Do que se trata o artigo:

Este artigo retrata uma abordagem simplificada de primeiro contato com o novo shell e linguagem de script da Microsoft, com a finalidade de apresentar e exemplificar sua utilização no dia a dia do administrador de redes.

Em que situação o tema útil:

As novas versões do Windows Server 2008 e produtos Microsoft estão vindo com um gerenciamento via Windows PowerShell. Nestas condições, faz-se necessário o entendimento e aprendizado do mesmo para a administração de uma rede com ambiente Microsoft.

Resumo DevMan:

O Microsoft Windows PowerShell é um novo prompt de comando do Windows, mais poderoso e flexível para administração de servidores, aplicações e scripts. É sobre ele que abordaremos neste artigo.

Por muitos anos certamente administradores gerenciaram seus servidores e produtos Microsoft utilizando GUI (Graphical User Interface – Interface Gráfica de Usuário), cmd.exe, VBScript e talvez outras tecnologias complementares.

Em função de maior flexibilidade e extensão, a Microsoft vem tentando fazer com que o Microsoft Windows PowerShell seja a ferramenta de gerenciamento de melhor escolha. Para isso, os novos produtos de servidores requerem Windows PowerShell para administração em função da sua facilidade no gerenciamento e na manutenção.

O Microsoft Windows PowerShell é um novo prompt de comando do Windows que comparado ao antigo cmd.exe é muito mais poderoso. É voltado ao uso de scripts para manutenção de sistemas por parte de administradores, oferecendo maior controle do sistema e agilidade na automatização de tarefas como backup, transferência de arquivos, parametrização de aplicações como Microsoft Exchange, entre outras.

Criado em uma estrutura do Framework .NET, o Windows PowerShell ajuda os profissionais de Tecnologia da Informação (TI) e usuários a controlar e automatizar a administração do Sistema Operacional Windows e os aplicativos que são executados no mesmo. É sobre este tema que o conteúdo deste artigo é baseado.

Windows PowerShell Versão 2.0

Até o momento da escrita deste artigo, o Windows PowerShell encontrava-se na versão 2.0, que oferece diversas melhorias, a saber:

1. Comunicação remota: Permite executar comandos em um ou mais computadores remotamente, a partir de um computador que esteja executando o Windows PowerShell;

2. ISE (Integrated Scripting Environment – Ambiente de Script Integrado): Permite executar comandos interativos, editar e depurar scripts em um ambiente gráfico, incluindo ao ambiente sintaxe realçada por cor, depuração gráfica, suporte a Unicode e ajuda contextual do código;

3. Módulos: Permite ao desenvolvedor e ao administrador dividir e organizar o código escrito em Windows PowerShell em unidades reutilizáveis e independentes;

4. Trabalhos em background: Permite a execução de comandos PowerShell em segundo plano, sem interação com o console;

5. Novos cmdlets (pronuncia-se command-lets): São comandos integrados que estão incluídos no Windows PowerShell. Assemelham-se aos comandos internos em outros shells, como por exemplo, o dir, encontrado no cmd.exe. Podem ser chamados diretamente da linha de comando do Shell e executados no contexto desse interpretador, e não como um processo separado.

Primeiro contato

A instalação do Windows PowerShell é feita a partir do Windows XP com Service Pack 3, e, também, nas versões superiores do Windows, tendo como pré-requisito a instalação do Microsoft .NET Framework 2.0 com Service Pack 1 ou superior.

Após a instalação, começaremos então a entender como funciona o Windows PowerShell. Para inicialização do mesmo, basta executá-lo a partir do menu Iniciar. Para isto, clique em Iniciar > Executar. Observe que aparecerá uma caixa solicitando a digitação do comando a ser executado, que é Poweshell.exe. Feito isso, será aberto um shell para execução dos comandos e criação de scripts, conforme ilustrado na Figura 1.

Figura 1. Prompt de comando do Windows PowerShell quando inicializado.

Comandos internos do PowerShell

Como foi dito, o Windows PowerShell é repleto de comandos chamados cmdlets. Existem mais de 250 comandos do Windows PowerShell para aprender. No entanto, veremos que pela estrutura com que o Windows PowerShell foi desenhado, facilmente encontraremos os comandos que precisamos com uma ótima documentação para ajuda.

Ao contrário da maioria das outras interfaces de linha de comando, o Windows PowerShell foi padronizado utilizando verbos auxiliares no início dos comandos. Uma convenção de nomenclatura para saber como um cmdlet irá agir. Esta padronização é importante pois simplifica a curva de aprendizado, e a documentação do comando fornece uma descrição do que o cmdlet faz e formas de utilizá-lo.

As palavras reservadas dos cmdlets do Windows Power Shell são baseadas no inglês, por isto tem-se no início dos comandos verbos como Get, Set ...

Quer ler esse conteúdo completo? Seja um assinante e descubra as vantagens.
  • 473 Cursos
  • 10K Artigos
  • 100 DevCasts
  • 30 Projetos
  • 80 Guias
Tenha acesso completo