de se suportar uma demanda alta e inesperada com uma infraestrutura interna, provavelmente será necessário ter uma infraestrutura dimensionada “por cima”, ou seja, com uma grande capacidade de processamento, que será utilizada poucas vezes por ano.

O Amazon Web Services (daqui para frente, chamado apenas de AWS), fornece uma alternativa interessante para esses problemas.É como se tivéssemos à nossa disposição uma infraestrutura “infinita”, em que podemos alocar recursos quando necessário, de forma rápida e relativamente barata.

Para alguns tipos de empresa, como bancos, existem questões quanto à segurança e interoperabilidade dos serviços em nuvem que com o tempo precisam ser esclarecidas. Por exemplo, no Brasil existem leis que proíbem o armazenamento de dados fora do país.

No entanto, com o modelo de operação atual oferecido pelos provedores de cloud computing, não é possível garantir que dados de empresas brasileiras não serão replicados para servidores em outros países. Para empresas cujo negócio está baseado na web, a aderência é muito mais óbvia. O maior exemplo disso foi a migração da Netflix, um dos maiores provedores de conteúdo ondemand do mundo, para o AWS em 2011.

O AWS oferece diversos serviços, desde a infraestrutura até bancos de dados e enfileiramento de mensagens. Veremos neste artigo os principais serviços relacionados à infraestrutura (IaaS – Infrastructure as a Service), e em alguns casosprocuraremos mostrar casos de uso de cada tecnologia.

Regiões e zonas de disponibilidade

O AWS está distribuído em datacenters presentes em várias localidades no mundo. Esses datacenters são chamados pela Amazon de regiões. Para aprimorar a disponibilidade, dentro de cada região existem ao menos duas zonas de disponibilidade, que são infraestruturas completamente independentes com links de baixa latência entre elas para garantir uma comunicação eficiente.

Atualmente as regiões da Amazon são as seguintes, com as respectivas qua ...

Quer ler esse conteúdo completo? Seja um assinante e descubra as vantagens.
  • 473 Cursos
  • 10K Artigos
  • 100 DevCasts
  • 30 Projetos
  • 80 Guias
Tenha acesso completo