Desde a introdução de classes à sintaxe da linguagem JavaScript, o React incorporou os class components como sendo a sua principal forma de criar componentes com estado e ciclo de vida gerenciáveis. Essa abordagem, apesar de cumprir o propósito, possui algumas desvantagens, por exemplo, o funcionamento do this em classes JavaScript é pouco intuitivo; a restrição de acesso aos ciclos de vida de um componente exclusivamente por métodos especiais, como componentDidMount. A Listagem 1 mostra um exemplo de componente de classe.

import React, { Component } from 'react';

export default class Posts extends Component {
    constructor(props) {
        super(props);

        this.state = {
            titulo: '',
        };

        this.setTitulo = this.setTitulo.bind(this);
    }

    setTitulo(titulo) {
        this.setState({ titulo });
    }

    componentDidMount() {
        this.setTitulo('Home');
    }

    render() {
        return (
            <div>
                <input
                    type="text"
                    placeholder="titulo"
                    value={this.state.titulo}
                    onChange={event => this.setTitulo(event.target.value)}
                />
                <h3>{this.state.titulo}</h3>
            </div>
        );
    }
}
Listagem 1. Componente de classe

Em outubro de 2018 o porta-voz da equipe de desenvolvimento do React, Dan Abramov, anunciou uma alternativa às classes para criar componentes que possuem estado interno e possuem lógica em seu ciclo de vida (componente é criado, atualizado, etc.): os Hooks. Esse novo recurso fornece a componentes funcionais um estado interno e acesso ao próprio ciclo de vida através de uma forma mais direta, limpa e autocontida.

Estado

Antes dos Hooks

O estado de um componente fica armazenado dentro de um objeto literal que é alocado no atributo state da classe do componente, que sofre alterações de acordo com o comportamento do componente. O valor de cada atributo desse objeto é refletido no template do componente de alguma maneira. Na Listagem 2 vemos um componente de classe com estado.

import React, { Component } from 'react';

export default class Posts extends Component {
    constructor(props) {
        super(props);

        this.state = {
            titulo: '',
        };

        this.setTitulo = this.setTitulo.bind(this);
    }

    setTitulo(titulo) {
        this.setState({ titulo });
    }

    render() {
        return (
            <div>
                <input
                    type="text"
                    placeholder="titulo"
                    value={this.state.titulo}
                    onChange={event => this.setTitulo(event.target.value)}
                />
                <h3>{this.state.titulo}</h3>
            </div>
        );
    }
}
Listagem 2. Componente com estado

No exemplo da Listagem 2, o atributo titulo de state é vinculado a um input e a um h3. Além disso, o método setTitulo altera o valor do atributo sempre que houver uma mudança no valor do input. Note, na linha 11, que é necessário executar o método bind() de setTitulo vinculando-o ao this da classe e não ao de seu próprio objeto prototype. Essa abordagem foi uma melhoria em contraste ao que havia antes: um objeto literal passado ao método React.createClass. Porém vai se tornando mais confuso e menos sustentável na medida em que o componente ganha mais complexidade em seu comportamento.

Utilizando Hooks

A biblioteca React fornece a função useState para componentes funcionais, que retornará um array com dois elementos, onde o primeiro é a constante que armazena aquele estado e o segundo é uma função para substituir o valor daquele estado. A Listagem 3 mostra a chamada de um Hook.

import React, { useState } from 'react';
    
export default function Posts() {
    const [titulo, setTitulo] = useState('');
}
Listagem 3. chamando o Hook useState

Podemos ver, na linha 4, um exemplo de useState sendo executada: a função recebe em seu parâmetro o valor inicial daquele estado e retorna o array mencionado. Por convenção utilizamos atribuição por desestruturação dos itens desse array em constantes com os nomes no padrão [estado, setEstado] para manter a clareza do que está sendo retornado.

A constante titulo inicialmente possui como valor uma string vazia e qualquer valor que for passado a setTitulo será atribuído à constante titulo.

O código da Listagem 4 possui o mesmo comportamento do exemplo da Listagem 2, utilizando classe, mas notavelmente com muito menos código.:

import React, { useState } from 'react';

export default function Posts() {
    const [titulo, setTitulo] = useState('');
    
    return (
        <div>
            <input
                type="text"
                placeholder="titulo"
                value=
                onChange={event => setTitulo(event.target.value)}
            />
            <h3></h3>
        </div>
    );
}
Listagem 4. Componente funcional com Hook de estado

O código da Listagem 4 possui o mesmo comportamento do exemplo da Listagem 2 com um class component mas notavelmente com muito menos código.

Lifecycle sem Hooks

Da forma antiga, utilizando class components o acesso ao ciclo de vida (momento em que o componente é carregado, por exemplo) é fornecido através dos métodos chamados lifecycle methods, cuja execução ocorre dado um determinado ciclo de vida do componente, como ilustra a Listagem 5.

import React, { Component } from 'react';

import { loginUrl, logoutUrl } from '../helpers/urls';
import Main from './main';

export default class App extends Component {
    componentDidMount() {
        if (!localStorage.getItem('NOME_CHAVE_TOKEN')) {
            fetch(loginUrl, { method: 'POST' })
                .then(response => response.json())
                .then(token => localStorage.setItem('NOME_CHAVE_TOKEN', token));
        }
    }

    componentDidUpdate() {
        if (!localStorage.getItem('NOME_CHAVE_TOKEN')) {
            fetch(loginUrl, { method: 'POST' })
                .then(response => response.json())
                .then(token => localStorage.setItem('NOME_CHAVE_TOKEN', token));
        }
    }

    componentWillUnmount() {
        fetch(logoutUrl, { method: 'POST' })
            .then(response => localStorage.removeItem('NOME_CHAVE_TOKEN'));
    }
    
    render() {
        return <Main />;
    }
}
Listagem 5. Componente de classe com métodos lifecycle.

O componente acima é o primeiro a ser carregado pela aplicação e nele definimos efeitos colaterais em três ciclos de vida: quando ele é carregado, quando ele é atualizado e quando ele é descarregado:

  • componentDidMount: Executa quando o componente é carregado. Neste momento verificamos se o localstorage possui o atributo NOME_CHAVE_TOKEN, se não possuir, enviará uma requisição à URL de login para conseguir um token e irá armazená-lo no localstorage.
  • componentDidUpdate: Executa quando o componente é atualizado. Repetimos o comportamento do lifecycle componentDidMount sempre que a página for atualizada.
  • componentWillUnmount: Executa quando o componente começar a ser descarregado. Neste momento enviamos uma requisição de logout e a remoção do token do localstorage.

Lifecycle com Hooks

Em um componente funcional podemos, utilizando a função useEffect() fornecida pelo React, que recebe como parâmetro uma função callback e nela serão realizados os efeitos colaterais necessários pelo componente durante seu ciclo de vida. Observe o exemplo da Listagem 6.

import React, { useEffect } from 'react';

import { loginUrl, logoutUrl } from '../helpers/urls';
import Main from './main';

export default function AppFunc() {
    useEffect(() => {
        if (!localStorage.getItem('NOME_CHAVE_TOKEN')) {
            fetch(loginUrl, { method: 'POST' })
                .then(response => response.json())
                .then(token => localStorage.setItem('NOME_CHAVE_TOKEN', token));
        }

        return () => {
            fetch(logoutUrl, { method: 'POST' })
                .then(response => localStorage.removeItem('NOME_CHAVE_TOKEN'));
        };
    });

    return <Main />;
}
Listagem 6. Componente funcional com Hook useEffect

Opcionalmente, a função useEffect pode receber como parâmetro um array. Se este for vazio, a função de callback passada como parâmetro será executada quando o componente for montado (componentDidMount), mas não quando o mesmo for atualizado (componentDidUpdate). A função useEffect pode receber como parâmetro opcional um array: se estiver vazio a callback passada como parâmetro e useEffect será executada somente quando o componente for montado, mas não quando atualizado:

useEffect(() => {
    if (!localStorage.getItem('NOME_CHAVE_TOKEN')) {
        fetch(loginUrl, { method: 'POST' })
            .then(response => response.json())
            .then(token => localStorage.setItem('NOME_CHAVE_TOKEN', token));
    }
}, []);

O array passado como segundo parâmetro de useEffect também pode receber qualquer número de propriedades de componente (props) ou atributos de estado (state). Dessa forma, useEffect executará a callback passada em seu parâmetro sempre que esse(s) atributo(s) tiver(em) alguma alteração. A Listagem 7 mostra esse uso dos Hooks.

const [titulo, setTitulo] = useState('');
useEffect(() => {
    document.title = titulo;
}, [titulo]);
Listagem 7. Hook useEffect utilizando o estado

Hooks Customizados

Um dos recursos introduzidos são os chamados Hooks customizados, eles permitem o reaproveitamento do código de comportamento entre componentes. Toda chamada de Hook pode ser feita em uma função separada, contanto que esta mantenha o objeto React no escopo, no caso, a função React. Essa nova função se torna um Hook customizado e, por convenção, deve ter seu nome iniciado com use.

Para ilustrar a criação de um Hook customizado utilizaremos a Listagem 8.

import React, { useEffect } from 'react';

import { loginUrl, logoutUrl } from '../helpers/urls';
import Main from './main';

export default function AppFunc() {
    useEffect(() => {
        if (!localStorage.getItem('NOME_CHAVE_TOKEN')) {
            fetch(loginUrl, { method: 'POST' })
                .then(response => response.json())
                .then(token => localStorage.setItem('NOME_CHAVE_TOKEN', token));
        }

        return () => {
            fetch(logoutUrl, { method: 'POST' })
                .then(response => localStorage.removeItem('NOME_CHAVE_TOKEN'));
        };
    });

    return <Main />;
}
Listagem 8. Hook useEffect

Nesse caso, podemos extrair um Hook customizado desse componente criando uma função que chama o Hook useEffect. Observe a Listagem 9.

import React, { useEffect } from 'react';

import { loginUrl, logoutUrl } from '../helpers/urls';
import Main from './main';

export default function AppFunc() {
    useTokenLocalStorage();

    return <Main />;
}

export funcion useTokenLocalStorage() {
    useEffect(() => {
        if (!localStorage.getItem('NOME_CHAVE_TOKEN')) {
            fetch(loginUrl, { method: 'POST' })
                .then(response => response.json())
                .then(token => localStorage.setItem('NOME_CHAVE_TOKEN', token));
        }

        return () => {
            fetch(logoutUrl, { method: 'POST' })
                .then(response => localStorage.removeItem('NOME_CHAVE_TOKEN'));
        };
    });
}
Listagem 9. Hook

Regras dos Hooks

Para utilizar os Hooks em componentes React é preciso seguir duas regras específicas, caso contrário, não há como garantir a integridade do recurso na aplicação:

  • Chame os Hooks apenas no nível de cima: nunca chame Hooks dentro de loops, estruturas condicionais ou funções callback aninhadas. Os Hooks devem ser chamados sempre no primeiro nível do componente ou função React em que eles serão utilizados. Isso se deve porque o React identifica os hooks de um componente pela ordem em que eles foram chamados. Seguindo essa regra, garantimos que os Hooks sejam chamados na mesma ordem sempre que o componente é renderizado, permitindo ao React preservar o estado dos Hooks apesar de múltiplas chamadas de useState e useEffect.
  • Apenas chame Hooks em funções React: Os Hooks devem sempre ser chamados dentro de um componente funcional React ou de um Hook customizado, geralmente extraído de um componente funcional React.

Conclusão

Os Hooks estão entre os recursos mais aguardados do React desde a introdução dos componentes de classe. A expectativa é que, com a utilização dos Hooks, possamos simplificar componentes complexos e tornar o código mais entendível e sustentável. Apesar disso, o próprio Dan Abramov, co-criador do Redux, do Create-Ract-App e porta voz da equipe de desenvolvimento do React no Facebook, não recomenda que componentes em produção sejam reescritos, já que componentes que utilizam Hooks possuem 100% de retrocompatibilidade com componentes de classe. Dessa forma, o ideal é que apenas novos componentes sejam escritos utilizando este recurso.

Saiba mais Veja a Série React com Redux